Palmas, 13/12/2017

Geral

Empreendedorismo

Feira do Trabalho incentiva empreendedorismo em Araguaína

  • Eliane Pereira despertou o interesse em vender seus produtos ap√≥s o evento realizado pela Prefeitura. ‚ÄúEu fazia antes meus biscuit como terapia, agora vejo uma oportunidade de ter uma renda extra‚ÄĚ

Marcos Filho/Ascom

Feira do Trabalho incentiva empreendedorismo em Araguaína



Thatiane Cunha


Mais de 20 alunos concluintes de cursos realizados gratuitamente pela Prefeitura despertaram o interesse em vender seus produtos de forma profissional em Aragua√≠na. O incentivo ao empreendedorismo foi a partir da 1¬™ Feira do Trabalho, realizada no Parque Cimba no √ļltimo s√°bado 23. Com a exposi√ß√£o de seus produtos e o primeiro contato com o p√ļblico, a dona de casa Eliane Pereira disse que n√£o quer mais parar de vender.

"Eu fazia antes meus biscuit como terapia, agora vejo uma oportunidade de ter uma renda extra para minha família", afirmou Eliane, que fez o curso no início deste ano no Centro de Geração de Renda.

Assim como a dona de casa, a estudante surda Caroline Maciel v√™ novos horizontes para a venda de chocolates com a experi√™ncia da feira. "√Č a primeira vez que vendo e gostei muito.  Estou fazendo outro curso de doces. Em novembro, estarei vendendo na outra feira", contou Caroline, que aprendeu a confeccionar os pirulitos de chocolate em curso ofertado pela parceria entre a Prefeitura e o Servi√ßo Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai).

A int√©rprete da Central de Interpreta√ß√£o de Libras (CIL) do Munic√≠pio, Edla Alencar, que fazia o contato de Caroline com o p√ļblico, afirmou que a estudante pretende continuar vendendo os doces para juntar dinheiro para seu casamento. "Ela aprendeu muito r√°pido e est√° muito empolgada com a oportunidade. Est√° muito feliz em poder vender seus produtos".

Feiras contínuas

Para o coordenador da 1¬™ Feira do Trabalho, Jhenmerson Rodrigues, o principal foco era despertar o empreendedorismo dos alunos por meio do contato direto com o cliente. "E estamos percebendo na din√Ęmica que, neste primeiro contato com os clientes, eles est√£o empolgados. Tem senhora que n√£o sa√≠a de casa de jeito nenhum, a sa√≠da era s√≥ para o curso. A ideia √© trabalhar esses talentos e fazer com eles tamb√©m sejam rent√°veis".

O coordenador ainda falou sobre a realização de mais feiras. "Qual o ganho da pessoa fazer esse trabalho e ficar só em casa? A gente quer expor isso. Tem alunos que são verdadeiros artistas. A feira será contínua a cada dois meses. Agora que já absorvemos esse primeiro contato com o cliente e se a gente vê que já necessidade, tornaremos cada vez mais frequente".

A feira

A 1¬™ Feira do Trabalho exp√īs ao p√ļblico tapetes, bordados √† m√£o, produtos de biscuit, p√£es, bombons e trufas. Os expositores eram de setores ondem residem fam√≠lias em vulnerabilidade social, como Xixebal, Bairro de F√°tima, Aragua√≠na Sul, Vila Azul, C√©u Azul e Barra da Grota. Durante a feira, os valores arrecadados foram destinados para os pr√≥prios alunos que confeccionaram o material durante os cursos ministrados pelo Programa de Promo√ß√£o do Acesso ao Mundo do Trabalho (Acessuas) e parceiros.

O evento contou com o apoio da Sala do Empreendedor, com informa√ß√Ķes sobre o Microempreendedor Individual (MEI) e Servi√ßo Brasileiro de Apoio √†s Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que disponibilizou equipes de apoio em cursos profissionalizantes.


Confira também


Coment√°rios

comments powered by Disqus