Thursday, 20 de June de 2019

OPINIÃO


OPINIÃO

A cultura da violência no Brasil

23 Jul 2013

João Gomes da Silva


Viver num país que se diz democrático e ver excluídos desse processo, a maior parte da sociedade, é extremamente antagônica. A democracia na sua essência não exclui nem desagrega. Sua visão deve ser coletiva objetivando sempre o bem comum e desarraigando qualquer tendência à discriminação social por menor que seja.
 
O Brasil tem na sua história manchas profundas de injustiças de todos os tipos e níveis, que tiveram inicio com a colonização portuguesa, passando pelos patronos da escravatura e  chega aos porões da ditadura militar que não menos perversa, manchou de sangue a nossa história e atinge a sociedade moderna com as mazelas do sistema econômico capitalista,  igualmente perverso, só que com uma nova roupagem.
 
Não temos aqui a pretensão de negar alguns avanços sociais alcançados, mas sentimos que estamos longe dos objetivos desejados. Por isso precisamos avançar rumo às novas conquistas porque nunca haverá justiça social em sua plenitude enquanto os homens tiverem alojado em seus espíritos a ganância pelo acúmulo de bens. O caminho da desigualdade e exclusão social tem origem nisso, e dificilmente o capitalismo fará justiça social, a não ser, que trilhe o caminho do crescimento com participação compartilhada.
 
A manifestação inicial do capitalismo aparentava produzir espaços, acelerar economias e dar oportunidades de crescimento para todos, mas na sua prática revelou o maior engano econômico que a classe trabalhadora já presenciou. E isso se tornou evidente pela concentração de riquezas nas mãos de poucos, onde se constata o distanciamento da classe operária do núcleo social rico, que na sua explosão expansionista a empurrou violentamente para a periferia em seu sentido amplo.
 
Mas tal atitude tem um alto custo. Os marginalizados, em sua grande maioria, se transformam em feras, não por querer, mas para sobreviver em meio à hostilidade. A fome, a nudez, as doenças e outras mazelas, fruto da ausência do Estado, os embrutecem, induzindo-os à violência que em muitos casos se torna o instrumento de aquisição daquilo que julgam necessário para suprimento de suas necessidades. Entretanto, usam a violência física porque é a arma que encontram com mais facilidade para acalmar o  sentimento de revolta. E o fazem de forma covarde e cruel porque já perderam a razão dos seus atos.
 
A sociedade rica que os gerou também foi violenta quando os excluiu, sendo diferente apenas no modelo de violentá-los. É cruel subjugar uma pessoa a partir de suas necessidades essenciais e isso, o capitalismo econômico sabe fazer muito bem. 
 
É preciso que cultivemos sempre e cada vez mais a cultura da não violência, para que o Brasil se transforme num país onde reine em sua plenitude,  a solidariedade, a fraternidade e o respeito mútuo. Uma aurora de esperanças paira sobre todos nós e, apesar dos pesares, ainda tenho fé de que dias melhores virão.
 
____________________________
João Gomes da Silva é escritor, teólogo e acadêmico do curso de  Serviço Social. E-mail: revjoaogomes@gmail.com

COMPARTILHE:


Confira também:


Pedofilia

Médico é preso em flagrante pela Polícia Civil por pedofilia na cidade de Peixe

Prisão integra Operação Rede Sombria, desdobramento do Projeto Nacional Luz da Infância de combate à pedofilia.

Tocantins

Incentivos fiscais oferecidos pelo Estado atraem investidores de diferentes regiões do país

Empresários dos setores atacadistas, hospitalar, assessoria empresarial e advocatícia estão com projetos de investimentos a curto e médio prazo no Estado




  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira