Wednesday, 24 de April de 2019

OPINIÃO


OPINIÃO

A "cura gay" e o discurso arbitrário e agressivo de alguns parlamentares

26 Jun 2013

Por Breno Rosostolato*


Somos assolados por políticos corruptos, mentalidades rígidas que conduzem o governo de maneira pouco flexível e com conceitos impositivos e absurdos. O que muitos parlamentares possuem é um sentimento de soberba, cuja posição política é sustentada por posicionamentos distorcidos da própria vida, da sociedade e do mundo. A sensação que tenho é que o momento histórico contemporâneo e cultural do Brasil é ignorado por uma grande parcela de políticos, que não se atentam às mudanças da sociedade. Políticos que fazem pouco caso da transformação de mentalidades da população e que deveria ser enaltecida e contemplada, porque amplia-se a discussão e as reflexões sobre os papéis sociais, a sexualidade, a participação politizada das pessoas sobre as mazelas do Brasil e por ai vai. Não são todos, mas políticos como Marcos Feliciano (PSC-SP), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Jair Bolsonaro (PP-RJ) se sentem intocáveis e fazem um desserviço para a população brasileira.

Com um discurso homofóbico, os parlamentares são conhecidos por um posicionamento arbitrário e agressivo em relação aos homossexuais. As absurdas e agressivas declarações da dupla incitam a violência e semeiam o ódio.

Toda essa polêmica em torno da homossexualidade e as opiniões contrárias dos parlamentares já seriam suficientes para questionarmos, de fato, quais os benefícios para a nação em tê-los como representantes da sociedade. O mais triste é que as idéias preconceituosas e pouco esclarecidas representam uma grande parcela da população que se espelha nas considerações deturpadas que os dois fazem das identidades sexuais e insistem em resistir às transformações que estão acontecendo.

Uma lei apelidada de “cura gay” foi aprovada, à surdina, em meio aos protestos e manifestações políticas que acontecem em todo o país, na Comissão de Direitos Humanos e Minorias no último dia 18 de junho. A proposta de lei terá que passar ainda por outras duas comissões, da Seguridade Social e Constituição e Justiça. Se aprovada em ambas, segue para o plenário da Câmara. O texto, o Projeto de Decreto da Câmara (PDC) 234 anula e corrige dois artigos do Conselho Regional de Psicologia. Para ilustrar, transcreverei os artigos em questão:


“Resolução nº 1/1999
Art. 3° - os psicólogos não exercerão qualquer ação que favoreça a patologização de comportamentos ou práticas homoeróticas, nem adotarão ação coercitiva tendente a orientar homossexuais para tratamentos não solicitados.

Parágrafo único - Os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades.

 

Art. 4º - Os psicólogos não se pronunciarão, nem participarão de pronunciamentos públicos, nos meios de comunicação de massa, de modo a reforçar os preconceitos sociais existentes em relação aos homossexuais como portadores de qualquer desordem psíquica.”


 
  

Esta proposta, além de ser um grande equívoco, é mal intencionada. A lei de fato não fala em “cura gay”, não explicitamente. A concepção de uma cura é implícita na intenção da proposta. Está nas entrelinhas. A lei se expressa entre aspas sutilmente, mas é bastante incisiva. Se alguém vai a uma clínica de psicologia para mudar sua orientação sexual é porque se considera doente, enfermo e portador de algo maléfico. Esta é a maneira da lei patologizar a homossexualidade. A pessoa pode estar descontente de sua orientação sexual, se sentir incomodado com seu desejo por alguém do mesmo sexo, mas isso se deve a uma opressão social, que faz com que esta pessoa se sinta retraída, culpada, envergonhada de si mesmo. Uma sociedade heteronormativa que determina um padrão correto de expressar sua sexualidade e sentimentos, ou seja, uma relação amorosa e sexual deve acontecer apenas por pessoas do sexo oposto, cercando a liberdade e autonomia da pluralidade sexual que sempre fez parte das relações interpessoais e é integrante da história da humanidade. A proposta de lei coíbe e cerceia a aceitação que uma pessoa deve ter aos seus próprios desejos e a maneira de se reconhecer como um ser livre.

Os defensores da lei argumentam que a esta visa ampliar os serviços da psicologia e aumentar a prática do psicólogo, além de questionar a determinação do Conselho Federal de Psicologia (CFP), pois de acordo com os parlamentares que defendem a PL, o órgão “extrapolou o seu poder regulamentar e usurpou a competência do Legislativo”.

O que parece um discurso muito bonito e justo é na verdade uma alegoria de idéias bizarras e leviandades, que não amplificará o atendimento do psicólogo, mas na verdade, distorce a verdadeira atuação do profissional, que é dar condições para o cliente de vencer seus preconceitos e dar sustentação a sua autonomia e emancipar-se a alguns conceitos que são empecilhos para se reconhecer e se aceitar. Querem transformar o psicólogo num repressor, num limitador. A concepção desta famigerada lei é uma tentativa de justificar a homofobia tendo a psicologia como embasamento, uma vez que não podem simplesmente confrontar com a homossexualidade e para isso, querem usar as práticas psicológicas para fortalecer um pensamento retrógrado e arcaico. Fico preocupado com a aprovação desta proposta de lei porque o retrocesso é evidente. Fico imaginando cursos promovidos para ensinar técnicas de mudar uma identidade sexual ou até mesmo cursos de especialização para tais práticas. Clínicas com a seguinte propaganda: “Entre gay e saia macho”. É, acho melhor não pensar não que me faz mal.

Devemos curar sim o preconceito e combater os conceitos deturpados, a ignorância da sociedade sobre a homoafetividade. Duas mulheres podem se amar. Dois homens podem se amar. Estes casais devem se amar e serem felizes.

Além de não me sentir representado ou amparado por esta proposta de lei, repudio totalmente não só a lei como os profissionais que consideram a "cura gay" como uma realidade. A cura gay é mais uma das mazelas e uma penúria social. A pessoa não está homossexual, a pessoa é homossexual.


* Breno Rosostolato é psicólogo e professor da Faculdade Santa Marcelina -  FASM.

 

COMPARTILHE:


Confira também:


Consórcio da Amazônia Legal

Em Consórcio da Amazônia Legal, governador Carlesse propõe atuação conjunta das bancadas em prol dos Estados

Após fala de Carlesse, foi aprovada reunião conjunta com as bancadas e Palmas como sede da próxima reunião do Consórcio


  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira