Saturday, 22 de September de 2018

Saturday, 22 de September de 2018

OPINIÃO


Militares

Governo e militares, o melhor é a pacificação

15 Feb 2017

Depois dos discursos ofensivos aos policiais, as autoridades capixabas partem  para a aplicação dos rigores da lei. O Diário Oficial circulou com o indiciamento dos supostos participantes da greve e agora se anuncia a investigação sobre a possibilidade de haverem militares envolvidos nos crimes ocorridos no estado durante os dias de aquartelamento. É um direito do governo verificar as possibilidades, mas é ruim lançar suposições antes da certeza ou de claras evidências sobre o cometimento das faltas ou crimes. Esse mesmo rigor que o governo estadual e seus apoiadores federais hoje demonstram no cumprimento das leis deveria também ter sido observado no cumprimento patronal dos direitos da classe a coisas básicas como, por exemplo, a reposição inflacionária anual dos salários, prevista no artigo 37 X da Constituição Federa l.

É temerário atribuir aos militares a realização de greve ou classificar o seu comportamento como motim. Eles, submissos aos regulamentos, não fizeram greve. Apenas não saíram dos quartéis porque suas mulheres, mães e filhos bloqueavam a passagem, para chamar a atenção ao problema que vivem. Dizer que os seus familiares ali se encontravam a mando dos militares é incerto, da mesma forma que esperar deles o uso da força para retirá-los do caminho ou assistirem passivamente que outros o fizessem.

Controlada a situação e recolocada a tropa na rua, o melhor que o governo do Espírito Santo tem a fazer é buscar a pacificação. Exatamente o contrário do que as primeiras medidas vêm demonstrando. Do jeito que se encaminha a questão, corre-se o risco de criar uma inconveniente divisão na tropa, colocando de um lado os punidos sob a denúncia de greve e de outro os que não forem atingidos pelas punições. Como a unidade é fundamental para o bom trabalho, isso levará a desavenças e prejuízos ao cumprimento da finalidade. Em vez de procurar onde os militares arrepiaram a lei, o governador deveria olhar para o próprio umbigo e verificar onde ele próprio foi o descumpridor e contribuinte para a situação crítica.

Os governos estaduais não podem ignorar que enquanto empregadores, têm obrigações para com seus empregados. Lembrar também que investem alto na formação dos militares, trabalhadores diferenciados e especializados, operadores de um setor essencial. Se o governador Paulo Hartung e os outros governadores – pois a situação é difícil em todos os estados – insistirem em levar a questão a ferro-e-fogo, é lógico que garantirão a presença dos militares nas ruas. Mas correrão o risco de tê-los apenas como presença, em operação-padrão, cumprindo a letra fria da lei, mas evitando confrontos ou quaisquer atividades que exijam sua energia, força física ou o uso da arma e possam lhes trazer problemas funcionais ou disciplinares. Se isso vier a ocorrer, não poderão punir a tropa, po is ela estará no trabalho, mas será ineficiente e estará criado o ambiente ideal para a criminalidade...
 
*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) 

COMPARTILHE:

O que você achou da notícia?

10

PARABÉNS!
PARABÉNS!

10

BOM
BOM

9

AMEI!
AMEI!

10

KKKK
KKKK

9

ENGRAÇADO
ENGRAÇADO

6

Ñ GOSTEI
Ñ GOSTEI

1

CREDO!
CREDO!

Comentários

comments powered by Disqus


Confira também:


SEMANA NACIONAL

Tocantins reduz óbitos de pedestres e ciclistas no trânsito

Ações integradas de prevenção de acidentes no trânsito salvam vidas de pedestres e ciclistas no estado. Redução foi de 26% e 56%, respectivamente

Saúde

MPE obtém decisão judicial acerca de acúmulo de lixo no Hospital Regional de Araguaína

Segundo a Promotora de Justiça Araína Cesárea Ferreira Santos D’Alessandro, manter o ambiente hospitalar limpo e livre de contaminação de qualquer espécie é uma obrigação do Estado



Pecuária

Seagro oportuniza discussão sobre caprinocultura do leite em palestras na Expopalmas

A diretora reforçou que todo processo de pecuária é preciso que seja acompanhado por um técnico, seja médico veterinário, zootecnista ou engenheiro agrônomo.


Pesquisa Fieto

Pesquisa Fieto/Vetor indica vitória de Carlesse no primeiro turno

A segunda rodada da pesquisa Fieto/Vetor foi divulgada nesta sexta-feira, 21. O intervalo de confiança é de 95% e margem de erro máximo estimada é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.


Polícia Fazendária

Estado terá Batalhão da Polícia Militar Fazendária

A criação do Batalhão da Polícia Militar Fazendária atende também a uma antiga reivindicação dos servidores do Fisco.


Saúde

Instalação da máquina de radioterapia de Araguaína deve ser concluída em 90 dias


Esporte

Meia Maratona do Tocantins será realizada dia 1º dezembro com premiação de mais de R$ 55 mil


Ocorrência

Polícia Civil prende suspeito por tráfico de drogas no Extremo Norte do Estado


Infância

Candidatos ao governo do Tocantins são convidados a assumir compromisso com a infância: César Simoni é o primeiro


Investimentos

Obras do Fórum de Araguaína e de entupimento da “cratera” da TO-222 em Araguaína são vistoriadas


Carlesse

Multidão recepciona Carlesse e reunião vira grande caminhada em Gurupi



  Blogs & Colunas


TiViNaLili

Lili Bezerra


Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira