Thursday, 27 de June de 2019

CONCURSOS


Serviço

Com quase trinta mil perícias concluídas neste ano, peritos comemoram dia nacional

04 Dec 2018    20:09    alterado em 04/12 às 20:09

Durante o ano de 2018, os 14 núcleos de perícia oficial contabilizaram 9565 perícias em Palmas e quase 30 mil em 14 áreas diferentes no Tocantins. Os dados são do Sindicato de Peritos Oficiais do Tocantins (Sindiperito-TO) e demostram a quantidade de trabalho realizado pelos profissionais desta área no Estado.

Crimes contra a vida, Crimes de trânsito, Crimes contra o patrimônio, Meio ambiente, Computação forense, Documentos copia, Contabilidade forense, Engenharia legal, Avaliação/merceologia, Genética forense, Fonética Forense, Odontologia forense, Antropologia forense, Medicina legal e Avaliação de objetos são áreas de atuação dos profissionais da perícia no Tocantins, responsáveis pelos laudos técnicos em processos judiciais. Este documento é assinado pessoalmente pelo perito e passa a ser uma das provas que compõem o processo.

O Dia do Perito, comemorado neste 04 de dezembro, vem para lembrar que a categoria segue com várias reivindicações para a área no Tocantins. "Entre as demandas da perícia estão a garantia da autonomia do perito, do nosso trabalho e dos laudos que fazemos, sem interferência nenhuma externa, de nenhum órgão", pondera Silvio Jaca, vice-presidente do Sindiperito.

Os peritos, conhecidos como cientistas forenses, são os profissionais responsáveis por reconstituir a materialidade do delito, ou, em palavras mais simples, descobrir a verdade sobre como o crime aconteceu, orientando a investigação policial e o processo criminal. É a prova pericial que demonstrará, por exemplo, se o acusado por um determinado crime realmente o praticou ou não, ou se agiu em legítima defesa.

De acordo com Sílvio, a estruturação física com equipamentos avançados e de qualidade nos 13 núcleos espalhados pelo Estado e no núcleo da Capital é de fundamental importância para o trabalho dos peritos.
 
"A perícia precisa de equipamentos modernos e que estejam dentro dos parâmetros exigidos para os exames periciais, insumos para manter estes equipamentos funcionando, cursos para os peritos darem andamento a sua formação continuada. O profissional precisa elevar o nível de sua qualificação científica", pontua o vice-presidente do Sindicato.

De acordo com o superintendente da Polícia Científica da Polícia Civil do Tocantins, Zilmondes Ferreira, a atividade pericial é complexa e ao mesmo tempo de extrema importância para a persecução penal, especialmente na análise de vestígios que possam auxiliar no esclarecimento dos casos e na responsabilização do infrator, já que segundo Código do Processo Penal, mesmo em casos de confissão do réu, é necessária a perícia. Desta forma é possível comprovar a materialidade e a autoria de um delito, por meio de técnicas periciais e detalhamento de informações coletadas.

"A perícia presta um grande serviço à sociedade, porque não vai deixar condenar inocentes e nem absolver culpados. É uma profissão que deve ter seu devido valor assim como outros operadores na área do processo, ou seja, todos tem a sua importância, assim como o perito, o escrivão, o delegado. E posteriormente o Ministério Público e o juiz. O perito trabalha para carrear as provas e colocar à luz do juiz. Um processo criminal sem perícia fica muito difícil para o juiz decidir que pode até se equivocar sem as provas periciais em mãos. O papel do perito é de suma importância para se fazer justiça".
 
Para o perito oficial Joel Oliveira, que passou a integrar o quadro administrativo da perícia há pouco mais de um ano e meio, apesar de se considerar feliz com o trabalho, de acordo com ele, a categoria precisa de mais estrutura para os profissionais. Segundo Joel, hoje no Tocantins os peritos produzem muito com o pouco que tem disponível.

"O trabalho é bastante gratificante, porque o esforço que a gente aplica a gente vê o resultado dele. É exatamente como esperava que fosse. A importância do trabalho do perito é fundamental porque levamos para dentro do processo a materialidade do fato e indícios de autorias, e torna permanente os vestígios que foram produzidos na prática do delito. Nosso trabalho é auxiliar da Justiça. Nosso trabalho é imparcial, comprovamos a inocência ou a culpa, não apenas condenamos, mas ajudamos a trazer à tona a inocência de alguém que poderia ser culpado de um determinado delito", afirma.

Pensando no futuro, o presidente da entidade, José Rodrigues da Silva Filho acredita que a criação de uma Lei Orgânica da Polícia Científica para os peritos oficiais com corregedoria própria e maior autonomia são reivindicações a serem conquistadas. "No futuro buscamos também a autonomia financeira. Além da autonomia técnica, científica e funcional que nós já temos, queremos a autonomia orçamentária", diz.
 
Sindiperito
O fortalecimento do Sindicato também foi importante para várias conquistas da classe. Por meio da entidade é possível cobrar do governo melhorias para a categoria.
 
"Tivemos muitas melhoras estruturais, todas as ações relativas a progressões que Sindiperito impetrou para os filiados foram favoráveis. Conquistamos as progressões atrasadas dos peritos oficiais, criamos diálogo com o governo em relação à Lei Orgânica, barramos a Lei Orgânica arbitrária e estamos trabalhando na medida provisória de autonomia da Polícia Civil. Se isso acontecer, a perícia trabalhará também com mais autonomia. Queremos ser subordinados ao Secretário de Segurança Pública e não ao delegado-geral", esclarece o presidente.

Hoje o quadro de Peritos Oficias do Tocantins conta com 250 profissionais e o Sindiperito-TO tem 237 filiados. O Sindicato atua em todas as cidades tocantinenses oferecendo atendimento jurídico aos filiados, convênios e apoio os peritos associados.

"Somos parceiros dos servidores da perícia tocantinense. Fazemos de tudo para que o perito seja não apenas representado e veja isso acontecendo na prática, mas perceba as conquistas na prática, não apenas na teoria", finaliza o presidente.

COMPARTILHE:


Confira também:


Para Servidores

Marilon Barbosa propõe que prefeita envie à Câmara Projeto de Lei que autorize o empréstimo consignado de recursos do PreviPalmas

Ele ainda sugeriu no anteprojeto que os recursos do PreviPalmas para empréstimos consignados aos servidores públicos municipais sejam alocados no Banco do Povo como linha de crédito exclusiva para empréstimos a esta finalidade.

Ferrovia Norte-Sul

Início das operações da Ferrovia Norte-Sul, entre Anápolis e Porto Nacional, é anunciada

Executivos anunciam que operadora está pronta para fazer o transporte de cargas industrializadas, num trecho de 800 km




  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira