Saturday, 07 de December de 2019

GERAL


Crítica 3

“Qualquer intelectual de bom senso prefere ficar calado”

03 Jun 2008

Esboçando certa “sociologia da boemia”, o autor ressalta a importância dessa na formação de gerações intelectuais, uma vez que um modo de vida boêmio favorece a emergência dos novos talentos. Segundo Malcolm Cowley [1], escritores não surgem isoladamente, a intervalos aleatórios, eles aparecem em grupos ou constelações circundados por anos comparativamente vazios. Scott Fitzgerald escreveu que uma verdadeira geração tem seus líderes e porta-vozes e traz para sua órbita aqueles nascidos logo antes e logo depois.

Cowley revisa o clássico argumento de Max Weber de que a ética puritana – repressão, ascetismo, culpa – lubrifica as máquinas do capitalismo. E ética da produção que pregava a indústria, a previdência, a poupança pertencia a uma era anterior à máquina. O capitalismo recente não precisava de trabalho e economia, mas de lazer e gastos, não de uma ética de produção, mas de uma ética de consumo. Nesse conflito entre ética de produção antiga e ética de consumo recente, Greenwich Village, o bairro boêmio novaiorquino, teve um papel crucial: sua devoção ao prazer e à auto-expressão se ajustava ao “etos do mercado”. Donde que a boemia provou ser sua vanguarda. “Viver o momento” passou a promover o consumismo, acabaram-se restrições de preço e utilidade. Até a “igualdade feminina” – uma realidade na boemia – passou a vender cigarros. Em 1929!

Quarenta anos depois, a sexualidade e a subversão dos anos 60 comercializaram, popularizaram, banalizaram e, por fim, destruíram a ética boêmia que, sob o nome de contracultura, fundiu-se na corrente da “cultura” principal: a do dinheiro. E os shopping centers anti-tabagistas cortaram qualquer possibilidade de vida boêmia, senão de vida cultural propriamente dita tal como foi definida lá atrás.

Voltando ao sumiço do “intelectual público”: aqui também eles sumiram completamente.

E a nossa perda é ainda maior, pois se, para Russel Jacoby, os Estados Unidos jamais tiveram um pensamento crítico-cultural brilhante, e ele estava se referindo aos pensadores europeus – Derrida, Sartre, Camus, Habermas, Lacan, Foucault, aos escritores latino-americanos – Garcia Márquez, Borges, Cortázar ­– no Brasil, cujo pensamento tem origem no ensaísmo livre de Gilberto Freyre e Euclides da Cunha, tivemos intelectuais públicos admiráveis entre os anos 50 e 70 – Celso Furtado, Antonio Callado, Nelson Rodrigues, Antonio Cândido, Ferreira Gullar, Glauber Rocha, Stanislaw Ponte Preta, toda a turma do Pasquim (não quero ser extensiva) até Paulo Francis, morto em 1997, o último dos velhos dragões do pensamento independente a escrever na imprensa.

Realmente admiráveis, concordemos ou não com suas idéias. E o que temos hoje? Diogo Mainard? O blog do Reinaldo Azevedo? Arnaldo Jabor? Paulo Coelho? Lya Luft? Gabriel Chalita?

Sociologismos à parte, à vista dessa fauna não admira que qualquer intelectual de bom-senso prefira ficar calado.


[1] Editor e agitador cultural, publicou The Paris Review a partir de 1953, revista de língua inglesa editada na França, com as famosas entrevistas de escritores consagrados mais tarde publicadas em livro com o título de Writers at work, traduzido no Brasil como Escritores em Ação, pela Paz e Terra, e a série de três volumes de Os Escritores, pela Companhia das Letras.


* A escritora paulistana Márcia Denser publicou, entre outros, Tango Fantasma (1977), O Animal dos Motéis (1981), Exercícios para o pecado (1984), Diana caçadora (1986), Toda Prosa (2002) e Caim (2006). Participou de várias antologias importantes no Brasil e no exterior. Organizou três delas - uma das quais, Contos eróticos femininos, editada na Alemanha. Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, é pesquisadora de literatura brasileira contemporânea, jornalista e publicitária.

COMPARTILHE:


Confira também:


Meio Ambiente

Governo do Tocantins participa do maior evento de Mudanças Climáticas do mundo

O vice-governador Wanderlei Barbosa representará o Tocantins na Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudanças Climáticas, a COP 25


  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira