Wednesday, 20 de February de 2019

OPINIÃO


Ponto de vista

Autores e leitores prejudicados

06 Aug 2017

Leide Albergoni*

O projeto de Lei 49/2015 propõe a Política Nacional do Livro e a regulação de preços. A justificativa do projeto está baseada no estímulo ao empreendedorismo no segmento de livros, acessibilidade aos leitores e garantia do exercício da livre concorrência, por meio da proteção de práticas abusivas por grandes empresas.

O livre exercício da concorrência depende da liberdade de preços, que devem flutuar de acordo com a oferta e a demanda do produto. Os preços constituem o mecanismo essencial de alocação de recursos no mercado e de atuação de concorrentes, pois quando a demanda supera a oferta os preços aumentam indicando que a produção deve aumentar. Por outro lado, quando a demanda é fraca os preços diminuem indicando que a produção deve ser reduzida e que as empresas devem oferecer produtos mais interessantes aos consumidores.

No caso do livro, se a obra tiver sucesso de público, a demanda superará a oferta e o preço aumentará. Nada mais justo para o autor e o editor, pois o mercado reconhece a qualidade e a novidade da obra e sua remuneração aumenta. Por outro lado, se a obra não despertar o interesse do leitor, a redução do preço pode zerar o estoque de obras já impressas e cobrir os custos de produção, evitando o prejuízo da obra encalhada.

A editora define o preço de capa e o custo de impressão, quando pago pelo autor. Em um país com baixa taxa de leitura, o principal interesse do autor é se fazer conhecido, ou seja, vender mais livros. São raros os autores que vivem exclusivamente da renda proporcionada pelas obras, portanto, o valor da remuneração pela venda dos livros não faz tanta diferença do ponto de vista financeiro, mas o preço mais baixo pode trazer mais leitores.

Em relação à proteção do consumidor, esta é duvidosa, já que a fixação de preços acaba por impedir preços mais baixos e vantajosos. Se a justificativa é tornar o livro mais acessível, fixar preços pode ter o efeito contrário, pois na dúvida é melhor colocar um preço mais alto do que ser impedido de aumentá-lo depois. A proteção, portanto, acaba se concentrando no meio da cadeia: as editoras e os livreiros, que têm maior poder de mercado e mais condições de avaliar os riscos do negócio do que um autor. As editoras eram contrárias ao projeto até recentemente, quando se sentiram ameaçadas pela Amazon. Quando o controlado apoia o controle, a proteção dificilmente beneficia os consumidores.

Ainda que o controle fosse justificável, a característica do mercado, que é pulverizado na comercialização, traz complexidade para a fiscalização, a cargo do Procon local. Este órgão, embora competente em sua atuação, nem sempre consegue cumprir seu papel adequadamente devido a restrições orçamentárias. Embora justifiquem a adoção do modelo de preço fixo com base no que é praticado em outros países, a estratégia de controle de preços é antiga no Brasil e já fracassou.

* Leide Albergoni é economista, professora da Universidade Positivo (UP) e autora do livro Introdução à Economia – Aplicações no Cotidiano.

COMPARTILHE:


Confira também:

Crônica
O TEMPO

Reforma

Previdência terá alíquotas progressivas de contribuição

De acordo com proposta, quem ganha mais contribuirá mais

Opções no Tocantins

Programe-se: 5 opções para curtir o carnaval no Tocantins

Em Araguatins, o carnaval será realizado por uma empresa privada entre os dias 1º e 5 de março. A agitação dos cinco dias ficará por conta de bandas locais e do cenário nacional. A estrutura contará com camarotes e vendas de abadás.


Atuação

Prof. Júnior Geo solicita medidas para a população em virtude da interdição da ponte de Porto Nacional

Durante a conversa, o parlamentar destacou que esteve em audiência pública na última sexta-feira, 15, realizada pela Ordem dos Advogados do Brasil


Palmas

Joseph Madeira toma posse na Acipa e assume compromisso com o fortalecimento da entidade

Ainda na solenidade, o presidente da Acipa, Joseph Madeira, recebeu das mãos do representante do deputado estadual Eduardo Siqueira Campos a propositura do título de cidadão tocantinense.


AL

Deputado Jair Farias destaca projetos de industrialização e geração de empregos como prioridades para desenvolver o Estado


Campo

Paulo Carneiro recebe em seu gabinete o presidente da APROSOJA Tocantins


Região Central

Presidente da Adetuc e prefeito de Porto Nacional discutem projetos para a temporada de praia 2019


Região Central

Município de Guaraí recebe entretenimento com foco na preservação do meio ambiente


Contratos Temporários

Prefeitura de Palmas abre edital para contratação de 34 servidores temporários


Ponte de Porto

Defensoria e OAB vão integrar comissão que trata sobre interdição da ponte de Porto Nacional



  Blogs & Colunas


TiViNaLili

Lili Bezerra


Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira