Thursday, 09 de July de 2020

GERAL


Questionar a si próprio

08 Jul 2009

De um modo geral, três atitudes manifestam o poder que tem o homem de pôr em questão seu passado e seu ser: o lamento, o remorso e o arrependimento.

Heidegger estava certo quando afirmou que o homem é "o ser das distâncias". De fato, o homem não coincide com o seu presente. Sempre volta para o passado através da lembrança e se lança para o futuro através do projeto. Quando ele se debruça sobre seu passado põe-se a pensar que esse passado poderia ter sido outro, teria podido não existir ou, contrariamente, poderia durar ainda. Poder da consciência capaz de sonhar o que poderia ser além daquilo que é; impotência do homem insatisfeito daquilo que é, daquilo que foi. Ora, é a mesma condição humana que se rebela plenamente nestes sentimentos de inadequação do homem consigo mesmo: o lamento, o remorso, o arrependimento.

O lamento é uma atitude puramente psicológica. O remorso é uma atitude moral. O lamento deplora uma ausência, o remorso é a presença intolerável em meu espírito de uma falta passada que me devora. No lamento há certa complacência, uma nostalgia doce-amarga, é o pensamento simultaneamente amargo e terno que se liga aos bens perdidos. O homem do remorso, porém, experimenta horror e ódio por um passado que queria definitivamente destruído. Quem lamenta é melancólico, quem tem remorso é desesperado. O remorso é a consciência íntima de ter cometido uma inobservância, de ter traído sua própria consciência. Supõe a solidão da consciência que não dialoga consigo mesma.

Como muitos afirmam, o sentimento do remorso implica sim a consciência da liberdade e da responsabilidade. Porém, ao mesmo tempo, e é isto que constitui a tragédia do remorso, é o sentimento agudo do irreparável. Essa tortura moral é feita de duas experiências que se chocam: sinto-me responsável pelo ato mau, cometi-o livremente; o ato agora é irremediável. Tenho o sentimento de que poderia fazer ou não fazer, mas que presentemente não posso desfazer. Tal é o sortilégio do tempo, cuja irreversibilidade trágica o remorso experimenta. O tempo transformou em fatalidade a obra da minha liberdade. É como disse, por exemplo, Claudel: "Se Deus mesmo fizesse outro céu e outra terra, não faria que este que existiu não tenha existido". O homem do remorso é exatamente, como disse Kierkegaard, "o aprendiz-feiticeiro que considera com terror o monstro de quem é pai".

No fundo, portanto, o remorso e o lamento, apesar de serem diferentes e opostos em outros aspectos, juntam-se neste ponto: ambos fazem mau uso do tempo. O homem do lamento gostaria de eternizar um passado desaparecido, arriscando desde então a não prestar mais atenção ao presente; não vive mais ao ritmo do mundo, deixa passar todas as ocasiões de alegria. O homem do remorso quereria destruir, aniquilar, quereria que aquilo que foi não tivesse sido, mas em vez de ir em frente, em vez de livrar-se de um passado maldito, ei-lo justamente prolongando-o e nele se absorvendo.

Arrependimento, ao contrário, manifesta uso positivo do tempo. O presente não é apenas eco do passado, mas representa apelo do futuro. O que importa aqui já não é a vã ruminação do passado, e sim a firme resolução de não recair mais em suas faltas e de progredir no caminho do bem. No remorso, sou prisioneiro de minha falta, sou minha própria falta. No arrependimento, tenho minha falta, ela pertence a meu passado. Porém, eu me separo dela; não a esqueço, confesso-a, mas com isso faço dela um objeto do qual me distingo. Ao remorso de Judas, cuja negação vai dar em desespero e suicídio, devemos preferir o arrependimento de Pedro que, sem dúvida, renega Jesus, também ele, mas renasce de seu passado e reencontra a esperança. Essa ressurreição do arrependimento, que é a ressurreição de minha liberdade, está ligada ao bom uso do tempo, à redescoberta de sua verdadeira dimensão viva, que é o futuro. A primeira categoria da consciência temporal, como disse Hegel, não é a recordação, mas o anúncio, a espera, a promessa.

COMPARTILHE:


Confira também:


Pandemia

Tocantins registra 406 novos casos da Covid-19

Atualmente, o Tocantins apresenta 13.845 casos no total, destes, 8.915 pacientes estão recuperados, 4.690 pacientes estão ainda em isolamento domiciliar ou hospitalar e 240 pacientes foram a óbito.

Pesquisa

Tocantins soma 59 pesquisas científicas autorizadas em Unidades de Conservação estaduais

Mesmo com a suspensão temporária das atividades nas unidades devido a Covid-19, o sistema de controle de pesquisas científicas em UCs estaduais do Naturatins registrou, no 1º semestre de 2020, sete autorizações recentes em andamento


Tocantins

Balanço mostra que Justiça Federal no Tocantins já repassou mais de R$ 200 mil para ações de combate à Covid-19

No Tocantins, a 4ª Vara Federal de Palmas destinou R$ 70.923,80, a Subseção Judiciária de Araguaína R$ 69.464,00 e a Subseção de Gurupi destinou R$ R$ 63.750,00.


Biodiversidade

Tocantins inicia monitoramento do período reprodutivo 2020 do Pato mergulhão no Jalapão

O Governo do Tocantins tem o compromisso de cumprir o calendário de monitoramento da espécie, firmado com o Plano de Ação Nacional para a Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção ou do Patrimônio Espeleológico (PAN/ICMBio)


Covid-19

Governador vistoria instalações de hospital contratado para atender pacientes da Covid-19


Meio Ambiente

Governo do Tocantins suspende autorização para queima controlada até novembro


Aprovação de Matérias

Assembleia encerra primeiro semestre após diversas matérias aprovadas


Paraído do TO

Bombeiros militares atuam em combate a incêndio em carga de madeira na BR-153


Desempenho

Tocantins alcança segundo lugar no ranking de monitoramento da Agência Nacional de Águas


Cultura

Prazo para cadastro de eleitores e candidatos ao Conselho de Cultura termina na sexta



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira