Monday, 10 de December de 2018

OPINIÃO


Ciência e Tecnologia

Pró-reitor de pesquisa

05 May 2017

Todo pró-reitor de pesquisa é um executivo de produção. Como consequência, sua responsabilidade é pela geração dos produtos de pesquisa que o ambiente necessita e que, por ser uma atividade-fim, deverá ter como retorno os recursos de que sua organização precisa para dar continuidade ao sistema de produção. Embora o pró-reitor de pesquisa, assim como todo pró-reitor, seja o responsável institucional pelo sistema de produção, sua função não é propriamente fazer a produção, mas proporcionar todo o apoio de que os diversos subsistemas (campi) necessitam, especialmente como provedor de recursos. Como provém os recursos, ao pró-reitor compete, também, acompanhar a produção simultânea da produção para que possa prestar contas com o ambiente externo. Este artigo tem como objetivo explicar a função do pró-reitor de pesquisa nas organizações de ciência e tecnologia.

Muita gente que assume as pró-reitorias chega lá imaginando que sua função é mandar nos outros que estão abaixo na hierarquia da organização (e na sua cabeça só o reitor e seus colegas pró-reitores não estão) ou cumprir as exigências burocráticas da posição. Como não têm os conhecimentos gerenciais, não vê sua posição como desempenhando funções específicas na grande engrenagem que é o sistema organizacional e, mais especificamente, no sistema de produção de pesquisa. A primeira coisa que o pró-reitor de pesquisa recém-empossado precisa conhecer é a produção do seu sistema de produção. A pergunta que precisa ser respondida é "O que produzimos em pesquisa?" e, imediatamente, deve vir à cabeça do executivo a questão "Quanto produzimos de cada produto?". Só depois de conhecidas essas respostas ele deve se colocar a pergunta-desafio "Quanto devo produzir em determinado horizonte de tempo?".

Vejamos o caso de um diretor de pesquisa de um campus, posição similar ao de um pró-reitor de pesquisa. Assim que assumiu a direção, o experiente pesquisador fez a primeira pergunta e teve como resposta "32 relatórios de pesquisas anuais, que se transformam 41 artigos científicos produzidos e que dão lugar a 18 publicações em revistas qualificadas B1 e superior, no campo da produção científica; e 64 relatórios de invenção, que geram 115 pedidos de registros de patentes, mas que apenas 23 são efetivamente registradas, no Campo da inovação".

A resposta que teve já contemplou as perguntas de que precisava para orientar seu plano de ação. Vejamos. O que seu campus produzia? Pesquisa científica e pesquisa de inovação. Quanto era produzido? 32 relatórios de pesquisa, 41 artigos científicos e 18 publicações no primeiro sistema de produção; 64 relatórios de invenção, 115 pedidos de registros de patentes e 23 patentes registradas. Notem: pró-reitorias e todos os tipos de gestão lidam com produtos e todo produto produzido precisa ser contado. Essas contagens dizem ao executivo o quanto a organização produziu e que depois vai ser comparada com o quanto ela é capaz de produzir. É dessa comparação que vem (e deve vir) o plano de ação do executivo que tomou posse.

No caso dos pró-reitores, não são eles propriamente e suas equipes que fazem a produção. Sua responsabilidade é para com a produção sistêmica, global. Por essa razão, precisam que seus "subordinados sistemicamente" falem a mesma língua (o que produzem e quanto produzem em determinado período de tempo) para que forneçam as informações em mesmo formato para que possam ser globalizadas, sistematizadas. Com base nessas informações sistêmicas o pró-reitor é capaz de comparar o quanto foi produzido e quanto deve ser produzido para dar conta da demanda do ambiente externo.

Essas são questões de gerenciamento interno. Mas essas obrigações só têm sentido se, primeiro, a organização tiver um plano estratégico sério e, segundo, que a pró-reitoria de pesquisa (e todas as demais) tiverem seu plano estratégico. A razão disso é que o plano estratégico diz exatamente o que a pró-reitoria de pesquisa deve fazer para que, em determinado horizonte do tempo, a visão de futuro organizacional e da pró-reitoria possam ser materializadas. O alcance desses macroobjetivos permitirá que o futuro desejado possa ser construído. O desenho do futuro é conhecimento e habilidade que o pró-reitor de pesquisa precisa ter para que possa desempenhar com adequação suas funções cotidianas, ou seja, fazer a cada dia um pedacinho do futuro desejado.

Para que o futuro desejado possa ser desenhado e calculado, o pró-reitor de pesquisa e sua equipe precisam saber lidar com cenários e tendências. Técnicas diagnósticas e prognósticas precisam ser de suas intimidades, tão íntimas quanto devem ser os conhecimentos e habilidades em produzir conhecimentos de suas áreas de formação. Noutras palavras, fazer e desfazer cenários e seus desdobramentos em ações operacionais devem ser tão habituais quanto elaborar um projeto de pesquisa sobre nanopartículas ou sobre os fatores sociais que determinaram a eclosão da Revolução Francesa, para os cientistas dessas áreas.

Todo pró-reitor de pesquisa e sua equipe são como o setor de metais em uma orquestra sinfônica. Devem desempenhar papéis específicos, diferentes das demais equipes, mas em conformidade com o grande plano conduzido e monitorado pelo executivo maior, o reitor, que faz o papel de maestro organizacional. Para que o pró-reitor e sua equipe possa executar a canção organizacional, precisam dominar as técnicas e procedimentos gerenciais que lhes evitem ao máximo possível a dissonância a que toda nota estranha é capaz de causar. No caso das organizações de ciência e tecnologia, a dissonância provoca a ineficiência. Se a dissonância permanecer por longo tempo, a falência organizacional é mais do que natural.

*Daniel Nascimento-e-Silva, PhD
Professor e Pesquisador do Instituto Federal do Amazonas (IFAM)

COMPARTILHE:

O que você achou da notícia?

22

PARABÉNS!
PARABÉNS!

22

BOM
BOM

27

AMEI!
AMEI!

28

KKKK
KKKK

19

ENGRAÇADO
ENGRAÇADO

16

Ñ GOSTEI
Ñ GOSTEI

18

CREDO!
CREDO!

Comentários

comments powered by Disqus


Confira também:

Liberdade de Imprensa
FENAJ emite nota oficial

Rio dos Bois

Vice-governador Wanderlei Barbosa participa de solenidade de entrega de obras no interior do Tocantins

Durante a cerimônia, foi inaugurado no Setor Ayrton Senna, uma Feira Coberta, urbanização e área de lazer, quadra de futebol e vôlei de areia, bueiro duplo na Fazenda Britânia, mata-burros e entrega de veículos.

Educação

MEC libera R$ 5,7 milhões para instituições federais vinculadas no estado do Tocantins

Com o repasse desta semana, o MEC mantém em 100% a liberação de recursos financeiros das despesas liquidadas de obras, equipamentos, serviços e outras despesas de funcionamento.


Reconhecimento

Projetos de promotores que ajudaram a transformar a realidade social são premiados pelo MPE

O Procurador-Geral de Justiça, José Omar de Almeida Júnior, destacou que os projetos premiados não demandaram recursos adicionais da instituição


Tocantins

Atendimentos em saúde nas próprias unidades penais geram vantagens para os municípios e para o Sispen

O diretor de Políticas e Projetos de Educação para o Sistema Prisional, Oseias Costa Rego, considera que esse tipo de parceria com os municípios é de suma importância.


Imbróglio

Acionistas da Agência de Fomento ajuízam ação e impedimento do presidente e de diretor da Agência


Serviço

Semana Estadual de Direitos Humanos será realizada de Norte a Sul do Tocantins


Solidariedade

Campanha de Natal da Seduc promove solidariedade e integração dos servidores


AEM-TO

Metrologia Estadual verifica radares na região norte do Tocantins


Anulação de Exonerações

MPE ajuíza ação para anular exonerações de delegados regionais e de servidoras da delegacia de combate à corrupção


Tocantins

Repasse adicional de 1% do FPM entra nos cofres das prefeituras nesta sexta-feira, 07; ATM estima R$ 60 milhões distribuídos aos Municípios



  Blogs & Colunas


TiViNaLili

Lili Bezerra


Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira