Wednesday, 26 de September de 2018

Wednesday, 26 de September de 2018

VIVER


Leitura

Projeto Ponto de Leitura arrecada livros para acervo de unidades prisionais

16 Aug 2018    12:55
Divulgação Projeto Ponto de Leitura arrecada livros para acervo de unidades prisionais

Entre vários direitos fundamentais de cada cidadão, a educação é um instrumento assegurado por lei no alcance de novos objetivos e perspectivas de vida. Ler livros é uma ferramenta paralela no aperfeiçoamento das habilidades educacionais e também na remição da pena daqueles que estão privados de liberdade. Para isso, a Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), por meio da Diretoria de Políticas e Projetos de Educação para o Sistema Prisional, está arrecadando livros diversos para o projeto “Pontos de Leitura e Cultura nas Prisões”.

 

A sociedade pode participar deste projeto, diretamente, fazendo doações de livros. Ao todo, são 11 pontos de recolhimento de livros em Palmas. Segundo o diretor da área Valcelir Borges, o “Projeto Ponto de Leitura e Cultura nas Prisões” visa incentivar o hábito da leitura, promover a remição da pena e desenvolver práticas correlatas, como contação de histórias, teatro, sarau, concursos de produção de textos em várias modalidades, além de aulas de canto e dança, dentro das unidades prisionais do Tocantins.

 

As doações são por tempo indeterminado e podem ser feitas nos espaços de recolhimento instalados em Palmas, como a Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça, Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes, Ministério Público Estadual, Ordem dos Advogados do Brasil, Instituto Federal do Tocantins em Palmas, Igreja Universal (na Avenida Theotônio Segurado), Centro de Direitos Humanos de Palmas, Tribunal de Justiça do Tocantins, Federação Espírita em Palmas e Universidade Federal do Tocantins.

 

O Projeto

 

A oferta de leitura nas prisões vem mudando as perspectivas de vida de muitos internos, como é o caso da reeducanda K.S.B, de 26 anos. Anteriormente encarcerada na Unidade Prisional Feminina (UPF), em Palmas, K.S.B leu todo o acervo de livros do estabelecimento penal, estimado em mais de 100 livros. “A gente que está encarcerada precisa de alguma coisa para entreter nossa mente e a leitura de livros me proporcionou muitas coisas boas. Através da leitura eu consegui enxergar a vida de outra forma, melhorar minha autoestima, minha inteligência. Hoje, até a forma como falo com as pessoas mudou”, disse a interna, que progrediu de pena e hoje está na Unidade de Regime Semiaberto (Ursa) de Palmas.

 

Mais acervo

 

No começo deste mês, a Cadeia Pública de Xambioá e a Unidade Prisional Feminina de Babaçulândia receberem Kit de livros para o projeto, sendo que outras 12 unidades também serão beneficiadas nesta primeira fase. Os kits são compostos por acervos, alguns com 150 e outros com 50 livros, de acordo com o tamanho da unidade. Até o momento, 26 unidades prisionais do Estado já aderiram ao projeto “Ponto de Leitura e Cultura nas Prisões” e aguardam o aumento de seus acervos por meio de doações.

 

K.B.S conta que o projeto de remição pela leitura garante uma redução de pena para cada livro lido. “Desde o início de 2014 eu comecei a ler os livros, de todos os tipos, já perdi as contas de quantos li. Primeiramente, a gente tinha que ler um livro por mês, mas perguntei à professora se podia ler mais. Tiveram meses em que li mais de cinco livros”, conta.


COMPARTILHE:

O que você achou da notícia?

14

PARABÉNS!
PARABÉNS!

17

BOM
BOM

19

AMEI!
AMEI!

13

KKKK
KKKK

15

ENGRAÇADO
ENGRAÇADO

14

Ñ GOSTEI
Ñ GOSTEI

12

CREDO!
CREDO!

Leia por assunto:

detentos leitura tocantins

Comentários

comments powered by Disqus


Confira também:


Irregularidades

Vistoria realizada pelo MPE constata irregularidades em obra da Feira da 307 Norte

Outro problema detectado foi a falta de vigilância para evitar a ação de vândalos durante o período de obra.

Câncer de Pele

TOCANTINS registrou 1703 casos de câncer de pele

Já o câncer de pele do tipo não-melanoma é o de maior incidência na população, porém de mais baixa mortalidade. Comum em pessoas com mais de 40 anos, é raro em crianças e negros, com exceção daqueles já portadores de doenças cutâneas anteriores.




  Blogs & Colunas


TiViNaLili

Lili Bezerra


Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira