Saturday, 21 de September de 2019

OPINIÃO


Hanseníase: O Conceito e o Preconceito

17 Mar 2013

A Hanseníase é uma doença infecto-contagiosa, ou seja, transmissível de um indivíduo doente para um indivíduo saudável. É uma doença milenar, inclusive a Bíblia Sagrada traz em suas passagens inúmeras referências a essa enfermidade, na época conhecida como lepra. Após milênios de existência e alguns anos de estudo, o termo lepra foi substituído pelo termo hanseníase, a fim de dar-lhe um caráter mais técnico-científico. Contudo, a mera mudança de nome nada adiantou em reverter o preconceito que existe contra os pacientes acometidos pela hanseníase, muito menos os mitos que se criaram sobre a doença. O termo hanseníase se instalou então, quase como um eufemismo.

Mas que doença é essa que sobre a qual existem tantos mal-entendidos? A hanseníase (também conhecido como Mal de Hansen-MH, ou lepra) é causada por um bacilo chamado Mycobacterium Leprae. O bacilo tem afinidade pelas células da pele e pelos nervos periféricos. O bacilo passa de uma pessoa a outra, mas não através do contato físico (como se pensa comumente), e sim através do ar. Uma tática preventiva seria, então, não respirar perto de um paciente hansênico? Isolar o portador de hanseníase em uma câmara fechada? Negativo. A contaminação só acontece através do convívio prolongado (de preferência doméstico). Anos de exposição são necessários para que haja a contaminação. A doença não é transmissível pelos fluídos corporais (saliva, suor, esperma, lágrimas, etc), portanto, o indivíduo portador de hanseníase não precisa deixar de abraçar, beijar, acariciar, ou ter relações sexuais, por medo de contaminar seus próximos.

Além disso tudo, é necessário ter predisposição ao bacilo, e a maior parte da população é, na verdade, imune: a vacina BCG é considerada um método de prevenção contra a contaminação pela doença.

Soa meio clichê, devido à constante repetição nas propagandas do Ministério da Saúde, mas a hanseníase tem cura. O tratamento, oferecido apenas no serviço público de saúde, é realizado através de medicamentos (Poliquimioterapia) e após 15 dias do início do tratamento, o paciente não mais é capaz de contaminar ninguém. Mas é importante seguir o tratamento até o final, para evitar as seqüelas que surgem a partir da hanseníase.

Como dito anteriormente, a hanseníase não é apenas uma doença de pele: ela acomete também os nervos que se localizam nos membros, gerando perda de sensibilidade, perda de força, e posteriormente podendo levar a graves deformações das mãos e dos pés, comprometendo a imagem e a independência dos indivíduos atingidos por esse mal. Os olhos também são acometidos e, sem o devido cuidado, o paciente pode perder por completo a visão. A partir do momento do diagnóstico, é necessário que o SUS acompanhe o estado de saúde do paciente hansênico não somente durante o tratamento, mas também alguns anos depois dele, pois as seqüelas que surgem da hanseníase podem aparecer mesmo anos depois de o paciente ter sido curado. Se estas incapacidades físicas forem detectadas a tempo, podem ser revertidas sem necessidade de intervenção cirúrgica.

Portanto, vale à pena relembrar os sinais e sintomas: manchas mais escuras ou mais claras do que a sua tonalidade normal de pele, que não doem nem coçam, formigamento nas mãos e pés, fraqueza muscular e diminuição de sensibilidade podem indicar hanseníase. Se apresentar os sintomas, dirija-se à Unidade de Saúde responsável pela sua região, e faça uma consulta. Oferecer tratamento e orientação é função do SUS, mas tratar-se e eliminar o preconceito sobre essa doença é decisão de cada um.

 


Tiago Veloso Neves - Acadêmico do curso de Fisioterapia do CEULP-ULBRA, e pesquisador do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde/ Vigilância em Saúde (PET-Saúde/VS)

COMPARTILHE:


Confira também:


Economia

MP da liberdade econômica é sancionada; veja os principais pontos

Lei entra em vigor na data da publicação, ainda nesta sexta-feira

PPA

Governo abre consulta pública do PPA 2020-2023 e reafirma gestão voltada às necessidades da população

O vice-governador Wanderlei Barbosa destacou a relevância do formato de consultas públicas adotado pelo Governo do Estado, em que foram ouvidas milhares de pessoas de todas as regiões do Tocantins.



Operação Ruptura

Polícia Civil deflagra operação ruptura e prende vários criminosos em Araguaína

Operação resultou na prisão de um indivíduo considerado o chefe do tráfico de drogas em Araguaína


Saúde

Hospital Regional de Miracema amplia serviços e realiza cirurgia inédita

A equipe responsável pelo procedimento foi composta pelo médico urologista Danilo Maranhão; o anestesista Paulo Márcio; o médico auxiliar Jobel Egito e as equipes de enfermagem, técnica de enfermagem e limpeza.


Agenda

Em Brasília, parlamentares do Tocantins buscam recursos para obras

Para o Delegado Rérisson as reuniões foram bastante positivas.


Seu Bolso

Energisa prorroga campanha para negociação de dívidas


Premiação

Nota Quente paga R$ 10.935,88 neste sábado, 21


Saúde

Profissionais de saúde alertam sobre cuidados com as altas temperaturas na Capital


Drogas

Polícia Civil prende quatro traficantes e apreende mais de 30kg de maconha em Gurupi


Honraria

Participante de programa do Instituto TIM vence prêmio global da ONU


Agrotóxicos

Assembleia debate uso de agrotóxico em audiência proposta por Zé Roberto Lula



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira