Thursday, 06 de August de 2020

GERAL


Brasília

José Sarney: Senado é transparente e não tem caixa preta

12 Mar 2009

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), minimizou nesta quinta-feira (12) os escândalos surgidos após sua eleição, pela terceira vez, para a presidência da Casa. Ele defendeu que o Senado é transparente e o que vem ocorrendo desde fevereiro seria prova disso.

“Não tem caixa preta nenhuma. Todas as nossas decisões são tomadas à luz do dia, com a presença da imprensa. Há uma diferença muito grande entre o Poder Legislativo e o Executivo e Judiciário, porque nossas decisões são públicas e é por isso que sofremos essa crítica permanente”, argumentou o presidente do Senado.

“Estamos sendo o boi de piranha”, disse Sarney. “Enquanto tudo passa, ficamos na frente e os grandes problemas não estão surgindo. Estão se discutindo pequenas coisas”, completou o peemedebista.

Desde a eleição de Sarney para a presidência do Senado, quatro episódios marcaram as discussões políticas na Casa. Primeiro, o diretor-geral do Senado, Agaciel Maia, deixou o cargo, após 14 anos, devido a denúncias de que não teria declarado à Receita uma mansão, em Brasília, no valor de R$ 5 milhões. Depois, o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) afirmou que integrantes do seu partido eram corruptos.

Ainda surgiram problemas relacionados à suposta má utilização da verba indenizatória pelos senadores. Por último, descobriu-se que o Senado gastou com o pagamento de horas extras a seus funcionários, em janeiro deste ano, durante o período de recesso parlamentar, um valor entre R$ 6 a R$ 8 milhões.

Perguntado se o Senado precisaria ser passado a limpo, Sarney se mostrou contrariado. “O que é ser passado a limpo. Quero defender o Senado. O Senado tem cumprido rigorosamente com todos os seus deveres. Estamos resolvendo mais que os outros [Poderes], mas não podemos evitar que ocorram desvios, como em todo lugar.”

O presidente do Senado acrescentou que a Casa deve “implantar imediatamente” o ponto eletrônico para controlar as horas extras dos funcionários. “Uma coisa que já está praticamente decidida é o ponto eletrônico para marcar as horas extras em relação aos funcionários dos gabinetes. Cada senador vai controlar os funcionários. Essa é uma decisão da primeira-secretaria que eu estou completamente de acordo.”

COMPARTILHE:


Confira também:


Pandemia

Tocantins registra 646 novos casos da Covid-19

Atualmente, o Tocantins apresenta 28.312 casos no total, destes, 17.347 pacientes estão recuperados, 10.550 pacientes estão ainda em isolamento domiciliar ou hospitalar e 415 pacientes foram a óbito.

"Operação Direct"

Polícia Federal investiga fraudes a licitações e atos de corrupção no interior do Tocantins

O nome da Operação faz referência à relação “direta” e pessoal existente entre o empresário e os agentes públicos, com a existência de favorecimentos entre as partes.




  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira