Tuesday, 18 de June de 2019

OPINIÃO


Militares

Governo e militares, o melhor é a pacificação

15 Feb 2017

Depois dos discursos ofensivos aos policiais, as autoridades capixabas partem  para a aplicação dos rigores da lei. O Diário Oficial circulou com o indiciamento dos supostos participantes da greve e agora se anuncia a investigação sobre a possibilidade de haverem militares envolvidos nos crimes ocorridos no estado durante os dias de aquartelamento. É um direito do governo verificar as possibilidades, mas é ruim lançar suposições antes da certeza ou de claras evidências sobre o cometimento das faltas ou crimes. Esse mesmo rigor que o governo estadual e seus apoiadores federais hoje demonstram no cumprimento das leis deveria também ter sido observado no cumprimento patronal dos direitos da classe a coisas básicas como, por exemplo, a reposição inflacionária anual dos salários, prevista no artigo 37 X da Constituição Federa l.

É temerário atribuir aos militares a realização de greve ou classificar o seu comportamento como motim. Eles, submissos aos regulamentos, não fizeram greve. Apenas não saíram dos quartéis porque suas mulheres, mães e filhos bloqueavam a passagem, para chamar a atenção ao problema que vivem. Dizer que os seus familiares ali se encontravam a mando dos militares é incerto, da mesma forma que esperar deles o uso da força para retirá-los do caminho ou assistirem passivamente que outros o fizessem.

Controlada a situação e recolocada a tropa na rua, o melhor que o governo do Espírito Santo tem a fazer é buscar a pacificação. Exatamente o contrário do que as primeiras medidas vêm demonstrando. Do jeito que se encaminha a questão, corre-se o risco de criar uma inconveniente divisão na tropa, colocando de um lado os punidos sob a denúncia de greve e de outro os que não forem atingidos pelas punições. Como a unidade é fundamental para o bom trabalho, isso levará a desavenças e prejuízos ao cumprimento da finalidade. Em vez de procurar onde os militares arrepiaram a lei, o governador deveria olhar para o próprio umbigo e verificar onde ele próprio foi o descumpridor e contribuinte para a situação crítica.

Os governos estaduais não podem ignorar que enquanto empregadores, têm obrigações para com seus empregados. Lembrar também que investem alto na formação dos militares, trabalhadores diferenciados e especializados, operadores de um setor essencial. Se o governador Paulo Hartung e os outros governadores – pois a situação é difícil em todos os estados – insistirem em levar a questão a ferro-e-fogo, é lógico que garantirão a presença dos militares nas ruas. Mas correrão o risco de tê-los apenas como presença, em operação-padrão, cumprindo a letra fria da lei, mas evitando confrontos ou quaisquer atividades que exijam sua energia, força física ou o uso da arma e possam lhes trazer problemas funcionais ou disciplinares. Se isso vier a ocorrer, não poderão punir a tropa, po is ela estará no trabalho, mas será ineficiente e estará criado o ambiente ideal para a criminalidade...
 
*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) 

COMPARTILHE:


Confira também:


Drogas

Maconha é a droga mais apreendida no Tocantins, revela estatística

O ranking aponta ainda um crescimento das ocorrências registradas no órgão em relação às apreensões de crack. Enquanto em 2017 foram 319 registros, em 2018, este número subiu para 432.


  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira