Monday, 17 de February de 2020

POLÍTICA


Senado

Com voto de Kátia Abreu, Senado reduz burocracia para produção e comercialização de queijo artesanal

26 Jun 2019
Jefferson Rudy/Agência Senado Com voto de Kátia Abreu, Senado reduz burocracia para produção e comercialização de queijo artesanal

O Senado aprovou nesta terça-feira (25) novas regras para a produção e a venda de queijos artesanais. O projeto, comemorado pela senadora Kátia Abreu (PDT-TO), reduz a burocracia que pequenos produtores enfrentam para oferecer o produto em todo o território nacional. A matéria segue para sanção da Presidência da República.
 
O texto considera artesanal o queijo elaborado a partir de métodos tradicionais e com leite da própria fazenda. O queijeiro artesanal deve preservar a cultura regional na elaboração do alimento, empregar técnicas tradicionais e observar um protocolo específico para cada tipo e variedade.
 
Kátia Abreu lembrou que o excesso de burocracia frequentemente impedia que queijos nacionais fossem comercializados de um estado para outro, enquanto os produtos artesanais franceses, por exemplo, são encontrados em todo o Brasil.
 
“Esse projeto é uma correção de rumos extraordinária e faz com que nós possamos desenvolver cada vez mais a técnica dos queijos artesanais, e quem sabe um dia concorrer também com os franceses na qualidade”, afirmou a senadora.
 
Qualidade
Pela proposta, o produtor é responsável pela identidade, qualidade e segurança sanitária do queijo e deve cumprir as exigências estabelecidas pelo Poder Público. O projeto não considera artesanal o queijo elaborado em indústrias de laticínios, mesmo que o Poder Público autorize o uso das expressões “artesanal” ou “tradicional” no rótulo do produto.
 
O projeto permite a produção de queijo a partir do leite cru, que não passa por processo de pasteurização ou esterilização. Mas, para comercializar a sua produção, a queijaria precisará ser certificada como livre de tuberculose e brucelose. Os produtores de queijo e leite usados como matéria-prima precisarão participar de programa de controle de mastite animal, implantar programa de boas práticas agropecuárias, controlar a qualidade da água usada na ordenha e rastrear os produtos.

COMPARTILHE:


Confira também:

Futuro político
E agora, José?

Serviço

Procon Tocantins orienta: “Vai curtir o carnaval? Com o direito do consumidor não se brinca”

O órgão de Proteção e Defesa aos Direitos do Consumidor ressalta que o folião deve ficar atento na hora de comprar adereços, fantasias, ingressos e também na hora de viajar.


  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira