Wednesday, 20 de March de 2019

CONCURSOS


Tocantins

DPE-TO apura eventuais irregularidades no exame psicotécnico do concurso da Defesa Social

23 Jun 2015

A DPE-TO – Defensoria Pública do Estado do Tocantins, por meio do NAC – Núcleo de Ações Coletivas, requisitou ao Governo do Estado do Tocantins e à Funcab - Fundação Professor Carlos Augusto Bittencourt informações quanto aos aspectos legais que nortearam as avaliações psicológicas para os cargos de Técnico em Defesa Social, Técnico Socioeducador, Analista em Defesa Social, Analista Socioeducador e Assistente Socioeducativo do Concurso Público para Provimento de Cargos do Quadro da Defesa Social e Segurança Penitenciária do Estado do Tocantins, Edital 04/001 de 15 de outubro de 2014, bem como cópias de algumas avaliações psicológicas.

O que motivou a atuação da DPE-TO nesse caso foi o fato de que diversos candidatos procuraram o NAC e relataram que a aplicação da avaliação psicológica não atendeu aos critérios estabelecidos no Edital 04/001 do Concurso, item n°11, que regulamenta o exame psicotécnico.

Conforme os relatos dos candidatos, o certame foi marcado por algumas falhas graves que acabam por macular a idoneidade e lisura, elencando, dentre elas:

que no dia da prova houve muito tumulto; que houve atraso na abertura dos portões; desorganização nos corredores dos blocos; superlotação nas salas; a presença de uma psicóloga e de um estagiário de Psicologia (estudante), divergindo do que está previsto no edital que exige a presença de dois profissionais inscritos no CRP- Conselho Regional de Psicologia; que ocorreram muitas interrupções pelos representantes da Funcab, sem prorrogar os prazos, uma vez que os testes eram cronometrados; que em algumas salas não foi informado que havia Ata para constar as reclamações; que a Funcab não disponibilizou uma cadeira adaptada para a realização da prova para a candidata T.C.M.S., que é canhota; que ocorreu quebra de sigilo e da isonomia na aplicação dos testes, pois os candidatos que fizeram provas no período matutino transferiram informações aos candidatos que realizaram os testes no período vespertino, pois as provas eram iguais, com as mesmas indagações; entre outras denúncias.

Ação
Diante desses graves relatos, a DPE-TO, valendo-se do PROPAC – Procedimento Preparatório para Ação Civil Pública nº 02/2015, instaurado no dia 14 de janeiro de 2015, para acompanhar o referido certame, requisitou informações ao Governo do Tocantins e à Funcab, com o propósito de elucidar as reclamações dos candidatos e apurar a veracidade das alegações, ainda mais quando se têm em destaque que os indícios apontam para eventual descumprimento das disposições no edital.

Para a DPE-TO, mediante análise do depoimento dos candidatos, percebe-se que, em tese, a Avaliação Psicológica aplicada pela Funcab apresentou resultados subjetivos, traçando um perfil profissiográfico do examinado, contrariando o entendimento jurisprudencial do STF – Supremo Tribunal Federal e do STJ – Superior Tribunal de Justiça acerca do tema em debate, uma vez que o teste psicológico não pode significar mais do que uma análise de saúde mental, o que pode comprometer a aplicação do referido teste, acabando por frustrar o direito constitucional de acesso aos cargos públicos, previsto no art. 37, inciso II, da Constituição da República Federativa do Brasil/1988.

Para o STF, é inequívoco que a exigência de exame psicotécnico, como requisito ou condição necessária ao acesso a determinados cargos públicos, somente é possível, nos termos da Constituição Federal, se houver lei em sentido material que expressamente o autorize, com previsão no edital do certame, sendo necessário um grau mínimo de objetividade e de publicidade dos critérios que nortearão a avaliação psicológica, além do momento oportuno do candidato para elaborar o recurso congênito.

Esclarecimento
Assim, para melhor apuração dos fatos, a DPE/TO requisitou do Governo do Tocantins e da FUNCAB informações em caráter de urgência, buscando resguardar os direitos dos candidatos hipossuficientes no referido concurso, sendo que em caso de não esclarecimento motivado dos fatos, além de eventual improcedência das justificativas, não restará alternativa a não ser a propositura de uma Ação Civil Pública, com o objetivo de reaplicar o teste psicológico aos examinandos prejudicados, diante do seu caráter subjetivo, em desconformidade com o entendimento do STF e STJ.

COMPARTILHE:


Confira também:


Redução

Aneel diz que pagamento de empréstimos reduzirá tarifa de energia

A quitação antecipada vai gerar economia de R$ 8,4 bi para consumidor

Transplantes de Córneas

Estado realizou 128 transplantes de córnea por intermédio e captação do Banco de Olhos

Oftalmologista, responsável técnica do BOTO, Doutora Núbia Maia aconselha o diálogo familiar sobre a doação de órgão para sanar a dúvida da família.


Crime

Corte estético de cauda e orelha de animais é crime ambiental

Além disso, os cães de cauda comprida possuem essa estrutura anatômica como contrapeso em corridas. “O corte acaba interferindo no equilíbrio natural do animal”, afirma.


Lançamento

Campanha da Fraternidade 2019 é lançada na Câmara Municipal

Durante sessão solene de quarta feira, 20, o Arcebispo Metropolitano Dom Pedro Brito Guimarães lançou a Campanha da Fraternidade 2019, na Câmara Municipal.


Balanço

ICMS Ecológico encerra prazo com adesão de 136 municípios


Energisa ouve clientes em audiência pública sobre projetos de eficiência energética


Palmas

Estudantes da UFT vencem 1º Prêmio do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Tocantins


18 de março

Dia da Autonomia homenageia luta de antepassados pela emancipação do norte de Goiás


Norte

Saúde negocia com profissionais para iniciar serviço de radioterapia em Araguaína


Boa forma

Diva Fitness choca seguidores nas redes sociais com foto de seu antes e depois



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira