Thursday, 13 de December de 2018

OPINIÃO


Opinião

As mudanças demográficas que impactam a Previdencia Social

03 Sep 2012

Por Paulo César Régis de Souza (*)

A Organização Mundial da Saúde-OMS está desenhando um cenário em que a humanidade ainda desconhece e para o qual suas políticas multilaterais de água limpa, vacinação, esgotamento sanitário, controle de endemias e epidemias foram contributivas. Neste aspecto, o cenário é alentador, pois revela que os seres humanos estão vivendo mais, como consequência da melhoria da qualidade de vida nos países ricos e pobres.

Na primeira metade do século XXI, a população acima dos 60 anos dobrará de 11% para 22% o total, saltando de 605 milhões para 2 bilhões de pessoas, gerando um impacto ainda não dimensionado por demógrafos,sociólogos,antropólogos,economistas. Deste percentual, mais de 80% serão aposentados ou  pensionistas ou estão em programas assistenciais, com um vasto leque de nomenclaturas.

Mais ainda, a OMS afirma que os idosos acima de 80 anos vão duplicar até 2.050, alcançando 395 milhões de pessoas. Aqui, 100% estará incluída nas condições que mencionei anteriormente.

O que é terrível para a humanidade é sabermos, desde agora, que 80% dos idosos estarão em países em desenvolvimento, de renda média ou baixa e que chega a 4,6% o índice da população idosa atingida  por maus tratos nos países desenvolvidos. Nos países em desenvolvimento, este índice dobra ou triplica de acordo com a situação de cada país.

A demografia apresenta outros dados instigantes: dentro de cinco anos, haverá mais pessoas acima dos 65 anos do que crianças abaixo dos cinco anos. Por volta de 2.050, a quantidade de pessoas acima dos 65 anos superará a de crianças abaixo dos 14 anos.

Nos últimos 50 anos, no Brasil, a população brasileira passou de 70 milhões, em 1960, para 190,7 milhões, em 2010, quase triplicando. O crescimento do número de idosos, no entanto, foi ainda maior. Em 1960, 3,3 milhões de brasileiros tinham 60 anos ou mais e representavam 4,7% da população. Em 2000, 14,5 milhões, ou 8,5% dos brasileiros, tinham 60 anos ou mais. Em 2010, o crescimento foi ainda mais expressivo, com 20,5 milhões com 60 anos ou mais, representando, 8% da população.
 
No âmbito da OIT, o que se pensa é incorporar mais e mais idosos, mesmo aposentados, no mercado de trabalho, o que chamou de upsizing, para lhes dar ocupação e ajudar a financiar o seu projeto final de vida. O ponto de partida, em função da expectativa de vida alongada, é ampliar para 70/75anos a idade mínima para aposentadoria e adotar mecanismos restritivos nas pensões. Esta alternativa européia não alcança a África, Ásia e Américas.

Na América Latina, o proselitismo, o assistencialismo, o clientelismo e o populismo desfiguraram a Previdência Social contributiva e fortaleceram a Assistência Social.  Por aqui, a bolha ou a bomba relógio da demografia vai produzindo pessoas que vão precisar de proteção social e que não tem condições de contribuir para se aposentar.

(*) Por Paulo César Régis de Souza é presidente da Associação Nacional dos Servidores da Previdência e da Seguridade Social-ANASPS

COMPARTILHE:

O que você achou da notícia?

12

PARABÉNS!
PARABÉNS!

11

BOM
BOM

10

AMEI!
AMEI!

10

KKKK
KKKK

12

ENGRAÇADO
ENGRAÇADO

8

Ñ GOSTEI
Ñ GOSTEI

7

CREDO!
CREDO!

Comentários

comments powered by Disqus


Confira também:

Liberdade de Imprensa
FENAJ emite nota oficial

Setor Taquari

Governo vai retomar obras de casas populares no Setor Taquari

Aviso de concorrência para contratação da empresa foi publicado na edição do Diário Oficial do Estado dessa terça-feira, 11

Contas

TRE-TO desaprova oito prestações de contas e quatro são aprovadas

Foram aprovadas ainda as contas de Williams de Araújo da Silva, candidato ao cargo de Deputado Federal, pelo Partido da Mulher Brasileira (PMB)




  Blogs & Colunas


TiViNaLili

Lili Bezerra


Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira