Tuesday, 18 de September de 2018

Tuesday, 18 de September de 2018

JUSTIÇA


Prisão

Justiça Federal condena Marcelo Miranda a mais de 13 anos de prisão

24 Aug 2018    17:16

A pedido do Ministério Público Federal no Tocantins (MPF/TO), a Justiça Federal condenou o ex-governador Marcelo de Carvalho Miranda pela prática dos crimes de dispensa indevida de licitação, por cinco vezes, e de peculato, por seis vezes.


A ação penal foi ajuizada pelo MPF/TO em abril de 2014, e se refere à contratação sem licitação da Oscip Brasil para gerir os hospitais estaduais, além do desvio de recursos públicos da Saúde, nos anos de 2003 e 2004.


A contratação irregular decorreu de ordem direta do então governador do Tocantins Marcelo Miranda, após indicação do seu primo, o então Secretário de Estado Paulo Cesar Miranda Coelho. A entidade passou, então, a receber grandes repasses de dinheiro público sob argumento de gerir todas as unidades hospitalares estaduais.


Na sentença, o Juiz Federal João Paulo Abe consignou que a contratação “foi maculada por diversos vícios procedimentais e se tratava, em verdade, de manifesta terceirização da gestão dos serviços de saúde do Estado do Tocantins, por meio de dispensa indevida de licitação, o que favoreceu a Oscip Brasil e seu diretor, Eduardo Henrique Saraiva Farias”. Ainda segundo o magistrado, tal contratação também favoreceu “os fornecedores que, doravante, passaram a ser contratados sem a devida realização de procedimento licitatório, durante o período em que a Oscip Brasil esteve à frente da gestão da saúde no Estado”.


Segundo depoimentos transcritos na sentença, Paulo Cesar Miranda Coelho, primo do ex-Governador, chegou a confessar ao então Secretário de Saúde do Estado do Tocantins que a contratação da Oscip Brasil era apenas “pro forma”, ou seja, apenas para cumprir uma mera formalidade e permitir a gestão concreta dos recursos da Saúde do Estado de maneira deliberada, e sem qualquer controle, pelo diretor da mencionada entidade, Eduardo Henrique Saraiva Farias.


Conforme demonstrado pelo MPF no processo, para assumir o compromisso de administrar 14 hospitais públicos em 12 municípios do Estado, a Oscip Brasil instituiu um escritório rudimentar em Palmas com somente duas pessoas, não havendo prepostos da entidade nas unidades hospitalares supostamente administradas.


Também ficou comprovado que a Oscip havia sido criada menos de dois anos antes de sua contratação pelo Estado do Tocantins e que não ostentava capacidade operacional e nem experiência suficiente na área de administração hospitalar que justificasse sua contratação.


Durante o período em que a Oscipesteve à frente dos hospitais, houve desabastecimento por falta de pagamentos aos fornecedores. A gestão catastrófica foi reconhecida pelo próprio procurador-geral do Estado à época, José Renard, que, em despacho para viabilizar a contratação de empresa para a prestação de serviços ao Hospital de Referência de Gurupi, mencionou a situação de quase colapso em que entrou a rede pública hospitalar do estado em face dos problemas advindos com a Oscip Brasil.


A condenação está amparada em provas testemunhais e documentais, além de relatórios de auditoria do Tribunal de Contas da União e do Departamento Nacional de Auditoria do SUS.


Por meio da sentença, proferida pela Justiça Federal em PalmasMarcelo Miranda foi condenado às penas de 08 anos de reclusão e 189 dias-multa, pelo crime de peculato, e 05 anos, 09 meses e 10 dias de detenção, além de R$ 135.042,19, a título de multa, pelo crime de dispensa indevida de licitação.


A pena deve ser cumprida em regime inicial fechado. A decisão não é definitiva, cabendo recurso ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região. O MPF/TO avaliará se é caso de recorrer para obter o aumento da pena.


Ação penal ficou suspensa em razão da não autorização da Assembleia Legislativa do Tocantins –Inicialmente, a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins negou autorização para processamento desta ação penal em desfavor do então Governador, o que motivou a suspensão do processo. Com a comunicação da mudança de entendimento do Supremo Tribunal Federal, acerca da necessidade de autorização da Assembleia Legislativa para o recebimento de denúncias e instauração de ações penais contra Governadores de Estado, o feito voltou a tramitar somente em 17.05.2017.


Outros réus já haviam sido condenados criminalmente pela Justiça Federal – Em relação aos mesmos fatos, os réus Eduardo Henrique Saraiva Farias, Henrique Barsanulfo Furtado também foram condenados criminalmente no processo nº 9673-28.2015.4.01.4300.


Condenação por improbidade administrativa - Por causa da contratação ilegal da Oscip Brasil e do desvio de dinheiro público em favor de tal pessoa jurídicaMarcelo Miranda já havia sido condenado na esfera cívelem 2017, à perda da função pública e à suspensão dos direitos políticos pelo prazo de sete anos, além de ter sido proibido de contratar com o poder público ou receber benefícios fiscais ou creditícios. Também foi condenado a ressarcir o prejuízo causado, no valor de R$ 25.526.070,67, e a pagar multa civil correspondente a 100 vezes o valor da remuneração mensal como governador. (Processo nº 2008.43.00.004443-9)


COMPARTILHE:

O que você achou da notícia?

21

PARABÉNS!
PARABÉNS!

21

BOM
BOM

21

AMEI!
AMEI!

16

KKKK
KKKK

14

ENGRAÇADO
ENGRAÇADO

23

Ñ GOSTEI
Ñ GOSTEI

21

CREDO!
CREDO!

Leia por assunto:

marcelo condenado prisão

Comentários

comments powered by Disqus


Confira também:


Radioterapia

Estado começa instalação da máquina de radioterapia de Araguaína

Após a instalação, o Estado solicitará vistoria da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) para liberação do serviço.

Declaração Polêmica

Kátia Abreu comenta declaração polêmica de vice de Bolsonaro

“De onde saiu esse homem meu Deus do céu. Criei 3 filhos sozinha como milhares de mulheres de mulheres no Brasil”, indaga Kátia.



Trânsito

Número de vítimas fatais reduz em 20% comparado a 2015

Em Palmas, a proporção de veículo é de 0,62 para cada habitante.


Propagando Irregular

A Justiça Eleitoral suspendeu nesta terça-feira, 18, mais uma propaganda irregular do candidato Carlos Amastha (PSB). De novo, o ex-prefeito de Palmas “invadiu” o horário eleitoral

Esta é a quinta vez, nestas eleições, que a Justiça Eleitoral suspende propaganda irregular de Amastha, a segunda por “invasão” do tempo de TV destinado aos candidatos a deputado estadual de sua coligação.


Carlesse

Amastha tenta confundir população mostrando caso da gestão de Marcelo Miranda em seu programa

No programa eleitoral, Amastha utiliza o depoimento da mãe da criança, Fabiana Evangelista Ferreira, para jogar a culpa do ocorrido no recém-eleito Governador do Tocantins, Mauro Carlesse (PHS), que na época do ocorrido era deputado estadual.


Campanha

No desespero, Amastha usa hospitais municipais para criticar Carlesse e tem propaganda suspensa pela Justiça


Irrigação

Carlesse fortalece projetos de irrigação São João e Manuel Alves com investimentos de mais de R$ 12 milhões


Educação

Bernadete é a segunda candidata ao governo do Tocantins a firmar compromisso com a educação


Jalapão

Carlesse garante que vai melhorar qualidade de vida no Jalapão com infraestrutura e fortalecimento da cultura e do turismo


Ponto de vista

O necessário tempo para as relações


Consumidor

Núcleo do Procon de Paraíso do Tocantins é aberto com estrutura moderna



  Blogs & Colunas


TiViNaLili

Lili Bezerra


Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira