Tuesday, 19 de February de 2019

OPINIÃO


FIES

O que ficou de fora da reforma do FIES

07 Dec 2017

O Senado Federal aprovou a Medida Provisória (MP) nº 785/2017, que trata da reforma do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), cuja existência anda ameaçada por falta de recursos. A medida, que segue agora para sanção do presidente Michel Temer, propõe a divisão do Fundo em três modalidades já a partir de 2018.

Na primeira, o FIES oferecerá 100 mil vagas por ano, com juros zero para estudantes com renda familiar mensal per capita de até três salários mínimos. Já na segunda e terceira modalidades, o Fundo oferecerá outras 210 mil vagas para estudantes com renda familiar per capita de até cinco salários mínimos, a juros baixos, tendo como fonte de recursos os fundos constitucionais do Centro-Oeste, Nordeste e do Norte e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Com as mudanças, que incluem ainda novos sistemas para a seleção dos candidatos, o governo espera economizar mais de R$ 300 milhões ao ano.

Além de ampliar a faixa de estudantes beneficiados de 1,5 salário mínimo para até cinco salários mínimos, o novo modelo deve garantir a continuidade e a sustentabilidade do programa, fundamental para o desenvolvimento nacional, já que transfere parte dos riscos envolvidos na concessão do crédito para os bancos e torna mais acessíveis as informações sobre o custo total do curso e as formas de pagamento, como em um financiamento comum.

Ficou de fora da reforma, no entanto, propostas que trouxessem mais poder aos estudantes e reforçassem a responsabilidade do setor privado na inclusão de mais alunos no ensino superior. Hoje, os estudantes que são aprovados para o financiamento pelo FIES são, na maioria das vezes, obrigados a pagar o preço cheio da mensalidade e contraem uma dívida bem maior do que poderiam, caso pudessem negociar o valor de sua mensalidade.

Os contratos do Fies atrelam instituição e aluno desde a sua aprovação e, por isso, não permitem uma negociação de preço com a instituição de ensino ou o pedido de bolsa parcial. O sistema atual também não estimula as instituições privadas a assumirem um papel mais atuante na inclusão dos grupos mais desfavorecidos no ensino superior, algo fundamental para que o País avance mais rapidamente nesse campo.  Na minha visão, o FIES deveria ser concedido na forma de uma carta de crédito ao aluno, com "portabilidade" entre as instituições habilitadas no programa. Assim as leis da competição e o livre mercado assegurariam a estes alunos um amplo poder de negociação, superior inclusive à dos alunos que pagam o curso à vista, dado que alunos do FIES possuem taxas de evasão e inadimplência bem mais baixas que os demais.

Oferecer bolsa de estudo e financiar estudantes por meios próprios é uma prática recorrente e histórica dentro das maiores universidades do mundo. Em Harvard, Yale, Cambridge, Oxford e em centenas de outras instituições existem alunos que pagam integralmente o custo do ensino enquanto mais da metade dos alunos obtém bolsas parciais ou integrais. O financiamento estudantil é um complemento, sendo sempre aplicado em cima do valor líquido do curso, após a dedução das bolsas com as quais o aluno foi consagrado.

Diante das limitações orçamentárias para o FIES e para a expansão da rede pública de ensino, o setor privado deve ser estimulado a criar soluções que ampliem a inclusão. Hoje, apenas 16% dos brasileiros com idades entre 25 e 34 anos têm nível superior e mais de 16,5 milhões de estudantes estão prontos para ingressar na faculdade.

Já existem modelos de negócios que usam a tecnologia para beneficiar estudantes que não foram atendidos por universidades públicas e programas oficiais como Fies e Prouni. Há, por exemplo, sites de busca que reúnem ofertas de bolsas de estudos e que já ajudaram milhares de estudantes a ingressar em cursos superiores, mas é possível fazer mais.

É preciso lutar em todas as frentes: maior acesso ao nível superior, combate a evasão, e melhora da qualidade do ensino. Só assim promoveremos mudanças profundas em nossa sociedade e construiremos um futuro melhor para o Brasil.

*Bernardo de Pádua é formado em Engenharia da Computação pelo ITA e CEO da Quero Educação

COMPARTILHE:


Confira também:

Crônica
O TEMPO

Exonerações Suspensas

Justiça atende DPE e MPE e suspende ato do governo que exonerou profissionais da saúde

Efeitos do ato declaratório nº 01/2019 estão suspensos. Defensoria Pública e MPE expuseram na ação civil pública que o Ato ainda gera graves consequências na desassistência da saúde pública.

Mulheres Presas

Neste ano, nove mulheres foram presas por tentar entrar com ilícitos em unidades penais do Estado

Após, a mulher confessou as agentes que carregava um celular na genitália e foi conduzida para a Unidade de Pronto Atendimento Norte, em Palmas, para retirada do aparelho.



Contratos Temporários

Prefeitura de Palmas abre edital para contratação de 34 servidores temporários

O processo seletivo simplificado será composto por três etapas de caráter eliminatório e classificatório, sendo análise curricular, comprovação de experiência profissional, avaliação de títulos e entrevista.


Ponte de Porto

Defensoria e OAB vão integrar comissão que trata sobre interdição da ponte de Porto Nacional

Audiência, realizada na sexta-feira, 15, debateu os principais impactos gerados com a interdição


Ocorrência

Polícia Civil apreende 30 kg de maconha e prende traficante no Sul do Estado

As investigações da Polícia Civil constataram que Hailton trazia, do Estado de Goiás, grandes quantidades de entorpecentes para Gurupi e região, e que, nessa madrugada, outra remessa chegaria ao Tocantins.


Meio Ambiente

Municípios têm apenas 30 dias para protocolar processo do ICMS Ecológico no Naturatins


Diálogo

Secretários apresentam plano de reestruturação à instituições dos diferentes poderes do Estado


Itelvino Pisoni

Sistema Fecomércio Tocantins realiza visita a Prefeita Cinthia Ribeiro


Tocantins

Dispara número de casos prováveis de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti


HGP

Defensoria emite recomendação para Sesau por desassistência na oferta de cirurgias cardiológicas em Palmas


Adapec

Produtor rural pode emitir Guia de Trânsito Animal de qualquer localidade



  Blogs & Colunas


TiViNaLili

Lili Bezerra


Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira