Thursday, 26 de April de 2018

Thursday, 26 de April de 2018

POLÍTICA


Saúde

Josi comemora a aprovação do projeto que define atribuições de agentes comunitários de saúde

13 Dec 2017

Foi aprovado durante a sessão extraordinária desta terça-feira, 12, o Projeto de Lei 6437/16 que regulamenta as atribuições dos agentes comunitários de saúde e de combate às endemias. A matéria, relatada pela deputada federal Josi Nunes (PMDB/TO),  será enviada à sanção presidencial.

De autoria do deputado Raimundo Gomes de Matos (PSDB-CE), a proposta visa ampliar o grau de formação profissional e estabelecer as condições e tecnologias necessárias para a implantação dos cursos de aprimoramento da categoria.

Em maio deste ano, a matéria foi aprovada pela comissão temporária da Câmara criada para analisar a proposta. Na ocasião, o texto aprovado foi o substitutivo do deputado Valtenir Pereira (PMDB-MT) que flexibilizou a proposta original. Embora tenha sido aprovado pela Câmara, o projeto sofreu alterações no Senado e retornou à casa de leis sob a relatoria da deputada tocantinense.

No texto final, foram aprovadas oito emendas do Senado ao Projeto de Lei 6437/16, seis emendas foram aprovadas integralmente e outras duas parcialmente, segundo parecer da peemedebista.

A principal mudança das emendas em relação ao texto da Câmara aprovado em maio deste ano foi a permissão de remanejamento do agente de uma área de atuação para outra se ele adquirir residência fora do bairro onde atua em equipe multidisciplinar de atenção básica à saúde.

Foi incluída ainda, uma nova atribuição que será a de verificação antropométrica (peso, altura, circunferências de cintura e de quadril) usada para o diagnóstico do estado nutricional (desnutrição, excesso de peso e obesidade) com o objetivo de avaliar os riscos para algumas doenças, como diabetes mellitus, doenças do coração e hipertensão.

Um item proposto pelo Senado e rejeitado pela Câmara previa também a realização de curativos.

Comemorando a aprovação do Projeto, a deputada Josi Nunes ressaltou sua satisfação em poder colaborar com esta proposta que contribui com a valorização da categoria. "Nós fizemos um trabalho na relatoria em que houve um consenso após a apresentação de emendas, mas teve um item que é fundamental, que é manter a insalubridade dos agentes comunitários de saúde e de endemias. É uma satisfação muito grande poder ter colaborado na discussão, avaliação e aprovação desta matéria", destacou a parlamentar.

A parlamentar parabenizou a todos os agentes comunitários do país reforçando o trabalho daqueles que estiveram à frente da mobilização. "Quero aqui parabenizar todos os agentes de combates a endemias e todos os agentes de comunitário de saúde. Quero aqui, deixar registrado o trabalho de Ruth Brilhante na defesa desta categoria e também, o trabalho de duas mulheres que vem a frente desta categoria que é Ilda Angélica Corrêa, a atual presidente  e a Elane Alves de Almeida que é  assessora jurídica da Confederação Nacional dos Agentes Comunitários de Saúde (Conacs). Vocês estão de parabéns porque conseguiram fazer um trabalho equilibrado, organizado e uma grande mobilização", completou.

Entenda as alterações:

Indenização

Quanto à indenização de transporte ao agente, o texto foi alterado para retirar a referência a meio próprio de transporte, permanecendo o direito a receber por despesas com locomoção na forma de um regulamento.

Quanto à carga horária, foi rejeitada a possibilidade de ela ser maior em caso de campanha ou de mutirão para combate à transmissão de doenças infecciosas e combate a surtos epidêmicos.

Já a carga horária de um mínimo de 200 horas dos cursos bienais de educação continuada e aperfeiçoamento foi retirada do texto por uma das emendas aprovadas.

Fatores ambientais

Por outro lado, as emendas aprovadas preveem duas novas situações nas quais os agentes poderão atuar. Uma delas é na identificação e no encaminhamento, para a unidade de saúde de referência, de situações que, relacionadas a fatores ambientais, interfiram no desenvolvimento de doenças ou tenham importância epidemiológica.

Os profissionais também poderão atuar na realização de campanhas ou de mutirões para o combate à transmissão de doenças infecciosas e a outros agravos, mas sem contar como hora extra.

Atividade privativa

Os ajustes propostos pelos senadores retiraram ainda o caráter privativo da atuação desses agentes no modelo de assistência multiprofissional em saúde da família, que passará a ser de natureza "precípua", envolvendo a realização de visitas domiciliares rotineiras, casa a casa, para a busca de pessoas com sinais ou sintomas de doenças agudas ou crônicas ou de eventos de importância para a saúde pública.

Ensino médio

Permaneceram no texto as regras sobre grau de escolaridade para aqueles que já exercem a atividade no momento de publicação da futura lei, que passará a exigir o ensino médio.

De acordo com o projeto, os profissionais que já atuam como agentes comunitários e que não tenham concluído o nível médio poderão permanecer na atividade.

Mas nas futuras contratações, em localidades onde não haja candidatos suficientes com ensino médio para o preenchimento das vagas, poderão ser aceitos candidatos com ensino fundamental, contanto que concluam o ensino médio em três anos.

Curso técnico

Para o exercício da atividade de agente comunitário, o projeto de lei exige, além do ensino médio, curso de formação inicial de 40 horas.

Jornada de trabalho

Continua a mesma definição de jornada de trabalho aprovada pela Câmara em maio deste ano, de 40 horas, das quais 30 horas semanais para as atividades externas de visita domiciliar e outras ações de campo e 10 horas semanais para atividades de planejamento e avaliação das ações, entre outras.

Área de atuação

Hoje, a Lei 11.350/06 determina que o agente comunitário de saúde resida na área da comunidade em que atua. Entretanto, o novo texto permite ao agente morar em local diverso quando houver risco à integridade física dele ou de membro de sua família em decorrência de ameaça por parte de pessoas da comunidade em que atue.

Contratação temporária

Embora a Lei 11.350/06 seja clara quanto à obrigatoriedade de vínculo direto entre os agentes comunitários de saúde e de combate às endemias e os entes da Federação, ainda há muita contratação temporária.

Para auxiliar na solução do problema, o substitutivo estabelece que a Defensoria Pública e o Ministério Público promoverão as medidas cabíveis para impedir a contratação temporária e assegurar a regularização do vínculo direto com o poder público. 

(Com informações da Agência Câmara) 

COMPARTILHE:

O que você achou da notícia?

4

PARABÉNS!
PARABÉNS!

3

BOM
BOM

7

AMEI!
AMEI!

5

KKKK
KKKK

6

ENGRAÇADO
ENGRAÇADO

1

Ñ GOSTEI
Ñ GOSTEI

4

CREDO!
CREDO!

Comentários

comments powered by Disqus


Confira também:


Administração Pública

Administração pública municipal é a mais complicada das três esferas, afirmam prefeitos

Burocracia, falta de recursos, fiscalização diária e pressão social são as principais queixas dos gestores municipais

Eleições Suplementares

TRE-TO inicia a distribuição das urnas eletrônicas para as Eleições Suplementares no Tocantins

Foi iniciada nesta segunda-feira (23/4) a distribuição das urnas eletrônicas para as Eleições Suplementares, para a escolha de governador e vice-governador do Tocantins



Pará

Tocantins participa de reunião sobre a mosca da carambola no Pará

O objetivo é discutir o contexto internacional da Defesa Sanitária Vegetal para prevenção e erradicação da praga, que é uma das espécies de moscas-das-frutas, que pode causar grandes prejuízos econômicos à fruticultura


Saúde

“Vou tomar gotinhas de vida”, diz João Gibertto, que iniciou o tratamento contra AME após ação da Defensoria

Um dia após o aniversário de três anos, João Gilbertto Rocha de Oliveira tomou, no último dia 16, a primeira dose do Nusinersen (Spinraza), medicamento necessário para o tratamento de Atrofia Muscular Espinhal (AME)


Kátia Abreu

Kátia Abreu fará relatório contrário ao projeto de transposição do Rio Tocantins

Após audiências públicas, relatora afirmou que não há justificativa técnica para a obra


PreviPalmas

Cresce cobrança por instauração da CPI do Previpalmas pelos vereadores de Palmas


Instituto MRV

Instituto MRV realiza treinamento com os vencedores da Terceira Chamada Pública de Projetos do Programa Educar para Transformar


Eleições 2018

Mauro Carlesse registra candidatura a governador com Wanderlei Barbosa de Vice


Guaraná Antarctica

Guaraná Antarctica mostra em nova campanha o que é capaz de fazer pela Seleção Brasileira


Saúde

Empenhados mais de R$ 1,7 milhão em emendas da saúde da deputada Dorinha


Meio Ambiente

Naturatins discute a redução de peixes nos rios tocantinenses e a construção de barragens



  Blogs & Colunas


TiViNaLili

Lili Bezerra


Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira