Tuesday, 23 de July de 2019

ESPECIAL


Planeta maconha

31 Jul 2008

A prisão dos seis integrantes da banda carioca de rock Planet Hemp, há quatro anos, despertou a atenção do público brasileiro para uma questão que há muito tempo vem sendo discutida pelos órgãos internacionais de combate ao tráfico de drogas: até que ponto a adesão de músicos conhecidos à luta pela legalização do consumo de drogas é inofensiva manifestação do livre pensamento ou má influência para as jovens e vulneráveis platéias que recebem essas mensagens?

Os artistas do Planet Hemp - nome inglês que significa Planeta Maconha - foram presos em Brasília, depois de um show, e libertados cinco dias mais tarde. Nas letras das músicas que apresentam nos espetáculos, eles defendem a legalização do uso da maconha, com o argumento de que a droga não faz mal. Porém, entre essa leva de bandas a favor do consumo de drogas e comportamentos violentos, algumas já se redimiram.

Como é ocaso do britânico Ozzy Osbourne, que ficou famoso por ter arrancado com os dentes a cabeça de um morcego vivo durante o show.

Hoje ele vem atraindo grande audiência nos EUA, com um programa sobre sua vida doméstica, surpreendentemente comum. O reality show The Osbournes mostra o ex-vocalista Black Sabbath passando aspirador na casa, acariciando seus bichos de estimação e exigindo bons comportamentos dos filhos. O jornal O GIRASSOL foi às ruas da Capital para saber a postura da comunidade quanto à legalização da droga e quanto à manifestação explícita de grupos musicais em favor da liberação da droga.

 

Você é a favor ou contra da legalização das drogas?

"Eu sou a favor da liberação das drogas, desde que saibamos quem vai administrar esse dinheirão todo". Acredito que após a legalização não haveria aumento no consumo. Quanto à manifestação de grupos musicais a favor da legalização, acredito que se o Planet Hemp tem influenciado o consumo de drogas, É o Tchan e o Bonde do Tigrão também tem. Só que num âmbito diferente, no incentivo à prostituição. Acho que discriminar um grupo que gera muita polêmica por ser a favor do consumo de drogas não é a solução.Grupos que incentivam quaisquer práticas negativas também precisam ser avaliados".

Railton César Araújo- 26 anos, artista gráfico

 

"Sou contra a legalização. Não tem cabimento. Minha própria família é um exemplo de que a droga só traz destruição. Meu irmão se envolveu com as drogas e começou a roubar e a traficar. O que aconteceu foi que só depois de anos tivemos paz. Infelizmente ela só veio depois que ele morreu. Não há como fugir. Este é o final para todo o usuário de drogas: a destruição".

Érica dos Santos - 22 anos, enfermeira

 


"Sou totalmente contra. É um absurdo. Droga só destrói. Ela nunca constrói. Acho que até a bebida deveria ser proibida. A droga não deveria nem ser fabricada, muito menos legalizada"

Maria Cecília da Silva - 28 anos, do lar

 

"Sou contra a legalização das drogas. Para mim, o cigarro já deveria ser proibido; Imagina a maconha!"

Marcos de Sousa - 28 anos, instrutor de futebol

 


"A pessoa sob o domínio da droga é capaz de roubar e até matar, por isso não concordo com a legalização".

José Santana de Miranda, 52 anos, comerciário

COMPARTILHE:


Confira também:


Editorial

Isolada, prefeita Cinthia perde o equilíbrio mirando no Palácio Araguaia

Na postagem desta segunda, a prefeita ataca o Palácio Araguaia. Sem meias palavras falou que o governo estava pegando carona na programação de férias nos eventos de Taquaruçu


  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira