Palmas, 20/11/2017

Estado

Interior

Governador e ministro do Desenvolvimento Social visitam Aldeia Brejo Comprido em Tocantínia

  • Na aldeia, a comitiva visitou residências indígenas e acompanhou atividades lúdicas desenvolvidas por técnicos do programa com as crianças. Também foram realizadas apresentações da cultura indígena local.

Frederick Borges

Governador e ministro do Desenvolvimento Social visitam Aldeia Brejo Comprido em Tocantínia



O governador Marcelo Miranda, acompanhado da primeira-dama e deputada federal Dulce Miranda, recebeu na manhã desta segunda-feira, 16, o ministro do Desenvolvimento Social (MDS), Osmar Terra, em Palmas. A vinda do ministro ao Estado fez parte de uma visita domiciliar à Aldeia Brejo Comprido, no município de Tocantínia, que integra o Programa Criança Feliz.

O objetivo foi observar a aplicabilidade do programa, além de conhecer a realidade local com um propósito maior: traçar e promover ações que auxiliem no desenvolvimento das crianças da gestação aos seis anos de idade. A vice-governadora Claudia Lelis e uma comitiva chinesa também acompanharam o ministro durante a visita.

Na aldeia, a comitiva visitou residências indígenas e acompanhou atividades lúdicas desenvolvidas por técnicos do programa com as crianças. Também foram realizadas apresentações da cultura indígena local.

O governador ressaltou que a visita do ministro abre a possibilidade de novos projetos dessa natureza. "É um programa abrangente, que envolve não só as crianças, mas também as famílias", disse, destacando a visita dos representantes do governo chinês como exemplo do alcance social da iniciativa.

O ministro Osmar Terra ressaltou que o governador Marcelo Miranda faz uma administração para marcar época. "O Tocantins é pioneiro no desenvolvimento desse programa, que foca a primeira infância, porque toda a inteligência do ser humano se desenvolve até os primeiros dois anos de vida. Uma criança bem estimulada vai ter mais facilidade ao chegar à escola e, automaticamente, um maior desenvolvimento intelectual", explicou.

A técnica do Programa em Tocantínia, Elisabete Silva Xerente, disse que o  trabalho consiste em ouvir primeiramente as mães, que são orientadas em como estimular os filhos. "Esse trabalho lúdico é fundamental para o desenvolvimento dessas crianças e vem sendo bem aceito nas aldeias. É um programa muito bom, que pode mudar a realidade do nosso povo".

"Não podemos deixar de reconhecer tudo o que o governador Marcelo Miranda tem feito pelos povos indígenas, principalmente para nós da nação Xerente", disse Ercivaldo  Xerente, liderança e diretor de Escola. Ele justificou seu agradecimento citando a atenção que a aldeia tem recebido nos setores da Educação e Social, bem como pelas oportunidades de acesso ao ensino superior.  "Passei a admirar e, hoje, sou seu fã", disse ele referindo-se ao governador. Ercivaldo completou seu pensamento, externando: "geralmente somos vistos como marginais, preguiçosos, mas na verdade nosso mundo, nossa cultura é diferente. Queremos crescer, queremos uma vida melhor. Esse programa é uma oportunidade. Por isso, agradeço também o ministro aqui presente".

O coordenador regional da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Eduardo Batalha Macedo, também destacou a importância da iniciativa. "Um brilhante programa que vai impactar diretamente todas as famílias dessas aldeias beneficiadas. Entendemos que esse estímulo que as crianças estão recebendo será fundamental para o futuro dos indígenas".


O Programa

O Programa Criança Feliz tem como foco o desenvolvimento integral das crianças brasileiras, principalmente aquelas que se encontram em situação de vulnerabilidade social, além de oferecer apoio abrangente para toda família, desde a gestação. O principal objetivo é assegurar as condições para que elas desenvolvam seu pleno potencial. Para isso, há uma estratégia de visitação domiciliar que visa atender famílias com crianças até 3 anos de idade. No caso de crianças em situação de extrema pobreza ou necessidades especiais, o apoio se estende até os 6 anos de idade.

A visita domiciliar ocupa o eixo principal do Criança Feliz. Por meio dela, as equipes conhecem a realidade do público e oferecem apoio e orientações que os auxiliem no desenvolvimento das crianças da gestação aos seis anos. A intenção é fazer com que as crianças cheguem à escola com melhores condições de aprendizado e tenham mais chances de vencer a pobreza. Como a criança tem o dobro de conexões cerebrais que um adulto, é nesse momento que os principais vínculos afetivos são estabelecidos.


Comitiva chinesa

A comitiva do governo chinês é formada pelo vice-presidente da Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa da China, Luanda Maia; pelo Gerente de Operações, Gab Guoqing; e os diretores do Centro de Desenvolvimento Infantil, Mary Yong,  Cao Yang,  Wu Zhiping, Liang Bojiao e Shi Lijia.


Pioneira

A aldeia Porteira, no município de Tocantínia, foi a primeira comunidade indígena no País a receber as visitas domiciliares previstas pelo programa. Lá, a escolha da equipe de trabalho buscou levar em conta o conhecimento e a proximidade dos entrevistadores com a cultura Xerente.

A escolha da equipe é uma responsabilidade do município e o Governo do Estado capacita esses trabalhadores. As equipes receberam uma capacitação de 40 horas e tiveram aulas práticas.

O Tocantins aderiu ao programa em 2016. Em todo o Estado, 43 municípios já participam e, segundo o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), outros 37 municípios estão aptos a solicitar adesão. A expectativa é atender, no Tocantins, até 2018, 4.500 crianças.


Confira também


Comentários

comments powered by Disqus