Sunday, 16 de June de 2019

OPINIÃO


Previdência Social

A receita previdenciária em 2016 e a reforma da Previdência

08 Mar 2017

Não há muita diferença entre os conceitos previdenciários do ministro Eliseu Padilha e dos deputados da Comissão da Reforma da Previdência.  Nenhum dele sabe do que está falando.

Sabem que tem de aprovar uma reforma pois do contrário não ganham verbas e cargos.

Esta é a 3ª. reforma em menos de 15 anos, todas visando acabar com o déficit, E não vai acabar nada, mesmo porque Militares, União, Estados e Municípios estão fora. Ponto. 

Em 2016, a receita previdenciária líquida nominal foi de R$ 358,1 bilhões (R$ 350,3 bilhões em 2015) para uma despesa de R$ 507,9 bilhões (R$ 436,1 bilhões em 2015) e um déficit de R$ 149,7 bilhões. (R$ 85,8 bilhões em 2015). 

Os alarmistas e fiscalistas de plantão passaram a andar em Brasília com tochas acesas, seguidos pelos analistas de mercado e seus seguidores de alto risco e de alto custo.

A despesa em 2016 bateu 8,2% do PIB (7,42 % em 2015) a receita 5,8% (5,93% em 2015) do déficit 2,4% do PIB (-1,4% em 2015).
Distribuíram entre os deputados e senadores um estudo informando que, em 2017, alcançará 10% do PIB e se agravará os anos seguintes, se não for feita a reforma.

Ninguém se deu conta de perguntar porque a despesa explodiu e a receita despencou, o que acontece desde 2003, no surgimento do lulo-petismo, que revogou, por emenda constitucional, o dispositivo da Constituição de 1988 segundo o qual não se poderia criar benefícios sem a contrapartida da contribuição.

É verdade que entre 2011, a despesa ficou entre 6,4-6,7% do PIB e a receita entre 5,5-5,7% do PIB. 

Vejamos algumas razões da queda da receita:

- A Receita Federal não combateu a sonegação que é 30% da receita liquida;
-Não fiscalizou ninguém;
-Não recuperou créditos na dívida ativa e administrativa que ultrapassam os $ 400 bilhões;
- Manteve as renuncias e desonerações de R$60 bilhões.
- Desconsidera o rombo de quase R$ 100 bilhões do RURAL, entre receitas e despesas,
- Mantém benefícios para os caloteiros mesmo mudando o nome do REFIS;
- Não considera a cobertura da Seguridade Social para complementação da despesa previdenciária e assistencial, fundamento para a manutenção da cultura do déficit.
Vejamos também algumas razões no aumento da despesa:
- Ao simples anuncio da reforma, desabou pressão por obtenção de benefícios no INSS, com 8,6 milhões de pedidos de benefícios em 2016 (7,8 milhões em 2015)
- Ameaça de adoção de idade mínima-e fim da aposentadoria por tempo de contribuição
- A aposentadoria por tempo de contribuição, criada para redução do déficit em reforma anterior, em pouco tempo, beneficiou 10, 4 milhões de pessoas, maior item em quantidade e valor;
- Concessão em 2016 de 5,1 milhões de benefícios com forte impacto na despesa de R$ 6,9 bilhões;
- Perpetuação do descasamento da despesa do rural que chegou R$ 103,3 bilhões com receita liquida de 7,9 bilhões.

Se pudéssemos rever os dados, em gráficos e tabelas de 2016 apresentados pelo Ministério da Fazenda, para enganar os trouxas, considerando receitas e despesas, teríamos outro contexto. Para desespero dos alarmistas e fiscalistas de plantão. 

Senão vejamos, 

- Receita liquida do RGPS – R$ 358, 1 bilhões
- Despesa do FUNRURAL –   R$ 103,3 bilhões
- Desonerações renuncias – R$ 60,0 bilhões
Subtotal – R$ 521,1 para um déficit escritural de R$ 507, 8 bilhões.

A ANASPS não é contra os trabalhadores rurais, mas apoiada na tese universal de que não poderia haver benefícios sem contribuição, sempre advogou que os benefícios rurais, sem contribuição, devem ir para a LOAS, ficando no RGPS os que tem contribuição, e que continuem cobertos pela Seguridade Social. 

Da mesma forma que a ANASPS sustenta que as renuncias e desonerações, no uso fiscal dos recursos previdenciários, que tem finalidade definida, sejam ressarcidos ao RGPS.

Sei que há furos atuariais nas contribuições e que a tendência é que haja menos pessoas contribuindo e mais pessoas recebendo benefícios. 
A reforma da Previdência poderia ser feita na Receita Federal. Infelizmente, nova reforma constitucional será feita pelo futuro governo. 
Os alarmistas e fiscalistas de plantão continuarão em evidência.

(*) Paulo César Regis de Souza é vice-presidente Executivo da Associação Nacional dos Servidores Públicos da Previdência e da Seguridade Social-Anasps.

COMPARTILHE:


Confira também:


Opinião

O “combinado” tem que ser com o povo

Por enquanto o prédio onde funciona a prefeitura de Palmas no centro da cidade se tornou a grande Torre de Babel.

Ações

Semana do Governador Carlesse contou com entrega de equipamentos para a PM e discussão sobre a reforma da Previdência

Além da Fenepalmas, o Governador Mauro Carlesse também debateu a necessidade de receber mais investidores privados e afirmou, ao presidente da Acipa, que o Estado está de portas abertas para receber novos empresários que queiram se instalar no Tocantins.


Encontro de Defensores

Governador Carlesse recepciona Defensores Gerais e destaca atuação da Defensoria Pública do Tocantins

Palmas sedia encontro nacional de defensores públicos gerais


Taquaruçu

Movimento pela Vida 2019: Evento traz programação em prol de um mundo melhor

Criado há 19 anos, o Movimento Pela Vida é um coletivo integrado por pessoas de formações e interesses diversos, que atuam no sentido da celebração da vida em seus vários aspectos, como a saúde física, mental e espiritual das pessoas


Pressão

Bancada do TO decide entrar com representação no CADE contra a Gol e obtém sinal verde para jatos da Azul em Araguaína


Negócios

Acipa apresenta projeto da Fenepalmas ao governador Mauro Carlesse


Articulação

Kátia Abreu reune prefeitos da região sul para tratar de pavimentação das cidades


Campo

Ruraltins incentiva criação de abelhas sem ferrão em minicurso na Expoara


Serviço

Tocantins realiza encontro Estadual para o fortalecimento da Atenção Primária à Saúde


Em Palmas

Centro Integrado de Atendimento a crianças e adolescentes em situação de violência é inaugurado



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira