Monday, 22 de October de 2018

CONCURSOS


Polícia Civil

Defensoria faz recomendação ao Estado para alterações no Edital de concurso

11 Nov 2014

A DPE-TO – Defensoria Pública do Estado do Tocantins, mediante atuação do NAC – Núcleo de Ações Coletivas, protocolou na SECAD - Secretaria Estadual de Administração, e SSP – Secretaria Estadual de Segurança Pública, a Recomendação nº 10 – PROPAC nº 211, na qual pede a supressão do subitem 16.6 do edital 001/01-2014 (Vagas para Delegados de Polícia), o subitem 12.6 do edital 002/01-2014 (vagas para Agente de Polícia, Escrivão de Polícia, Papiloscopista e Agente de Necrotomia) e o subitem 16.5 do edital 003/01-2014 (vagas para Legista e Perito Criminal), pois os referidos dispositivos promovem a eliminação automática de todos os candidatos que não forem convocados para a matrícula no Curso de Formação Profissional, representando violação aos princípios da razoabilidade, eficiência, economicidade e acessibilidade aos cargos públicos de provimento efetivo.

Um dos argumentos utilizados para fundamentar a Recomendação foram atos publicados pelo próprio Estado, que, consoante levantamento realizado pelos candidatos, dão conta de iminente aposentadoria de inúmeros cargos até o ano de 2015, justificando a necessidade de realização do certame com dispensa de licitação, visando regularizar o déficit funcional e aproveitar o máximo de candidatos excedentes.

A título de exemplo, segundo a Portaria SECAD/GASEC nº 184/2014, há a previsão da aposentadoria de 106 Agentes de Polícia, um Auxiliar de Autópsia, 55 Delegados de Polícia, 61 Escrivães, quatro Médicos Legistas, sete Papiloscopistas, seis Peritos Criminais e seis Peritos Policiais, mostrando, assim, a necessidade de formação do cadastro de excedentes.

Ademais, o concurso custou aos cofres públicos R$ 3.942.500,00 (três milhões, novecentos e quarenta e dois mil e quinhentos) e não seria razoável e eficiente permitir a eliminação de candidatos aprovados em todas as fases do concurso, quando se pode, facilmente, aproveitá-los no decorrer do prazo de validade do certame, atendendo aos ditames da eficiência e da economicidade, evitando novo dispêndio na realização de outro certame.

Para a Defensoria Pública, a possibilidade de aproveitamento dos candidatos que não forem convocados ao Curso de Formação não representa qualquer prejuízo ao erário, e melhor atende ao interesse público, pois a comunidade não será prejudicada com a deficiência na prestação do serviço público.
 
A Recomendação expedida pela DPE-TO respaldou-se em jurisprudência do STF – Supremo Tribunal Federal, que firmou o entendimento no sentido de que “em face do princípio da legalidade, pode a Administração Pública, enquanto não concluído e homologado o concurso público, alterar as condições do certame, constantes do respectivo edital, visto que antes do provimento do cargo o candidato tem mera expectativa de direito a nomeação ou, se for o caso, à participação na segunda etapa do processo seletivo”.

Aos gestores das duas pastas foi concedido prazo de cinco dias a contar do recebimento para se manifestar oficialmente sobre a possibilidade de exclusão dos subitem 16.6 do edital 001/01-2014 (Vagas para Delegados de Polícia), o subitem 12.6 do edital 002/01-2014 (Vagas para Agente de Polícia, Escrivão de Polícia, Papiloscopista e Agente de Necrotomia) e o subitem 16.5 do edital 003/01-2014 (Vagas para Legista e Perito Criminal), permitindo o aproveitamento dos candidatos excedentes, de modo que os postulantes não convocados para o curso de formação profissional não sejam automaticamente eliminados do certame, oportunizando-lhes ser aproveitados no decorrer do prazo de validade do concurso, conforme a conveniência e oportunidade da administração estatal. (Informações da ascom/DPE)

COMPARTILHE:

O que você achou da notícia?

14

PARABÉNS!
PARABÉNS!

15

BOM
BOM

17

AMEI!
AMEI!

15

KKKK
KKKK

12

ENGRAÇADO
ENGRAÇADO

10

Ñ GOSTEI
Ñ GOSTEI

6

CREDO!
CREDO!

Comentários

comments powered by Disqus


Confira também:


Brasil

Ministra rebate Eduardo Bolsonaro e diz que instituições são sólidas

No vídeo que circulou nas redes sociais, Eduardo Bolsonaro está em uma sala de aula e diz que “para fechar o STF nem precisa mandar um jeep, basta mandar um cabo e um soldado”.

Negócios

Governador Mauro Carlesse intensifica política de atração de investidores para o Tocantins

Mauro Carlesse já tem previsto em sua agenda, ainda sem data marcada, visitas ao Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraná, na cidade de Maringá.



Serviço

Saúde e Medicina 4.0

O que podemos observar em nossa era contemporânea é a modernização em todas as áreas com os avanços tecnológicos, e nesta premissa surgem os novos métodos de aprendizado com o auxílio da Tecnologia da Informação.


Eleições 2018

Jair Bolsonaro diz que não existe ameaça de fechar Supremo e fala em desconhecer declarações do filho

"Não existe isso de crítica e fechar STF. Se alguém falou em fechar o STF, tem que consultar o psiquiatra", afirmou. "Eu desconheço, duvido. Alguém tirou de contexto".


Beleza

Musa do Brasileirão, Bianca Leão conta como perdeu barriga depois de gravidez

Ela conclui contando que parou de comprar muita besteira para dentro de casa


Brasil

Acidentes de trânsito com vítimas caem 18% até agosto, revela DPVAT


Ocorrência

Suspeito de aplicar vários golpes é preso pela Polícia Civil em Guaraí


Estado

BRK Ambiental apresenta programa de estágios e ensina consumo consciente para universitários em evento em Gurupi


Educação Superior

Equilíbrio financeiro e busca pela melhoria da qualidade de ensino marcam primeiros seis meses da atual gestão da Unitins


Cinoterapia

Projeto com cães no HGP e Infantil comemora um ano


Serviço

Inscrições abertas para o Curso de Supervisão em Serviço Social



  Blogs & Colunas


TiViNaLili

Lili Bezerra


Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira