Thursday, 27 de June de 2019

OPINIÃO


A República Sindical Brasileira - uma crítica à greves

13 Aug 2012

Professores em greve que compromete o ano letivo, policiais rodoviários federais em operação-padrão, policiais federais e fiscais aduaneiros com paralisação parcial, caminhoneiros bloqueando as principais estradas do país. A população sofre e a economia é afetada em conseqüência do radicalismo (muitas vezes de motivação mais política do que reivindicatória) dos movimentos, e não consegue vislumbrar uma solução para os problemas reclamados. Pelo contrário; no momento em que o governo reage diante do impasse com grevistas, as centrais sindicais, inclusive as aliadas ou parceiras do governo, passam a apoiar formalmente a greve e a criticar o “autoritarismo” governamental de suspender o ponto ou substituir grevistas.

Embora constitua um direito constitucional dos trabalhadores, a greve não pode e nem deve ser algo interminável ou ter impasse insolúvel. As partes envolvidas têm de compreender que a paralisação das atividades é o ponto crítico, pois a clientela atendida pelos serviços – principalmente os públicos – prestados pelos grevistas não é culpada e nem pode pagar pelo impasse. Que culpa têm os estudantes que podem perder o ano pelas reivindicações não atendidas de seus professores? E a população que passa a pagar mais caro pelo alimento em razão do travamento das rodovias ou das aduanas? E as empresas que deixam de receber no prazo as mercadorias e insumos importados para sua produção?

O governo tem o dever de garantir o funcionamento dos serviços executados sob sua responsabilidade ou concessão. Deve buscar a negociação com a máxima urgência e no limite de suas possibilidades. Mas, quando isso não é possível, tem de fazer valer sua autoridade, mesmo que isso possa lhe render a impopularidade junto aos grevistas. No impasse, existe a Justiça para dirimir dúvidas e garantir o cumprimento das leis. O que não pode é a eternização da inatividade.

Nos centros mais desenvolvidos do mundo, os trabalhadores fazem apenas uma manifestação onde levam sua reivindicação a quem de direito, e voltam ao trabalho, onde aguardam pela decisão. O outro lado entende aquilo como manifestação séria e faz a sua contraproposta, processando-se assim a negociação. A greve é o ultimo instrumento, pois traz prejuízos. Infelizmente, no Brasil tem vigorado a idéia da greve política, onde os reivindicantes buscam mais o confronto e a afirmação ideológica ou partidária do que a reivindicação. Via de regra, não existe sinceridade em nenhum dos lados. Os trabalhadores pedem aquilo que o empregador (estatal ou privado) não pode oferecer e este radicaliza oferecendo percentuais irrisórios.

Para o bem-estar geral, é preciso acabar com a greve de motivação político-ideológica e estabelecer discussões mais realistas entre patrões e empregados. Não podemos correr o risco de voltar à situação de república sindical. Em 1963/64 começou assim e, deu no que deu...
 
 
Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)
aspomilpm@terra.com.br   
                                                                                                 

COMPARTILHE:


Confira também:


Para Servidores

Marilon Barbosa propõe que prefeita envie à Câmara Projeto de Lei que autorize o empréstimo consignado de recursos do PreviPalmas

Ele ainda sugeriu no anteprojeto que os recursos do PreviPalmas para empréstimos consignados aos servidores públicos municipais sejam alocados no Banco do Povo como linha de crédito exclusiva para empréstimos a esta finalidade.

Ferrovia Norte-Sul

Início das operações da Ferrovia Norte-Sul, entre Anápolis e Porto Nacional, é anunciada

Executivos anunciam que operadora está pronta para fazer o transporte de cargas industrializadas, num trecho de 800 km




  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira