Thursday, 22 de August de 2019

GERAL


O jornal formando leitores críticos

06 Aug 2008

Na última semana, em Campinas, aconteceu o 4° Seminário Nacional O Professor e a leitura do Jornal, promovido, entre outros parceiros, pela Associação de Leitura do Brasil (ALB) e Universidade Estadual de Campinas. O seminário teve como tema "A interface do jornal com outras mídias na formação básica e continuada dos professores" e conseguiu criar espaços de reflexão importantes sobre o papel de diferentes meios de comunicação na escola.

Vale notar que o foco desse encontro é mesmo o professor da educação básica, fato que o torna mais relevante para nós, jornalistas e professores de jornalismo, pois constata que o trabalho jornalístico, além de informar, também pode ser usado para educar. Que o jornal educa não resta dúvidas, é evidente que a circulação de informações promovida pelos meios de comunicação desencadeia uma circulação de saberes que estimula a educação, mas ser levado para sala de aula e ser incluído no processo de ensino-aprendizagem é um fato que reforça seu papel educativo.

A grande questão que ainda sugere muitos debates é como fazer uso desse jornal, contribuindo com os objetivos educativos sem perder de vista que ele é um lugar em que as disputas ideológicas se materializam. Nesse aspecto, o seminário deu algumas pistas: não há formulas prontas para o uso do jornal em sala de aula, a escolha de como utilizá-lo passa pela experiência do professor, pela realidade do aluno e da escola e do objetivo educativo que está em jogo.

Contudo, sugiro uma regra que deveria ser tomada como um princípio do uso do jornal em sala de aula: a pluralidade de veículos durante as atividades educativas. Isto é, se não há formulas prontas, também é preciso ter em mente que não há o melhor jornal a ser oferecido e o melhor para os alunos é a variedade, a possibilidade de contato com diferentes fontes, formatos e visões de mundo. Infelizmente, os programas atuais de leitura de jornal na escola, ligados a jornais específicos, acabam ocupando os espaços escolares com seus veículos e, em raras exceções, garantem essa pluralidade.  

O exercício de fato da leitura, e mais ainda da leitura crítica dos meios de comunicação, só é possível quando o aluno confronta noticiários, compara abordagens e percebe que a escrita, muitas vezes, pode guardar a visão de mundo de quem escreve. Saber disso não diminui o fato, a notícia e nem mesmo o escritor, apenas garante ao leitor a possibilidade de compreender suas dimensões e formar sua opinião.

Logo, fazer uso do jornal em sala de aula deve significar, em primeiro lugar, um estímulo à pluralidade e à democracia e, para isso, essa prática precisa estar desvinculada dos interesses particulares das empresas jornalísticas. Formar leitor crítico e não formar leitor de "tal" jornal, essa tem que ser a preocupação de quem escolhe esse suporte como aliado em suas aulas.

COMPARTILHE:


Confira também:


Saúde

Sarampo: Começa hoje vacinação preventiva

Crianças de seis meses a menores de 1 ano devem ser vacinadas

Assembleia

Deputados requerem ao Governo obras de recuperação asfáltica

Na mesma sessão, foram aprovados em primeira fase de votação projetos como os que concedem título de cidadania tocantinense ao senador Eduardo Gomes e ao presidente do Sindicato Rural de Araguaína, Roberto Paulino da Silva.




  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira