Thursday, 24 de September de 2020

GERAL


Sobre jornalistas e cozinheiros

02 Jul 2009

Assistindo aos telejornais dos últimos dias, mais uma vez escandalizou-me a forma descompromissada e sem foco com o que o Supremo Tribunal Federal tratou a questão da exigência ou não do diploma para exercer a função de jornalista. Não se trata de reserva de mercado, como apregoam alguns segmentos elitistas da comunicação ou de inibir a liberdade de expressão dos brasileiros, como argumentou o presidente do STF, Gilmar Mendes. O que está em jogo é a responsabilidade do que é escrito nos jornais, veiculado em rádios, televisão e internet.

É claro, e talvez por ser claro demais ofusque a visão dos representantes da Suprema Corte, que o jornalista não lida com experimentações na busca por novos sabores e pratos, como fazem os cozinheiros cujo ofício foi comparado ao dos formadores de opinião. O jornalista lida com informações que podem ou não virar notícia e, diretamente, influencia sobre como uma sociedade enxerga determinada personalidade política ou instituição. Não estou, com isso, compactuando com os que acreditam que a imprensa é o quarto poder, mas defendendo que se deve ter ética e responsabilidade ao lidar com fatos que repercutem diariamente na vida de milhões de pessoas.

Não se pode voltar atrás no que foi dito ou escrito, por mais que nos valhamos de erratas e direitos de resposta. Por essa razão, é necessário apurar, checar, duvidar, questionar sempre com qual interesse as fontes nos passam fatos sigilosos, enfim, lançar mão de procedimentos que na faculdade podemos treinar sem causar danos. É a universidade o espaço destinado a reflexões, a internalizar preceitos éticos, a conhecer gente que enfrentou as adversidades, não se vendeu e marcou a história.

No mercado de trabalho vamos adquirindo prática, dando formato jornalístico às informações, separando o que é importante do que não merece virar notícia. Até nessa seleção o jornalista formado leva vantagem. Ele sabe que sua atividade é tornar público o que melhora o cotidiano da sociedade, dá embasamento para suas escolhas, argumentos para suas discussões. É vocação, com certeza, mas tem que ser melhorada, aperfeiçoada, discutida, questionada. Não basta, para ser jornalista, ter apenas afinidade com a língua-mãe ou conhecimento das ciências humanas, senhores ministros.

A exigência de nível superior não impede ainda que "pensadores e intelectuais que trabalham de forma isenta" manifestem sua opinião, como alegou o ministro Ricardo Lewandowski. Embora todos que, humildemente, leram Carlos Chaparro, Nelson Traquina e tantos outros teóricos do jornalismo, saibam que isenção não existe. Em cada etapa, por sermos humanos, estamos deixando transparecer nosso conhecimento de mundo, o contexto no qual estamos inseridos e todas as nossas idiossincrasias. O que não tornam as notícias tendenciosas ou manipuláveis.

Significa assumir que não somos observadores da realidade, mas pertencemos a ela, e, como jornalista, devemos ser fiéis, isso sim, ao que vemos, ao que ouvimos dos participantes de cada evento e ao que juramos na colação de grau. Na academia, ensinam-nos que ética e seriedade para informar são as maiores virtudes que um jornalista pode possuir e são condições sine qua non para o exercício da profissão. Apesar da analogia entre cozinheiros e jornalistas, espero que essa arbitrariedade não acabe em pizza!

COMPARTILHE:


Confira também:


Saúde

Tocantins registra 670 novos casos da Covid-19

Atualmente, o Tocantins contabiliza 199.194 pessoas notificadas com a Covid-19 e acumula 65.354 casos confirmados. Destes, 48.564 pacientes estão recuperados, 15.889 pacientes seguem em isolamento domiciliar ou hospitalar e 901 pacientes foram a óbito.


  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira