Thursday, 17 de October de 2019

GERAL


Verdade: norma e exigência

06 Aug 2008

Quando alguém mente, diz é "verdade"; caso contrário, não poderia mentir. Quando não aceita "calar a boca", diz "eu sei do que estou falando". O "gênio", ao se enganar, apenas entende que se enganou.

Todas as pessoas, de uma forma ou de outra, sejam elas "honestas", "mentirosas", "gênios"... Amam e consideram a verdade uma norma e uma exigência. Em qualquer lugar do mundo é possível encontrar, sem muito esforço, indivíduo que quer enganar, mas não é possível encontrar ninguém que quer ser enganado. Isso, no fundo, significa que as pessoas têm amor ao verdadeiro. Elas amam a verdade, portanto, visto que não querem ser enganadas. Amam tanto a verdade, que elas querem que seja verdade tudo o que amam. Ora, aí existe uma miragem que merece ser pensada.

Uma pessoa apaixonada (um delirante, exagerado e sincero) diz sem hesitar, "eu te amo, minha vida, meu amor, minha maravilha..." Ela acredita ser verdadeiro, no outro, tudo o que deseja amar nele (sua beleza, seu humor, sua inteligência, sua sensualidade, sua profundidade...) e, principalmente, essa poesia dos começos. Muitos se perderão aí, nesse deserto... Porque o que é preciso efetuar é uma verdadeira reviravolta, e difícil, uma verdadeira conversão: não mais crer verdadeiro o que se ama, mas amar o que se conhece. Submeter não mais a verdade ao amor, mas o amor à verdade. O "político" acredita que o seu partido é o partido da verdade ou da justiça. Toda a palavra de ordem, qualquer que seja, supõe assim essa pretensão ao verdadeiro.  No fundo, todos os políticos amam a verdade, mas cada um, em particular, só ama a "sua verdade". O religioso gostaria que o que ele amasse fosse verdadeiro... Gostaria, por exemplo, que a "alma" fosse imortal, que existisse um "Deus" boníssimo e onipotente, que a "história" tivesse um "sentido providencial..." E acredita nisso. Pode-se denominar de fé toda crença que submete assim a verdade a seu amor. Deste modo, o religioso crê em "Deus" e na "vida eterna" porque senão, como diz, "seria triste demais". A esperança serve-lhe de prova. O contrário de desesperar é crer. A fé é uma esperança dogmática. Quando alguém diz, "creio em ti porque te amo", significa confundir desejos com a realidade. O que é a própria definição da ilusão. A verdade da ilusão é a ilusão da verdade.

Ora, é necessário não submeter a verdade ao amor (paixão, fanatismo ou religião), mas o amor à verdade. Amar, portanto, não os sonhos, mas o real; não o outro fantasiado, mas o outro reconhecido.

COMPARTILHE:


Confira também:


Divisa de Estados

Governadores Mauro Carlesse e Mauro Mendes destacam aspectos positivos da rodovia Transbananal

Trecho em questão tem cerca de 90 km e corta a Ilha do Bananal, de Formoso do Araguaia (TO) a São Felix (MT).

Saúde

Opera Tocantins realiza quase 70 cirurgias em 10 dias e espera fechar outubro com mais de 150

As cirurgias acontecem em diversas Unidades Hospitalares do Tocantins sempre em horários diferenciado, fora da carga horária ordinária, como sábados, domingos, feriados, dias de ponto facultativo e ou em período noturno/madrugada.




  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira