Monday, 15 de July de 2019

OPINIÃO


Polícia

A ação policial e a estatística

09 Aug 2017

Os números de qualquer estatística permitem qualquer tipo de conclusão, inclusive as contraditórias. Noticiou-se dias atrás o aumento de 12% no número de mortes provocadas por policiais militares paulistas em serviço, durante o primeiro semestre de 2017. Foram 313 os mortos, número elevado na visão dos ativistas anti-violência, mas normal ou até baixo se verificadas todas as variáveis da estatística. Um universo de 16 milhões de intervenções, com 56.000 prisões em flagrante, 15 mil recapturas de foragidos e a apreensão de 5 mil armas de fogo ocorridos no mesmo  período. Por iniciativa própria, a corregedoria da Polícia Militar investiga todas as ocorrências com mortes ou agravos e sempre pune os policiais quando identificados agindo em desacordo com o padrão operacional da corporação. Trinta dos participantes das ocorrências com mortes deste ano foram retirados do serviço e presos sob a acusação de prática de homicídio.

A ação da polícia é traumática por natureza. Quando ela é chamada é porque há problemas que os envolvidos ou a sociedade não conseguiram resolver por conta própria. Sua chegada ocorre, via-de-regra, no momento mais tenso e, por isso, acontecem confrontos, perseguições e mortes, que também vitimam os próprios policiais e, lamentavelmente, não ganham a mesma repercussão daquelas em que morre o transgressor social. Há ainda a problemática dos policiais, tanto em trabalho quanto de folga, serem caçados e mortos a mando do crime organizado ou por desafetos feitos durante o trabalho.

É simplista a formação de conclusões apenas com a contagem de mortos, tanto de bandidos ou cidadãos por policiais quanto de policiais por bandidos. O problema é anterior a esse ponto de conflito. Muitos dos transgressores que hoje infernizam a vida da sociedade  com roubos, sequestros e outros crimes, são produtos de más políticas que os lançaram è exclusão. A polícia é o último recurso para evitar a degradação total e sua ação, voltada para a proteção da sociedade, tem residuais impossíveis de se evitar. O soldado tem uma série de regulamentos a cumprir visando tornar sua ação menos letal. Mas, de outro lado, quando em ação, tem apenas a fração de segundo para decidi r qual atitude a tomar. Como ser humano, é passível de erro e, mesmo assim, quando erra, é severamente punido, alijado da corporação e apenado judicialmente.

Se verificarmos o quadro por inteiro, não apenas aspectos que interessem em apoiar teses de violência ou não-violência, a PM paulista tem trabalhado bem, com baixa letalidade e é um exemplo a ser seguido. O ideal será o dia em que não tivermos mais mortes cometidas por policiais e nem policiais mortos por criminosos. Quando isso ocorrer, a sociedade terá atingido aquele estágio de desenvolvimento e paz que todos nós, cidadãos, almejamos...
 
*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

COMPARTILHE:


Confira também:


Raio X

Inadimplência do consumidor cresce 0,9% no primeiro semestre de 2019

De acordo com o indicador do SPC Brasil, mais da metade das dívidas pendentes (53%) de pessoas físicas no país têm como credor algum banco ou instituição financeira

Turismo

Abrajet leva jornalistas para o Rally das Águas em Itacajá nesta sexta-feira

Com poucas vagas, as inscrições para participação estão sendo feitas pelo fone 63 99974-2116 com Suzana Barros, sócio fundadora da Abrajet-TO.



Cidades criativas

Quatro cidades do Brasil concorrem a títulos na Unesco

As regiões pretendem integrar a Rede de Cidades Criativas da entidade. Atualmente, o país conta com oito selos; resultado sai até fim de outubro


Grupo Record

Portal R7 ganha novas cores em ação dia e noite da Benegrip

Benegrip Multi Dia e Noite terá ação digital integrada em multiplataformas do Grupo Record


Tocantins

Grupos de Ajuda Mútua dão apoio a dependentes químicos e familiares durante e após recuperação

A Seciju, por meio da Gerência de Prevenção contra as Drogas e Núcleo Acolher, orienta dependentes e co-dependentes a procurar o serviço desenvolvido pelos grupos de ajuda mútua, como Alcóolicos Anônimos (AA), Narcóticos Anônimos (NA) e Amor- Exigente.


Reforma

Damaso vota por regra de transição diferenciada para professores e policiais


Influencer

Gabriel Farhat comanda direção artística de novo projeto musical


Defensoria

DPE-TO defende criação de ambulatório trans no Tocantins


Palmas

Cine Cultura renova parceria com Sessão Vitrine e promove encontro com o premiado produtor João Vieira na terça, 16


Em Palmas

Membro de grupo estratégico da Embrapa apresentará dados sobre produção e preservação no cerrado e Matopiba


Interior

Polícia Civil prende suspeito de estupro de vulnerável em Itacajá



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira