Wednesday, 20 de February de 2019

OPINIÃO


Política

A judicialização da política após o 18 de maio

22 May 2017

"Devemos dar pouca importância a conspirações quando conta com a simpatia do povo, porém, quando este lhe é hostil e o odeia, deve temer a tudo e a todos." (Machiavelli, Nicolo in Magnum opus, O PRÍNCIPE, 1532)

Durante um bate papo com jornalistas, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, disse nesta sexta-feira, 19, que o Brasil vai sobreviver ao conteúdo das delações da JBS, rebateu os rumores de que poderia eventualmente assumir a Presidência da República e afirmou que pretende continuar na magistratura "até o último dia". 

– Estou no lugar que eu tenho a obrigação constitucional de estar e estarei com muito gosto – disse a ministra.

Mesmo que descartemos nesse momento crucial a renúncia de Michel Temer, eis a questão norteadora: Até quando ele sobreviverá a esse naufrágio? Apresentou-lhe as possibilidades evidentes; cada uma delas com atores relevantes, caminhos processuais e relações com o tempo diferentes. O que há de comum em todas elas, porém, é que tudo acabará no Supremo.

Temer foi claro ao se referir a uma dessas possibilidades. Em referência ao inquérito aberto para apurar a prática de crime cometido durante o mandato, antecipou que tudo se esclarecerá no tribunal. Nesta hipótese, se o Procurador-Geral da República denunciá-lo e a Câmara, por dois terços de seus membros, autorizar a instauração do processo, caberá à corte julgar a ação penal que dará a Temer a oportunidade de se defender.

Se o Supremo acolher o pedido, após o rito na Câmara, que vem sendo sim tratada (a destituição ou uma ainda possível renúncia de Temer) nos bastidores por Rodrigo Maia que não quer trazer nesse momento crítico a imagem de defensor de Temer, a corte provavelmente terá pouco a dizer durante a discussão no Legislativo, já que recentemente decidiu controvérsias e lacunas durante o processo que levou à destituição de Dilma. Salvo mudança radical de posicionamento, as dúvidas mais pulsantes podem estar vinculadas a como se posicionará o ministro Alexandre de Moraes, que hoje ocupa a vaga de Teori Zavascki, nas matérias em que o plenário decidiu por 6 (seis) votos a 5 (cinco).

Mesmo que digamos nada mude, o STF será o papel central e deverá tomar a decisão talvez mais crucial dos ministros que agora passam a serem os protagonistas da política brasileira. Esse papel que deveria ser encenado pelos "políticos de carreira" perdeu o glamour depois o inesquecível dia 18 de maio.

Por fim, a lógica se encerra e se desenvolve a decisão sobre o pedido de cassação da chapa Dilma-Temer pelo TSE. Nesse caso, Temer ainda poderá provocar um novo round de debates no STF, que terá que se pronunciar não só sobre a substância da decisão, mas, muito provavelmente, também sobre a adequação jurídica do procedimento eleitoral que o TSE indicará para a sucessão presidencial.

Em França de Napoleão em plena Revolução Francesa tivemos o 18 de brumário. Nas terras brasilis os livros de história registrarão o 18 de maio. Uma coisa é certa dentro desse imbróglio pós 18 de maio de 2017: A judicialização da política ocorrerá pelo amor ou pela dor.

*Victória Ângelo Bacon é Secretária Executiva da Universidade Federal de Rondônia.
Comunicadora Social.

COMPARTILHE:


Confira também:

Crônica
O TEMPO

Comunicação

Governo, Unitins e TV Cultura firmam parceria para transmissão da emissora no Tocantins

O reitor Augusto Rezende destacou que, “com os meios de comunicação [rádio e TV educativas], esperamos alavancar algumas ações de ensino, pesquisa e extensão da universidade”.

Atuação

Prof. Júnior Geo solicita medidas para a população em virtude da interdição da ponte de Porto Nacional

Durante a conversa, o parlamentar destacou que esteve em audiência pública na última sexta-feira, 15, realizada pela Ordem dos Advogados do Brasil


Palmas

Joseph Madeira toma posse na Acipa e assume compromisso com o fortalecimento da entidade

Ainda na solenidade, o presidente da Acipa, Joseph Madeira, recebeu das mãos do representante do deputado estadual Eduardo Siqueira Campos a propositura do título de cidadão tocantinense.


AL

Deputado Jair Farias destaca projetos de industrialização e geração de empregos como prioridades para desenvolver o Estado

Jair Farias também aposta no ecoturismo para desenvolver o Bico do Papagaio. "Um dos pontos turísticos mais bonitos do Tocantins está no Bico do Papagaio, que é o encontro das águas dos rios Araguaia/Tocantins", afirmou.


Campo

Paulo Carneiro recebe em seu gabinete o presidente da APROSOJA Tocantins


Região Central

Presidente da Adetuc e prefeito de Porto Nacional discutem projetos para a temporada de praia 2019


Região Central

Município de Guaraí recebe entretenimento com foco na preservação do meio ambiente


Contratos Temporários

Prefeitura de Palmas abre edital para contratação de 34 servidores temporários


Ponte de Porto

Defensoria e OAB vão integrar comissão que trata sobre interdição da ponte de Porto Nacional


Ocorrência

Polícia Civil apreende 30 kg de maconha e prende traficante no Sul do Estado



  Blogs & Colunas


TiViNaLili

Lili Bezerra


Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira