Tuesday, 01 de December de 2020

POLÍTICA


Eleições 2018

Brasil - Dois candidatos preferidos são também os que batem recorde de rejeição

07 Oct 2018
Brasil - Dois candidatos preferidos são também os que batem recorde de rejeição

Candidato esfaqueado, candidato preso substituído por outro na última hora – e  ambos líderes da disputa.  A campanha presidencial de 2018 chega ao fim inscrevendo esses e outros fatos inéditos na crônica da história recente.

Termina também abalando o prestígio do tradicional marketing político, batido pelas mensagens virais dos aplicativos - boa parte delas constituída pelo mais puro fake news.

Hoje nas urnas deverá se evidenciar ainda, conforme mostraram todas as pesquisas, que a polarização do eleitorado brasileiro, fortalecida no pleito de 2014 e no impeachment de 2016, tornou-se mais profunda e extensa.

Pela primeira vez, o principal embate alonga-se do campo da centro-esquerda – no qual PSDB e PT medem forças desde a década de 1990 – e chega à extrema-direita.

É nesse polo que se posiciona o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, primeiro colocado nas pesquisas. Em sua trajetória de 25 anos como deputado, Bolsonaro esforçou-se, ao privilegiar temas caros à agenda ultraconservadora, para ser o oponente preferencial da “ideologia esquerdista”.

Nessa condição, rivaliza-se hoje com Fernando Haddad, o amigo escolhido por Lula para substituí-lo e encabeçar a chapa do PT. Aqui verifica-se mais uma situação inusitada: os dois candidatos preferidos são também os que batem recorde de rejeição. 

A estratégia de Bolsonaro de se apresentar como estrela maior contra “tudo que está aí” foi facilitada pelo fato de o candidato não ter sido arrastado pela tsunami da Lava Jato - que tragou quadros do PT, PMDB, PSDB e também colegas do centrão do deputado do PSL.

Propaganda eleitoral

A eleição presidencial deste ano também soterra a crença de que um candidato já teria maiores chances de se eleger se tivesse tempo razoável de propaganda na TV e no rádio para apresentar um programa bem produzido e com mensagens eficazes.

Geraldo Alckmin (PSDB), que teve três vezes mais tempo de propaganda do que o PT, o segundo colocado, é o maior exemplo de que o horário eleitoral contou pouco. Alckmin saiu da campanha praticamente do mesmo tamanho que entrou.

Henrique Meirelles (PMDB), que gastou R$ 25 milhões do próprio bolso só com a produção de programas, também não decolou. Bolsonaro, entretanto, com míseros oito segundos, cresceu dia a dia nas pesquisas de intenção de voto.

Na campanha presidencial de 2018, as transmissões ao vivo na internet e as correntes de WhatsApp chegaram ao auge - algo que se desenhou em 2014. As redes sociais – e as notícias falsas que se propagam por elas - se consolidaram como meios de persuasão política.

Democracia

Saturados com o desemprego, violência e corrupção – temas sempre citados entre os cinco principais problemas do país -, os brasileiros chegam à sétima eleição direta para presidente apoiando fortemente a democracia.

Segundo pesquisa Datafolha, feita às vésperas do pleito, para 69% dos eleitores, a democracia é sempre a melhor forma de governo. Este foi, segundo o instituto, o índice mais alto registrado desde 1989, quando se realizou a primeira eleição direta logo após a promulgação da Constituição, que completou agora 30 anos. Em 1989, o índice era de 43%.

Um exemplo de que a democracia está mais viva do que nunca foi outro fato inédito ocorrido nesta campanha: pela primeira vez, um movimento de mulheres se organizou e levou milhares às ruas contra um presidenciável - no caso, Jair Bolsonaro.

Outra novidade que certamente marcará 2018 é a estoica campanha do nanico Cabo Daciolo (Patriota). “Não fiquei nas redes, não visitei comunidade alguma; só visitei os montes”, resumiu o candidato cujo lema mais repetido foi “Glória a Deus!”. - Agencia Brasil

COMPARTILHE:


Confira também:


Helvécio Maia

Governador em exercício assina decretos para criação do Comitê da primeira infância e inclusão de nome social de pessoas trans em órgãos da administração pública

Solenidade também contou com a entrega de armamentos, munições e uma nova viatura para o sistema prisional

Covid-19

Tocantins contabilizou 350 novos casos confirmados da Covid-19

Atualmente, o Tocantins contabiliza 259.124 pessoas notificadas com a Covid-19 e acumula 81.972 casos confirmados. Destes, 74.109 pacientes estão recuperados, 6.696 pacientes seguem em isolamento domiciliar ou hospitalar e 1.167 pacientes foram a óbito.



Aleto

Eduardo do Dertins participa de solenidade de entrega de equipamentos de segurança

Além do presidente da AL, participaram do evento os deputados Jair Farias (MDB), Olyntho Neto (PSDB), Cláudia Lelis (PV) e Valderez Castelo Branco (PP).


Serviço

IBGE/TO faz apelo para que empresas e escritórios de contabilidade respondam pesquisas econômicas

O IBGE ressalta que o levantamento é importante para retratar a realidade do segmento empresarial, industrial, construção civil, comércio e serviços e, dessa forma, embasar o planejamento econômico, as políticas públicas e os investimentos no estado.


Band

Erick Jacquin presta homenagem à mandioca no oitavo episódio do “Minha Receita”

Minha Receita vai ao ar toda quinta-feira, às 22h45, para todo o Brasil.


Revitalização

Avenida JK ganha espaço verde de convivência


Educação

Unitins oferta 534 vagas para o semestre 2021/1 em edital de transferência externa


Interior

Prefeitura de Miracema do Tocantins divulga resultado dos Editais da Lei Aldir Blanc


Meio Ambiente

Governo do Estado inicia o plantio de mudas no Parque Estadual do Lajeado em parceria com a ONG 8 Billion Trees


Campo

Com articulação do Ruraltins, produtores quitam passivo financeiro com Banco da Amazônia e garantem acesso à nova linha de crédito


Região central

Polícia Civil desarticula ponto de venda de drogas e prende dois suspeitos por tráfico em Miracema



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira