Wednesday, 26 de September de 2018

Wednesday, 26 de September de 2018

CONCURSOS


Imbróglio

MPE ingressa com ação para anular contrato e editais do concurso da PC

04 Apr 2014

O Ministério Público Estadual (MPE) ingressou, nesta quinta-feira, 3, com uma ação civil pública contra o Estado do Tocantins e a Fundação Aroeira, na qual pede a anulação de todos os atos referentes ao concurso para os quadros Polícia Civil do Estado, incluindo o contrato efetuado entre o Governo e a Fundação Aroeira e os editais convocatórios para o certame. Também requer que seja realizado um novo procedimento administrativo para a contratação da instituição que responderá pelo concurso, desta vez seguindo os critérios legais.

A ação se baseia no fato de que não ficou comprovada, documentalmente, a “inquestionável reputação ético-profissional” da Fundação Aroeira, critério necessário para que a instituição fosse contratada sem licitação, segundo estabelece a lei federal nº 8.666/93 (Lei das Licitações).

No texto da ação, o promotor de Justiça Edson Azambuja argumenta que não foi demonstrada a experiência da Fundação Aroeira na realização de concursos de complexidade e envergadura similares ao da Polícia Civil do Estado, que visa ao preenchimento de cargos de delegado, médico legista, escrivão, agente de polícia e agente de necrotomia.

Na documentação apresentada pela Fundação Aroeira, constam como experiências anteriores apenas concursos públicos para algumas prefeituras do interior de Goiás, para cargos como professor, monitor escolar, agente administrativo, guarda municipal e agente de trânsito. Inclusive, o último certame realizado pela instituição, segundo o atestado de capacidade técnica apresentado pela própria Fundação Aroeira, data do ano de 2008.

O promotor de Justiça diz que causou perplexidade o seguinte argumento apresentado pela Fundação Aroeira na mídia: “para fazer o concurso de delegado é preciso que se faça um pela primeira vez. Já fizemos vários outros concursos e quem faz um concurso faz qualquer concurso.” Diante disso, Edson Azambuja contra-argumenta no texto da ação: “Ora, quer dizer então que o Estado do Tocantins é um verdadeiro laboratório, no qual o próprio Estado e os concursandos de todo o Brasil são verdadeiras cobaias!”.

O Estado havia sido orientado a contratar, para realizar o certame, uma instituição com “inquestionável reputação ético-profissional” por órgãos do próprio Poder Executivo: Procuradoria-Geral do Estado, Controladoria Geral do Estado e Conselho Superior de Segurança Pública do Estado.

Segundo o Ministério Público, como foi feita, a contratação violou os princípios da legalidade, da razoabilidade, da moralidade administrativa e da proteção à confiança. E o Secretário da Administração, que realizou a escolha da banca por ato direto, não possui poder ilimitado. Assim, teria que atender aos princípios legais na escolha da banca.

Liminar
A ação requer que sejam anulados os atos administrativos, contrato e editais do concurso antes do julgamento da ação, por meio de liminar, já que as provas estão agendadas para serem aplicadas em breve, entre 25 de maio e 1º de junho. “Ademais, mantendo-se a Fundação Aroeira na condução do concurso, é muito provável que o certame seja invalidado no futuro, o que provocará uma série de transtornos”, argumenta o Promotor de Justiça Edson Azambuja no texto da ação civil pública.

“Não basta suspender o concurso público. Isso prolongaria demasiadamente o sofrimento dos candidatos e impediria o preenchimento célere dos cargos públicos, notadamente os afetos à Segurança Pública, que necessitam de provimento urgente em face dos índices alarmantes e crescentes de criminalidade no Estado do Tocantins”, acrescenta Edson Azambuja, na ação.

Inscritos
A ação civil pública pede que seja garantido aos candidatos inscritos o direito à restituição da taxa de inscrição ou o aproveitamento do valor como pagamento para um novo seletivo, de acordo com o interesse de cada candidato.

Recomendação
O Ministério Público Estadual chegou a pleitear a anulação dos atos referentes ao concurso pela via administrativa, em recomendação apresentada às secretarias estaduais da Administração e da Segurança Pública, no último dia 21, não sendo atendido pelas pastas. (Portal CT)

Veja a nota à imprensa encaminhada pela Fundação Aroeira, em resposta à ação do Ministério Público.

 

NOTA À IMPRENSA
A Fundação Aroeira já comprovou a sua capacidade técnica na realização de concursos ao longo dos seus 15 anos de atuação no estado de Goiás. Realiza os concursos com o suporte dos profissionais da PUC Goiás. São docentes que atuam também no Poder Judiciário, no Ministério Público Federal e Estadual de Goiás, na Escola da Magistratura, Academia de Polícia Civil de Goiás e Escola Superior do Ministério Público de Goiás. É com este nível técnico que a Fundação Aroeira está realizando o concurso da Polícia Civil do Tocantins. 

A Fundação entende que um concurso na área jurídica não se distingue em complexidade de outras áreas. Seja na área médica, educacional, segurança, fiscal ou jurídica sempre haverá a necessidade de se ter profissionais qualificados para compor a banca e a organização do concurso. E no caso do concurso da Polícia Civil do Tocantins, a Fundação Aroeira, através da PUC, dispõe de profissionais com históricos que os qualificam para fazer parte de qualquer concurso em nível nacional.

Sobre a reputação “ético-profissional”, a Fundação Aroeira vê com preocupação os questionamentos feitos de Ministério Público do Tocantins. Afinal em seus 15 anos de atuação, a Fundação Aroeira nunca foi alvo de processos judiciais que pudessem por em cheque a sua imagem.

A Fundação Aroeira entende a importância deste concurso para a sociedade tocantinense. É um certame que proverá vagas para atender à urgência da Polícia Civil e da Segurança Pública do Estado. Aceitou apresentar proposta para realizá-lo por estar preparada para desenvolver este trabalho.

A instituição foi selecionada por apresentar a melhor condição técnica e financeira para realização do certame. A remuneração é baseada em um percentual sobre o volume das inscrições, conforme contrato publicado no Diário Oficial do Estado. Portanto quaisquer outras informações sobre o valor que será pago à Fundação Aroeira são imprecisas.

A Fundação Aroeira é uma entidade sem fins lucrativos e todos os valores obtidos na realização do concurso serão redirecionados para seus trabalhos nas áreas científica, social e cultural. A Fundação foi instituída pela Sociedade Goiana de Cultura – SGC, mantenedora da Pontifícia Universidade Católica de Goiás – PUC Goiás. São instituições ligadas à Igreja Católica, consideradas referência no estado de Goiás em diversas áreas do conhecimento.

COMPARTILHE:

O que você achou da notícia?

8

PARABÉNS!
PARABÉNS!

5

BOM
BOM

7

AMEI!
AMEI!

5

KKKK
KKKK

7

ENGRAÇADO
ENGRAÇADO

5

Ñ GOSTEI
Ñ GOSTEI

3

CREDO!
CREDO!

Comentários

comments powered by Disqus


Confira também:


Irregularidades

Vistoria realizada pelo MPE constata irregularidades em obra da Feira da 307 Norte

Outro problema detectado foi a falta de vigilância para evitar a ação de vândalos durante o período de obra.

Câncer de Pele

TOCANTINS registrou 1703 casos de câncer de pele

Já o câncer de pele do tipo não-melanoma é o de maior incidência na população, porém de mais baixa mortalidade. Comum em pessoas com mais de 40 anos, é raro em crianças e negros, com exceção daqueles já portadores de doenças cutâneas anteriores.




  Blogs & Colunas


TiViNaLili

Lili Bezerra


Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira