Saturday, 25 de May de 2019

GERAL


Pecuária

Seagro oportuniza discussão sobre caprinocultura do leite em palestras na Expopalmas

21 Sep 2018    18:13
Divulgação Seagro oportuniza discussão sobre caprinocultura do leite em palestras na Expopalmas

Em novos formato e abordagem, em área aberta e em forma de círculo, o público assistiu, na manhã desta sexta-feira, 21, as discussões promovidas pela Secretaria do Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária (Seagro) sobre a cadeia produtiva da caprinocultura leiteira no Estado. O evento aconteceu na Expopalmas, e teve início com um relato da experiência do produtor e empresário Adão Rocha, proprietário do Laticínio Ascabras, localizado no município da capital, Palmas.

A programação do dia tem como tema o “Dia do Leite”, com inicio às 9h30 e prossegue até às 17h, no auditório do estande da Seagro, no Parque de Exposição de Palmas. 

O produtor, Adão Rocha, contou que começou a criar caprinos há 18 anos por incentivo do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) que realizou um estudo de viabilidade econômica da atividade. “Comecei com 15 animais da raça Sanner e hoje tenho cerca de 40 animais, sendo 30 fêmeas, e cada cabra produz cerca de 4 litros, ao dia, em duas ordenhas, em média, 20 litros”. Para a comercialização além de vender o leite e o esterco, direto ao consumidor, ainda produz queijo frescal e iogurte e leite pasteurizado para os programas governamentais.  

Adão Rocha contou também que já chegou a criar 100 cabeças de caprinos, mas que foi diminuído porque vende também cabritos e animais para reprodução e corte para outros produtores. “A atividade é desafiadora, requer certo valor por causa da viabilidade econômica, mas a gente está se mantendo. Falta um pouco mais de aprimoramento e investimento para que possamos crescer mais”. Para quem quer iniciar atividade o produtor aconselhou a conhecer mais sobre o desafio cotidiano e investir na profissionalização. “Os benefícios são que o produtor pode criar muitos animais em uma área pequena, dependendo do sistema que vai adotar. Os animais comem pouco e os produtos agregam muito valor. Outro ponto importante é demanda de mercado, se produzir 100 litros vai vender tudo”, afirmou.    

Sistemas e potencialidades

Os sistemas produtivos de caprinos leiteiros e as potencialidades também foram assuntos abordados, na manhã desta sexta-feira. O professor Dêmis Menezes, do Instituto Federal do Tocantins (IFTO), Campus Paraíso do Tocantins, falou sobre um projeto que vem sendo desenvolvido para desenvolver a cadeia produtiva de ovinos e caprinos no Tocantins. Falou sobre as dificuldades para convencer os alunos a aderir ao projeto, que também cria um público consumidor baseado na experimentação dos produtos feitos a partir da carne e leite dos animais. “Começamos a fazer os produtos e convidar os alunos para experimentar as comidas. Hoje eles procuram o professor para saber quando vai ter experimentação da culinária”, se divertiu o professor.

A acadêmica do 6º período de medicina veterinária da Faculdade Católica do Tocantins, Maria Eduarda Alves, falou do interesse em participar das palestras com destaque para o melhoramento genético aplicado em animais bovinos, ovinos e caprinos. “Já participamos de uma conversa sobre piscicultura hoje, mais cedo, mas meu interesse maior é pra conhecer sobre melhoramento genético que é uma área em que quero me especializar”, disse.

Tecnologia e Manejo

A diretora de Políticas Públicas da Seagro, Érika Jardim, falou sobre a importância do manejo na produção de caprinos. “Em toda produção pecuária é necessário trabalhar o tripé: alimentação, sanidade e genética. Todos sendo trabalhados com profissionalismo, um bom manejo reprodutivo e um bom manejo sanitário, são condições para que gente possa ter bons resultados. Mesmo considerando a caprinocultura e a ovinocultura como atividades de fácil manuseio e manejo, para ter bons resultados, para ter carne e leite de qualidade é preciso investir em tecnologia e em bons manejos”, orientou.

A diretora reforçou que todo processo de pecuária é preciso que seja acompanhado por um técnico, seja médico veterinário, zootecnista ou engenheiro agrônomo. “São profissionais habilitados para que conduzam a atividade do produtor para que este tenha rentabilidade e  que a atividade seja sustentável, para que o produtor tenha renda o ano todo.  Atividade precisa ser sustentável ao longo do ano, ao longo do tempo, cada vez mais com o uso de tecnologias e profissionalismo”, argumentou a diretora.

Erika Jardim reforçou que a Secretaria da Agricultura, como gerenciadora das  políticas públicas para o setor, vem trabalhando com qualificação técnica, com capacitação para o produtor, com organização da cadeia, apresentando o diagnóstico da ovinocaprinocultura criando a câmara setorial da ovinocaprinocultura. “Uma forma de ter governança a essa cadeia produtiva para que se fortaleça e se desenvolva de forma sustentável”, afirmou.

Programação da tarde

No período da tarde, acontecerá um encontro dos produtores de leite do Estado e para fechar a programação, Erika Jardim apresentará o diagnóstico da bovinocultura no Estado, com números atualizados da cadeia produtiva que vão servir para a elaboração do planejamento estratégico do setor.

COMPARTILHE:


Confira também:


MAIO AMARELO

Homens são os que mais morrem de acidentes no trânsito

Acidentes de trânsito são a segunda maior causa de mortes externas no país. Em 82% dos casos, as vítimas fatais são do sexo masculino.

Investimentos

Semana do Governador Carlesse é marcada por encontro com investidores em São Paulo

Além da viagem a São Paulo, o Governador também foi homenageado na AL e recebeu executivos da Caixa




  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira