Sunday, 15 de September de 2019

GERAL


DTA

Intoxicações são mais perigosas do que se imagina

19 Feb 2009

Pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde alerta para os cuidados que se deve ter na hora de ingerir alimentos, principalmente nos períodos mais quentes do ano. Dados da pesquisa revelam que, de 1999 a 2007, ocorreram, no país, 5.699 surtos de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA), os quais acometeram 114 mil pessoas. Até 2006, dos 4.892 surtos ocorridos, boa parte deles - 1.404 (28,7%) - ocorreu nos meses de janeiro a março.

Apesar da Secretaria Estadual de Saúde e até mesmo do Hospital Geral de Palmas não apresentarem dados estatísticos suficientes sobre os casos de intoxicação alimentar, o infectologista Dr. Flávio Augusto de Pádua Milagres afirma que não são raros os casos de pacientes com entrada por este tipo de intoxicação. De acordo com Dr. Flávio, em Palmas, o grande vilão causador das DTA é o clima. Para o especialista, principalmente neste período mais úmido, o clima quente prejudica a manutenção e conservação dos alimentos, o que aumenta a probabilidade de intoxicação.

A pesquisa divulgada ainda aponta um aspecto curioso: apesar da refeição feita fora de casa ser a suspeita número um da causa do problema, boa parte dos surtos, 1.979 (34,7%), ocorre com alimentos ingeridos em casa. Para isto, Dr. Flávio aconselha: “não se deve deixar alimentos expostos já que, em temperatura ambiente, estão mais propensos ao desenvolvimento de parasitas, bactérias e vírus. Ao terminar a refeição, o alimento deve ser guardado na geladeira, tampado”. O especialista ainda adverte quanto aos cuidados no armazenamento e conservação dos alimentos frescos, como carnes, peixes e verduras, além de enfatizar a importância de se observar a data de validade, mesmo dos enlatados. Em restaurantes, a dica do infectologista é evitar alimentos com aspecto ou odor duvidosos.

 

Saiba quais alimentos são os “vilões”

A pesquisa publicada também revela que, entre os alimentos, ovos crus e mal passados, também usados na preparação da famosa maionese caseira, provocaram 874 surtos (22,6%) das doenças. Em seguida, estão os pratos mistos, com alimentos de origem animal e vegetal, responsáveis por 666 surtos (17,2%), as carnes vermelhas, com 450 ocorrências (11,6%), e as sobremesas, com 422 surtos (10,9%). Água, leite e seus derivados também provocaram surtos, com 333 (8,6%) e 276 (7,1%) notificações, respectivamente.

As bactérias são responsáveis por 83,5% dos surtos. A Salmonella spp é a vilã na contaminação, presente em mais de mil surtos (42,2%). Em seguida, estão os vírus, observados em 14,1% dos casos notificados, e produtos químicos, com 1,3%.

 

Quadro inicial é benigno, mas situação pode se agravar

De acordo com Dr. Flávio, grande parte das intoxicações apresenta uma evolução benigna, ou seja, a pessoa infectada apresenta náuseas, vômitos, febre e alterações intestinais (diarréia) que podem durar por volta de quatro dias. Mas o infectologista alerta que as DTA podem se agravar, causando um comprometimento maior em pessoas idosas, crianças e pacientes que já tenham uma doença de base, como diabetes, por exemplo. “A pessoa que já tem uma doença de base apresenta uma queda na defesa do organismo, o que pode gerar um agravamento no estado de saúde do paciente”, explica. Especialistas afirmam que, quando a defesa natural não é suficiente para a proteção, a contaminação tende a progredir para um quadro maior, podendo causar perfuração intestinal, hemorragia, necrose intestinal e até a morte.

Ao se manifestarem os sintomas de intoxicação, é muito importante que a pessoa altere sua dieta. Dr. Flávio aconselha, em primeiro lugar, que a pessoa se mantenha bastante hidratada, de preferência que já inicie a ingestão do soro caseiro. O especialista também ressalta a importância de se ingerir alimentos leves, e que tendam a prender o intestino. Mas um alerta: “ao persistirem os sintomas ou ficar muito debilitada, a pessoa deve procurar imediatamente um hospital para acompanhamento médico”, adverte o especialista.

 

Entenda melhor o que são as Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA)

São doenças provocadas pelo consumo de alimentos, as quais ocorrem quando micróbios prejudiciais à saúde, parasitas ou substâncias tóxicas estão presentes no alimento. Os sintomas mais comuns de DTA são vômitos e diarréias, podendo também ocorrerem dores abdominais, dor de cabeça, febre, alteração da visão, olhos inchados, dentre outros. Para adultos sadios, a maioria das DTA dura poucos dias e não deixa sequelas; para as crianças, as grávidas, os idosos e as pessoas doentes, as conseqüências podem ser mais graves, podendo inclusive levar à morte. É sempre bom lembrar que medidas simples, como lavar as mãos, conservar os alimentos em temperaturas adequadas e o cozinhá-los corretamente, evitam ou controlam a contaminação dos alimentos. Essas medidas simples fazem parte das Boas Práticas. (Fonte: Anvisa)

No site da Anvisa: http://www.anvisa.gov.br/alimentos/bps.htm, pode ser encontrada uma cartilha sobre Boas Práticas para Serviços de Alimentação, que orienta quanto aos cuidados que se deve ter com o armazenamento, conservação, manipulação e ingestão de alimentos.

COMPARTILHE:


Confira também:


Alerta

Brasil tem 16 estados com surto ativo de sarampo; Tocantins está fora da lista

O último boletim aponta que são 24.011 casos suspeitos no país, sendo que 17.713 (73,8%) estão em investigação e 2.957 (12,3%) foram descartados.

Turismo

Ayres quer debater turismo e preservação do Jalapão em audiência pública

No requerimento, o parlamentar solicita a presença dos órgãos estaduais para que possam unir forças e atuações em prol do desenvolvimento sustentável e ambiental correto da atividade turística na região.




  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira