Saturday, 18 de January de 2020

GERAL


´Violência em 2006

72% de atendimentos foram praticados por familiares

12 Mar 2009

Dados do Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (Viva), do Ministério da Saúde, de 35 municípios em 27 estados brasileiros mostram que, em 2006, foram realizados um total de 46.531 atendimentos de violências e acidentes em serviços de urgência e emergência nessas cidades. Desses, 89,6% (41.677) foram devido a acidentes (sobretudo de trânsito e quedas) e 10,4% (4.854) a casos de violência. Com o Viva, foi possível traçar um perfil da violência e acidentes nos serviços de urgências e emergências nesse conjunto de municípios. No Tocantins, a única cidade em que houve coleta dos dados foi Palmas, e a pesquisa foi realizada no Hospital Dona Regina e no Hospital Geral de Palmas – HGP.

O baixo percentual de violência comparado a acidentes não significa que o país tenha pouca violência doméstica e maus tratos contra crianças, adolescentes e idosos. “Na verdade, isso ocorre porque essa violência muitas vezes é velada, nem chegam ao pronto-socorro, são atendidas no ambulatório de especialidade ou em um centro de referência de violência. Muitas das vítimas nem chegam a procurar algum serviço de saúde”, explica a coordenadora da Área de Prevenção de Violências, do Ministério da Saúde , Marta Silva.

Para uma violência sexual chegar ao serviço de urgência, geralmente, foi uma violência muito grave, como um estupro. O mesmo ocorre com as violências físicas que, quando chegam ao serviço de saúde, geralmente, é porque houve grave lesão corporal. “Quando se fala em violência, é importante sempre relacioná-la a uma intencionalidade”, completa Marta.  

Em relação à violência, o principal motivo de atendimento na urgência foram as agressões (4.223 atendimentos – ou 87%) e, em segundo lugar, as tentativas de suicídio (421 – ou 8,7%) e, por último, os maus tratos (210 – 4,3%). Os maus tratos caracterizam-se por uma forma de violência de repetição, podendo manifestar-se por meio de várias formas, como a violência física, sexual, psicológica, negligência e abandono.

 

Principal tipo de violência é a agressão física

O principal tipo de violência identificada na Viva foi a agressão física, seguido pela agressão por armas branca e de fogo. Os homens foram mais freqüentemente atingidos entre os casos de agressão, que inclui as tentativas de homicídio – representando 78% dos atendimentos. Quanto às tentativas de suicídio, homens são responsáveis por 44,7% dos atendimentos e mulheres, 55,3%. Porém, quando se compara o número de mortos por suicídio por sexo, a população masculina morre mais que a feminina.   

As mulheres são atendidas nas emergências primeiramente pelas agressões (948), seguido pelas tentativas de suicídio (233) e pelos maus tratos (138). Os atendimentos em emergência por tentativas de suicídio foram, principalmente, por envenenamento.

Dos atendimentos, o(a) provável autor(a) de agressão foi uma pessoa totalmente desconhecida da vítima (42,9%) e, depois, pessoa presente em seu meio de convívio social (39,3%), como colega de trabalho, amigo ou vizinho. Os maus tratos foram, na maioria das vezes, praticados por familiares, incluindo os pais, companheiros(as), filhos(as), padastros/madastras, dentre outros, com 72% dos atendimentos. “Esse fato é gravíssimo e mostra a triste realidade da violência doméstica em nosso país”.

 

Os dados

O estudo das urgências, como foi feito nesta edição do Saúde Brasil 2007, é estratégico, pois tenta identificar violências que estão mascaradas em “acidentes” como queimaduras, quedas, ou quaisquer frutos de maus tratos ou negligências. Isso porque muitos acidentes passam como tal, mas é preciso fazer uma investigação mais aprofundada, verificando a existência ou não de um ato intencional, pois pode ser na realidade uma violência.

O projeto Viva mostra que o perfil das violências e de acidentes que chegam às urgências difere dos levantamentos de mortalidade e morbidade hospitalar e traz um retrato do perfil das vítimas, do(a) provável autor(a) da agressão e dos meios utilizados mostrando uma outra face do fenômeno das violências no país. A importância desse levantamento se dá, sobretudo, por sua amplitude, pois ele na de internação. “O grande público que chega à urgência, retorna para casa após realizar o procedimento de emergência, ou seja, muitas vezes não é internado e essa informação não entraria nas estatísticas do SUS se não existisse esse levantamento”, observa a técnica.

COMPARTILHE:


Confira também:


Economia

Governo do Tocantins e Conselho Regional de Administração firmam parceria para fomentar empreendedorismo

Parceria entre o Governo do Estado e CRA visa otimizar o desenvolvimento econômico e social do Estado

Economia

Confiança dos empresários do comércio cresce em janeiro

Com relação a gestão de suas empresas, 69% dos entrevistados falaram que esperam aumentar um pouco o número de funcionários em sua empresa.


Educação

Educadores participam de Curso de Liderança e Gestão Educacional

Durante esses dois dias de formação os educadores serão conduzidos pelo conferencista, palestrante e consultor em Educação e Gestão, Renato Casagrande, que os levará a desenvolverem competências comportamentais, conceituais e técnicas de forma que estes at


SES

Mutirão da Corregedoria da SES garante mais de R$ 3 mi em estoque de materiais e medicamentos

Foram analisadas as responsabilidades em casos de produtos não entregues, entregues parcialmente ou com atraso na entrega à SES


Ageto

Governo realiza roçagem de rodovias do perímetro urbano de Palmas


Seduc

Educação amplia atendimento para cadastro de matrículas de alunos novatos na rede estadual


Moradia

Governo inicia entrega de casas no Jardim Taquari em fevereiro


Abastecimento

Estado distribui vacina pentavalente a todos os municípios tocantinenses


Educação Superior

Unitins divulga lista com locais de provas do Vestibular 2020/1 do Câmpus Paraíso


Palmas

AASJN realiza XVIII Encontro de Musicistas, 4º Prêmio Músico Nota 10 e debate Campanha da Fraternidade 2020



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira