Friday, 21 de February de 2020

POLÍTICA


Política

Resolução do TSE sobre fidelidade partidária é confirmada pelo Supremo

13 Nov 2008

cargos eletivos por infidelidade partidária foi ratificada hoje pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Nove, dos onze ministros da Corte, votaram pela constitucionalidade da resolução, que foi contestada em Ação Direta de Inconstitucionalidade pela Procuradoria-Geral da República e pelo Partido Social Cristão (PSC).

Nessa resolução, o TSE definiu que o mandato político pertence ao partido e não ao candidato. Assim, passou a determinar que deputados federais, estaduais e vereadores que mudaram de partido depois de 27 de março de 2007, sem justificar o motivo, devolvam os mandatos para os partidos que os elegeram. A mesma regra vale para senadores que mudaram de partido depois de 16 de outubro do mesmo ano, caso também não tenham justificado o motivo.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Carlos Ayres Britto, afirmou que “a mudança de partido arbitrariamente pela só vontade do candidato eleito encontrou agora seu ponto terminal”. Para ele, o partido político não pode ser abandonado sem mais nem menos pelo candidato eleito.

“A urna tem voz, e essa voz há de ecoar pelo menos por quatro anos. Não cabe ao candidato eleito, com a tesoura da infidelidade, podar esse tempo”, afirmou o ministro.

COMPARTILHE:


Confira também:


Feriado de Carnaval

Governo decreta ponto facultativo nos dias 24, 25 e 26 de fevereiro

Os servidores do estado terão feriado prolongado

Estradas

Governo orienta condutores para uma viagem segura durante o feriado de Carnaval

Os motoristas precisam atentar de que a segurança no trânsito depende, além da boa trafegabilidade das estradas, da conduta prudente ao volante e do bom estado dos veículos.




  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira