Palmas, 23/01/2018

Política

Audiência

Câmara de Palmas realiza audiência para discutir projeto municipal “E Agora?”

  • Foi realizada na tarde desta quinta-feira, 23, reunião para esclarecimentos acerca da palestra sobre sexualidade realizada no dia 14 de novembro na Escola Municipal de Tempo Integral Anísio Teixeira, localizada no Setor Bertaville

Cleober Taquara

Câmara de Palmas realiza audiência para discutir projeto municipal “E Agora?”



Foi realizada na tarde desta quinta-feira, 23, reunião para esclarecimentos acerca da palestra sobre sexualidade realizada no dia 14 de novembro na Escola Municipal de Tempo Integral Anísio Teixeira, localizada no Setor Bertaville, região Sul de Palmas.

O legislativo palmense abriu as portas para a discussão do caso que gerou polêmica no município, dando oportunidade aos pais, poder público municipal e entidades representativas de se manifestarem sobre o assunto. A reunião foi realizada no âmbito da Comissão de Constituição, Justiça e Redação em atendimento ao requerimento proposto pelo vereador Lucio Campelo.  

Na ocasião, o presidente da Fundação Municipal da Juventude de Palmas, Nahylton Alen apresentou o projeto "E Agora? Sexo, Drogas e Tecnologia", destacou o seu funcionamento e pontuou resultados positivos com as edições realizadas. "A intenção é descobrir casos como de uma jovem que sofria abusos desde os 9 anos, hoje com 12 anos está na Casa Abrigo e foi identificada através do projeto. O projeto é importante, afastamos a sexóloga até que tudo seja apurado. Não podemos acabar com o projeto já que há resultados muito positivos", reforçou.

A secretária executiva da Secretaria Municipal de Educação, Germana Pires também ressaltou dados obtidos por meio do programa, como a identificação de 28 casos de automutilação em escolas municipais, que têm sido acompanhados pela Educação.

O vereador Lúcio Campelo informou que solicitou a realização da reunião para que a sociedade de Palmas tomasse o devido conhecimento do fato ocorrido, com os devidos esclarecimentos do poder público.

Os parlamentares defenderam a necessidade de reformulação do projeto para que ele seja continuado. O vereador Tiago Andrino ressaltou que o município de Palmas foi o primeiro a regulamentar que questão de gênero não seja debatido nas escolas da rede municipal e defendeu o projeto com adequações a cada faixa etária.

O vereador Filipe Fernandes reforçou a importância de instalação de câmeras para monitoramento nas escolas municipais e ainda afirmou, "é preciso corrigir os erros e dar continuidade ao projeto".

A abertura dada pelo legislativo ao tema foi destacado pelo pai de aluna da escola, Cesar Cruz. "É importante a Câmara abrir o espaço para a população, para podermos discutir o que aconteceu. Não quero achar culpados, quero que os pais sejam comunicados antes de palestras como essas", acrescentou.

"E Agora?"

O projeto é voltado ao público infanto-juvenil e trata temas considerados "tabus" entre os pré-adolescentes. São palestras, em que especialistas nas áreas de drogas, tecnologia e sexualidade conduzem uma conversa com a linguagem dos adolescentes e jovens e tiram dúvidas sobre os assuntos pertinentes ao cotidiano dos estudantes. O projeto foi iniciado em 2015.


Comentários

comments powered by Disqus