Tuesday, 23 de April de 2019

GERAL


Segurança

Reeducandos da Barra da Grota são batizados em águas por meio de Assistência Religiosa

11 Sep 2018    12:14
Divulgação Reeducandos da Barra da Grota são batizados em águas por meio de Assistência Religiosa

Assim como a educação, a saúde, a assistência material, jurídica, social e educacional, as pessoas privadas de liberdade têm direito à Assistência Religiosa. Tudo previsto no artigo 24 da Lei de Execuções Penais (LEP), que assegura ao preso a liberdade da profissão de fé, permitindo a participação em cultos e a posse de livros de instrução religiosa. Porém, ressalta-se que nas unidades prisionais do Tocantins nenhum reeducando pode ser obrigado a professar qualquer fé.

Entidades religiosas têm acesso aos cárceres, como é o caso da Instituição Resgate sem Fronteiras, que presta assistência social e religiosa nas unidades prisionais. O fruto deste trabalho voluntário vem sendo o batismo evangélico voluntário dos internos em águas.

Somente no último sábado, dia 08, oito reeducandos do Pavilhão A da Unidade de Tratamento penal Barra da grota (UTPBG), em Araguaína, foram batizados pelos pastores Claudiano Martins e Juliete Santos. De 2017 até agora, pelo menos 15 pessoas privadas de liberdade foram batizadas por membros da Resgate sem Fronteiras.

Segundo o superintendente do Sistema Penitenciário Prisional (Sispen), Orleanes Alves, o retorno ao convívio social é uma das principais finalidades da pena e da medida de segurança durante o processo de execução penal. “Entretanto, para conseguirmos a reabilitação da pessoa, temos que adotar medidas de assistência com a finalidade de orientá-los ao retorno à sociedade, diminuindo o risco de reincidência da prática delituosa”, enfatiza.

Ele lembra ainda que a assistência religiosa é assegurada na LEP dispõe que a assistência ao preso e ao internado é dever do Estado, objetivando prevenir o crime e orientar o retorno à convivência em sociedade.

COMPARTILHE:


Confira também:


Justiça

Tribunal do Júri : Eletricista é condenado a 12 anos de prisão por homicídio qualificado na Capital

O juiz William Trigilio da Silva determinou ainda que Juliano Gemmus Barbosa da Silva cumpra a pena inicialmente em regime fechado

Previdência

Relator da reforma da Previdência na CCJ faz mudanças no parecer

O segundo ponto é a concentração, na Justiça Federal em Brasília, de ações judiciais contra a reforma da Previdência.




  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira