Saturday, 20 de July de 2019

OPINIÃO


FIES

O que ficou de fora da reforma do FIES

07 Dec 2017

O Senado Federal aprovou a Medida Provisória (MP) nº 785/2017, que trata da reforma do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), cuja existência anda ameaçada por falta de recursos. A medida, que segue agora para sanção do presidente Michel Temer, propõe a divisão do Fundo em três modalidades já a partir de 2018.

Na primeira, o FIES oferecerá 100 mil vagas por ano, com juros zero para estudantes com renda familiar mensal per capita de até três salários mínimos. Já na segunda e terceira modalidades, o Fundo oferecerá outras 210 mil vagas para estudantes com renda familiar per capita de até cinco salários mínimos, a juros baixos, tendo como fonte de recursos os fundos constitucionais do Centro-Oeste, Nordeste e do Norte e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Com as mudanças, que incluem ainda novos sistemas para a seleção dos candidatos, o governo espera economizar mais de R$ 300 milhões ao ano.

Além de ampliar a faixa de estudantes beneficiados de 1,5 salário mínimo para até cinco salários mínimos, o novo modelo deve garantir a continuidade e a sustentabilidade do programa, fundamental para o desenvolvimento nacional, já que transfere parte dos riscos envolvidos na concessão do crédito para os bancos e torna mais acessíveis as informações sobre o custo total do curso e as formas de pagamento, como em um financiamento comum.

Ficou de fora da reforma, no entanto, propostas que trouxessem mais poder aos estudantes e reforçassem a responsabilidade do setor privado na inclusão de mais alunos no ensino superior. Hoje, os estudantes que são aprovados para o financiamento pelo FIES são, na maioria das vezes, obrigados a pagar o preço cheio da mensalidade e contraem uma dívida bem maior do que poderiam, caso pudessem negociar o valor de sua mensalidade.

Os contratos do Fies atrelam instituição e aluno desde a sua aprovação e, por isso, não permitem uma negociação de preço com a instituição de ensino ou o pedido de bolsa parcial. O sistema atual também não estimula as instituições privadas a assumirem um papel mais atuante na inclusão dos grupos mais desfavorecidos no ensino superior, algo fundamental para que o País avance mais rapidamente nesse campo.  Na minha visão, o FIES deveria ser concedido na forma de uma carta de crédito ao aluno, com "portabilidade" entre as instituições habilitadas no programa. Assim as leis da competição e o livre mercado assegurariam a estes alunos um amplo poder de negociação, superior inclusive à dos alunos que pagam o curso à vista, dado que alunos do FIES possuem taxas de evasão e inadimplência bem mais baixas que os demais.

Oferecer bolsa de estudo e financiar estudantes por meios próprios é uma prática recorrente e histórica dentro das maiores universidades do mundo. Em Harvard, Yale, Cambridge, Oxford e em centenas de outras instituições existem alunos que pagam integralmente o custo do ensino enquanto mais da metade dos alunos obtém bolsas parciais ou integrais. O financiamento estudantil é um complemento, sendo sempre aplicado em cima do valor líquido do curso, após a dedução das bolsas com as quais o aluno foi consagrado.

Diante das limitações orçamentárias para o FIES e para a expansão da rede pública de ensino, o setor privado deve ser estimulado a criar soluções que ampliem a inclusão. Hoje, apenas 16% dos brasileiros com idades entre 25 e 34 anos têm nível superior e mais de 16,5 milhões de estudantes estão prontos para ingressar na faculdade.

Já existem modelos de negócios que usam a tecnologia para beneficiar estudantes que não foram atendidos por universidades públicas e programas oficiais como Fies e Prouni. Há, por exemplo, sites de busca que reúnem ofertas de bolsas de estudos e que já ajudaram milhares de estudantes a ingressar em cursos superiores, mas é possível fazer mais.

É preciso lutar em todas as frentes: maior acesso ao nível superior, combate a evasão, e melhora da qualidade do ensino. Só assim promoveremos mudanças profundas em nossa sociedade e construiremos um futuro melhor para o Brasil.

*Bernardo de Pádua é formado em Engenharia da Computação pelo ITA e CEO da Quero Educação

COMPARTILHE:


Confira também:


Cuiabá

Em encontro com o ministro Dias Tofolli, presidente do TJTO defende autonomia dos Tribunais para aprovar projetos de interesse do Judiciário estadual

Do encontro convocado pelo ministro Dias Toffoli e no qual ele franqueou a palavra a todos os presidentes dos tribunais, saiu a Carta de Cuiabá

Estacionamento Rotativo

Tribunal de Justiça reconhece competência do TCE para emitir cautelar durante julgamento sobre o Estacionamento Rotativo de Palmas

O relator do processo, desembargador Ronaldo Eurípedes, apresentou seu voto no último dia 27 de junho negando o pedido da empresa com fundamento. no posicionamento do Supremo Tribunal Federal (STF)



Seciju

Ações contra violações de direitos são realizadas em praias do estado

Equipes técnicas da Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju) participaram de reuniões para fortalecimento da Rede de Proteção e realizaram ações de sensibilização nas praias de Porto Nacional e Pedro Afonso e fortaleceram a Rede de Proteção.


PM

Ação conjunta da Polícia Civil do Tocantins e da Polícia Militar de Goiás resulta na prisão de homicida foragido de Araguaína

Ele é suspeito de ser o autor de pelo menos dois homicídios praticados, em Araguaína, nos anos de 2018 e 2019 e foi capturado, mediante cumprimento a mandados de prisão preventiva, oriundos da 1° Vara Criminal da Comarca de Araguaína.


Regularização

Governo inova em gestão e abre portas do Instituto de Terras do Tocantins para estágio em 2019

O Instituto de Terras do Tocantins vem trabalhando com responsabilidade e eficácia para contribuir a cada dia com o desenvolvimento do Estado.


CPPA

Suspeito de cometer homicídio em 2015 é preso pela Polícia Civil em Araguaína


Premiação

EDP, controladora da Investco e da Enerpeixe no Tocantins, está entre as 15 marcas mais valiosas no mundo


Resgate

Paciente em estado grave é transportado de Miracema para Palmas pelas equipes do CIOPAER e SAMU


TV

Gastronomia alemã é o próximo desafio do MasterChef


Encceja

100% das unidades prisionais e socioeducativos realizarão o Encceja PPL 2019


Turismo

Adetuc projeta aumento de turistas e movimentação de mais de R$ 118 milhões na Temporada de Praias 2019



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira