Palmas, 22/01/2018

Geral

Inteligência Artific

Gartner prevê que Inteligência Artificial criará mais empregos do que eliminará a partir de 2020

  • A Inteligência Artificial criará 2 milhões de empregos até 2025


O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento imparcial em tecnologia, prevê que 2020 será um ano crucial na dinâmica de emprego, uma vez que a Inteligência Artificial (AI) se tornará um positivo motivador. O número de postos de trabalho afetados pela AI irá variar de acordo com a indústria. Até 2019, setores da saúde, do governo e da educação terão uma crescente demanda de empregos, enquanto a manufatura será atingida fortemente. A partir de 2020, a criação de empregos relacionados à Inteligência Artificial (AI) passará por uma transformação positiva, chegando a 2 milhões de novos postos de trabalho em 2025.

"Muitas inovações significativas no passado foram associadas a um período de transição de perda de emprego temporário, seguido de recuperação. Então, a transformação de negócios e a AI provavelmente seguirão essa rota. A Inteligência Artificial melhorará a produtividade de muitos empregos, eliminando milhões de posições de nível médio e baixo, mas também criará milhões de novas posições de habilidades altamente qualificadas, gerenciamento e até mesmo a variedade de nível de entrada e baixa qualificação", afirma Svetlana Sicular, Vice-Presidente de Pesquisas do Gartner.

"Infelizmente, as previsões mais pessimistas de perdas de emprego confundem a AI com a automação - que ofusca o maior benefício de AI - uma combinação de Inteligência Humana e Artificial, em que ambos se complementam", diz Svetlana.

Os líderes de TI não devem apenas se concentrar no aumento líquido projetado de empregos. Com cada investimento em tecnologias habilitadas para AI, devem-se levar em consideração quais empregos serão perdidos, quais empregos serão criados e como irá transformar a forma como os trabalhadores colaboram com os outros, como tomarão decisões e como terão os seus trabalhos concluídos.

"Agora é a hora de realmente impactar a sua direção em longo prazo de AI", afirma Svetlana. "Para o maior valor, concentre-se em aumentar as pessoas com AI. Enriquecer o emprego das pessoas, reimaginar tarefas antigas e criar novas indústrias. Transforme sua cultura para torná-la rapidamente adaptável a oportunidades ou ameaças relacionadas a AI".

O Gartner identificou previsões adicionais relacionadas ao impacto da AI no local de trabalho:

Em 2022, um em cada cinco trabalhadores envolvidos na maioria das tarefas não rotineiras dependerá da AI para fazer um trabalho. A inovação foi aplicada em tarefas altamente repetitivas em que grandes quantidades de observações e decisões podem ser analisadas para padrões. No entanto, a aplicação de AI para um trabalho de menor rotina que é mais variável e, devido à menor repetitividade, começará a render benefícios superiores. É mais provável que a AI aplicada ao trabalho sirva para ajudar os seres humanos, ao invés de substituí-los, uma vez que as combinações de seres humanos e máquinas funcionarão de forma mais eficaz do que os especialistas humanos ou as máquinas orientadas por AI que trabalhem sozinhas.

"Usar a AI para gerar automaticamente um relatório de status semanal ou escolher os cinco principais e-mails em sua caixa de entrada não tem o mesmo fator surpreendente que, digamos, curar uma doença séria, e é por isso que esses usos práticos e de curto prazo passam despercebidos. As empresas estão apenas começando a aproveitar a oportunidade para melhorar o trabalho não rotineiro através por meio da Inteligência Artificial, aplicando-a a ferramentas de propósito geral. Uma vez que os trabalhadores do conhecimento incorporem a inovação em seus processos de trabalho como uma secretária virtual ou interna, os empregados robôs se tornarão uma necessidade competitiva", afirma Craig Roth, Vice-Presidente de Pesquisa do Gartner.

Até 2022, os esforços do varejista multicanal para substituir os associados de vendas através por meio da AI não terão êxito, embora o caixa e os empregos operacionais sejam interrompidos. Alavancar tecnologias como AI e robótica, os varejistas usarão automatização de processos inteligentes para identificar, otimizar e automatizar atividades intensivas em mão-de-obra e repetitivas que são atualmente realizadas por seres humanos, reduzindo os custos trabalhistas através mediante da eficiência da sede para centros de distribuição e lojas. Muitos varejistas já estão expandindo o uso da tecnologia para melhorar o processo de pagamento nas lojas. No entanto, a pesquisa sugere que muitos consumidores ainda preferem interagir com um associado experiente de vendas ao visitar uma loja, particularmente em áreas especializadas como material de construção, farmácias e cosméticos, onde os associados informados podem causar um impacto significativo na satisfação do cliente. Embora reduza o trabalho utilizado para o check-out e outras atividades operacionais, os varejistas terão dificuldade em eliminar os conselheiros de vendas tradicionais.

"Os varejistas serão capazes de fazer economias trabalhistas, eliminando empregos altamente repetitivos e transacionais, mas precisarão reinvestir algumas dessas economias em treinamentos que possam melhorar a experiência do cliente", afirma Robert Hetu, diretor de pesquisa do Gartner. "Como tal, a maioria dos varejistas poderá ver a AI como uma forma de aumentar as experiências dos clientes em vez de simplesmente remover humanos de todos os processos".

Em 2021, o aumento de AI gerará US$ 2,9 trilhões em valor comercial e recuperará 6,2 bilhões de horas de produtividade do trabalhador. Embora muitas indústrias recebam o crescente valor comercial da AI, a fabricação é uma que receberá uma grande parte da oportunidade de valor do negócio. A automação levará as economias de custos, enquanto a remoção de fricção nas cadeias de valor aumentará ainda mais as receitas, por exemplo, na otimização de cadeias de suprimentos e atividades do mercado.

No entanto, algumas indústrias, como a terceirização, estão vendo uma mudança fundamental em seus modelos de negócios, pelo que a redução de custos de AI e a melhoria da produtividade resultante devem ser reinvestidas para permitir a reinvenção e a leitura de novas oportunidades de modelos de negócios.

"A AI pode assumir tarefas repetitivas e mundanas, liberando humanos para outras atividades, mas a simbiose de humanos com AI será mais matizada diversificada e exigirá reinvestimento e reinvenção em vez de simplesmente automatizar as práticas existentes", afirma Mike Rollings, vice-presidente de pesquisa do Gartner. "Ao invés de ter uma máquina replicando as etapas que um ser humano executa para alcançar um julgamento particular, todo o processo de decisão pode ser revisto para usar as forças e fraquezas relativas da máquina e do humano para maximizar a geração de valor e redistribuir a tomada de decisão para aumentar a agilidade."
 
Sobre o Gartner

O Gartner, Inc. (NYSE: IT) é líder mundial em pesquisa e aconselhamento. Auxilia líderes de negócios de empresas de todos os tamanhos e setores com insights que os ajudam a tomar decisões corretas. O abrangente portfólio de serviços do Gartner inclui aconselhamento estratégico e melhores práticas comprovadas para ajudar seus clientes a obterem sucesso em suas prioridades de missão crítica. O Gartner está sediado em Stamford (Connecticut – EUA) e possui mais de 13.000 associados para atender clientes em mais de 11.000 empresas e 100 países, incluindo o Brasil. Para mais informações, visite gartner.com.


Confira também


Comentários

comments powered by Disqus