Monday, 15 de October de 2018

OPINIÃO


Saúde

Pacientes com Mieloma Múltiplo ganham nova opção de tratamento, após oito anos de espera

07 Feb 2018    17:43

Procurar e ter acesso ao tratamento de câncer no Brasil pode se tornar uma missão desgastante. Às vezes, pacientes e familiares só conseguem obter medicamentos ao importá-los com seus próprios recursos. Em outras situações, imperam os processos judiciais, meios legais encontrados para garantir o acesso aos próprios direitos.

A exemplo do mieloma múltiplo (MM), a luta do paciente para receber os mais modernos tratamentos é árdua e antiga¹. A doença não é só subestimada como subtratada no país. Para começar, não existem números oficiais de casos desse tipo de câncer. Estima-se, por enquanto, de 5 a 7 casos a cada 100 mil habitantes. Mas há outro agravante na história: apesar da maioria dos casos de MM ocorrerem a partir da terceira idade, a patologia vem sendo diagnosticada em pacientes cada vez mais jovens, antes mesmo dos 40 anos.

Enquanto nos Estados Unidos 35% dos pacientes são diagnosticados por meio de exames de rotina – antes mesmo de a doença apresentar sintomas, no Brasil, 85% dos casos de mieloma múltiplo costumam ser identificados em estágio três, quando as manifestações são bem explícitas, como as fortes dores lombares e torácicas². Ou seja, é um momento em que a qualidade de vida já foi bem comprometida.

Entre os sintomas da enfermidade que acomete a medula óssea estão: dores ósseas, aumento da possibilidade de fraturas, danos aos nervos, infecções e danos renais.

Eu defendo e acredito que a difusão de informações da patologia deve ser intensificada e constante. Além de alertar os pacientes, esse conteúdo precisa estar acessível aos médicos e demais profissionais da saúde.

Contribuímos ativamente para isso com o nosso trabalho na International Myeloma Foundation Latin América, que não só propaga dados sobre a doença, como oferece apoio aos pacientes e seus familiares.

Em 2004, quando entrei nessa luta após a morte da minha mãe, diagnosticada com o mieloma múltiplo, esse cenário era ainda mais complicado. Gradativamente a situação foi mudando.

Para identificar o MM, um dos principais testes é a eletroforese de proteínas, exame de sangue que mede a quantidade total de imunoglobulina, alterada em pessoas com o tumor. E a boa notícia: é possível fazê-lo no SUS.

Um dos impasses nessa história, porém, consiste nas dificuldades de acesso ao tratamento. A não disponibilidade de algumas medicações sempre restringiu as opções terapêuticas no Brasil – um atraso de quase uma década em relação a outros países.

Felizmente, começamos o ano com uma boa novidade. A droga lenalidomida, já presente em 70 países, finalmente foi aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Com isso, esperamos que o remédio passe a ser comercializado ainda neste primeiro semestre, após mais de oito anos de muita batalha (e espera).

Usada recorrentemente nos Estados Unidos e na Europa, a substância representa um avanço na classe de medicamentos imunomoduladores, justamente por ser mais potente e apresentar menos efeitos colaterais. A lenalidomida é um recurso importante em casos de recidiva (retorno) da doença.

Sua disponibilidade no Brasil representará um marco na história. Agora, mais do que nunca, o paciente terá uma nova opção de tratamento e mais chances de decidir por melhor qualidade de vida após o diagnóstico. Sem contar que o medicamento aumenta as taxas de resposta ao tratamento e desacelera a progressão do mieloma múltiplo.

Tenho certeza de que vivemos um momento mais do que propício para o paciente decidir o seu tratamento juntamente com o médico. Com mais recursos, fica mais fácil analisar e decidir qual a forma de administração mais indicada do medicamento, quais as melhores combinações e por aí vai. Além de levar em conta, de forma mais particular, os efeitos colaterais dessas drogas. Devemos comemorar – mas continuar batalhando.


*Christine Jerez Telles Battistini, fundadora da IMF Latin América (fundação sem fins lucrativos), filha de uma portadora de mieloma múltiplo, que travou durante anos a dura batalha contra a doença.


Referências

1. Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular. Disponível em: http://www.abhh.org.br/noticia/avancos-no-tratamento-do-mieloma-multiplo-continuam/. Acesso em dezembro de 2017.
2. Internacional Myeloma Foundation Latin América. Disponível em: http://www.myeloma.org.br/. Acesso em dezembro de 2017.

COMPARTILHE:

O que você achou da notícia?

60

PARABÉNS!
PARABÉNS!

52

BOM
BOM

52

AMEI!
AMEI!

56

KKKK
KKKK

44

ENGRAÇADO
ENGRAÇADO

43

Ñ GOSTEI
Ñ GOSTEI

78

CREDO!
CREDO!

Leia por assunto:

Opinião Saúde Mieloma Múltiplo

Comentários

comments powered by Disqus


Confira também:


Futebol

Vitoria por 2 a 0 marca início da jornada do Capital FC na segundona 2018

A equipe comandada pelo treinador Wilsomar Sena precisou de um minuto para abrir o placar.

Eleições 2018

Jair Bolsonaro anuncia plano de privatização e prega união do país

Viagens ao Nordeste, única região do país onde não liderou a votação do primeiro turno, ainda não estão fechadas.



Educação

Última semana de inscrições para o Vestibular 2019/1 da Unitins

As provas (objetiva e de redação) acontecem no dia 2 de dezembro de 2018.


Destaque

Pesquisador da USP vence prêmio alemão Green Talents 2018

No total, 17 brasileiros venceram a competição desde o lançamento da iniciativa pelo governo alemão, em 2009.


Interior

Nossa Energia: cadastro da Tarifa Social chega a Palmeirante

Além de obter desconto na conta de luz, clientes da Energisa terão palestras educativas sobre o uso seguro e eficiente de energia


Eleições 2018

Haddad busca o centro e prega estabilidade democrática no 2º turno


Ponto de vista

Criança e professor - uma construção para o futuro


Eleições 2018

Twitter teve 2,7 milhões de postagens sobre divergências políticas


Eleições 2018

Alto Comissariado da ONU condena violência durante eleições no Brasil


Palmas

Anderson Camacho lança o livro "Um Dia de Cada Vez"


Campanha

Bolsonaro defende união e anuncia nomes para eventual ministério



  Blogs & Colunas


TiViNaLili

Lili Bezerra


Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira