Tuesday, 07 de April de 2020

ESPORTE


Brasileiro atravessará a nado oceano Atlântico Sul

03 Mar 2009

Que tal nadar 6.864 quilômetros em pleno oceano Atlântico Sul? O que você acha dessa ideia? Errou quem pensa que a façanha é impossível. A iniciativa é ousada – mas, com planejamento e tecnologia, Márcio Carvalho aposta no sucesso da empreitada, que tem início previsto para julho. No projeto Travessia a Nado do Oceano Atlântico Sul (Tasan), Carvalho enfrentará, sozinho, a correnteza e as intempéries naturais do alto mar.

Com saída programada em Luderitz, na Namíbia (África), o mineiro de 1,96m de altura e 46 anos gastará entre 101 e 131 dias para alcançar o ponto de chegada: a cidade de Salvador, Bahia. Como o tempo em alto mar será longo, ele sabe dos muitos desafios a serem enfrentados – vão desde ataques de tubarões e hipotermia nas águas geladas a ondas gigantes e problemas com as correntes marítimas.

Por isso, ele se prepara física e psicologicamente. “Há seis anos desenvolvo a ideia e estou em plenas condições de realizar a travessia. Além dos treinos de natação e musculação, tenho o suporte de profissionais como preparador físico, nutricionista, cardiologista, psicólogo e neurologista”, explica. Isso sem contar com as equipes que desenvolveram roupas de neoprene que o protegerão do frio e do contato direto com a água. O catamarã Hobby Cat também é um dos seus principais aliados.

 

Proteção

O atleta atravessará o oceano Atlântico dentro de uma estrutura em forma de gaiola oval, presa à cintura e puxada a braçadas. O equipamento, projetado pelos professores Lanna e Paulo Miranda, da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG), é feito com fibras de carbono e alumínio aeroespacial, terá 8 metros de comprimento e 3,75m de largura, com capacidade para transportar água potável, refeições desidratadas, roupas de mergulho, medicamentos, cilindros de oxigênio, instrumentos de navegação marítima e sinalização. Os profissionais pesquisaram a navegabilidade do equipamento que será importado de Portugal.

 

Investimento

Para efetivar a iniciativa, o esportista precisa da colaboração de empresários e da população de uma forma geral. O projeto está orçado em R$ 6,8 milhões, levando-se em consideração a alta tecnologia investida na embarcação e vestimenta, além da segurança e alimentação.

É fácil contribuir. Basta acessar o site www.travessiadoatlanticoanado.com, ir ao link “Como ajudar” para ter acesso aos dados da conta corrente do Banco do Brasil, no qual o depósito poderá ser feito. “Se 14 milhões de brasileiros doarem 50 centavos, ou seja, uma participação de 10% da população, terei o dinheiro que preciso para viabilizar a travessia”, afirma Carvalho. Médicos, nutricionistas, psicólogos, engenheiros, entre outros compõem uma equipe com 102 pessoas que participam do projeto, pensado há 25 anos e gestado desde o fim de 2000. “Chegou a hora de ele nascer. É o momento ideal”, finaliza ele.

 

Dia-a-dia

Márcio Carvalho acorda diariamente às 3h30 para ir à academia, onde treina musculação até às 8h. De lá, o consultor administrativo e financeiro vai para o escritório e trabalha até às 17h. Para fechar o dia, são mais duas horas de musculação e duas de natação. Nos fins de semana, o atleta faz treinamento na represa do Funil, localizada próximo à sua cidade natal, Lavras (MG), a 219 quilômetros de Belo Horizonte. Quanto à alimentação, ele precisa ingerir de 4 a 6 mil calorias diárias, sendo que, durante a travessia, serão necessárias 14 mil calorias/dia. Dieta essa desenvolvida exclusivamente para o projeto e 100% por uma empresa mineira.

 

Objetivos

O nadador afirma que o objetivo do projeto Tasan é unicamente pessoal. “Não quero quebrar recordes, nem desafiar ninguém. A aventura possibilita a coleta de dados para fins científicos. Após a travessia, será possível a médicos analisarem o comportamento do corpo humano imerso, levando-se em consideração o tempo dentro das águas salgadas. Além disso, há possibilidades de avaliar descobertas sobre a capacidade humana de superação física e emocional”, finaliza. (com informações da Tasan)

COMPARTILHE:


Confira também:


Seu bolso

Sindiposto-TO diz que preço do combustível no Tocantins não cai por culpa de distribuidoras e pede providências da ANP

Os revendedores destacam que as três grandes companhias, que detém cerca de 70%, estão segurando as quedas de preços da Petrobras, bem como dos biocombustíveis.

Calamidade

Assembleia reconhece calamidade pública em Palmas por causa do coronavírus

Além de Palmas, os deputados debateram - via Sistema de Deliberação Remota - decretos de calamidade pública, em função da Covid 19, de outros 48 municípios.


Aleto

Acompanhando entendimento de Ayres, Assembleia quer plano de combate ao Coronavírus dos municípios

Ayres explicou que foi acordado com os demais parlamentares uma proposta para que ao invés de negar a Calamidade Pública para os demais municípios, fosse convertido em diligências.


Ageto

Governo inicia a semana com a manutenção de quase 700 km de rodovias estaduais

As equipes estão em diversos trechos executando serviços de tapa-buracos, roçagem, patrolamento, dentre outros


Agilidade

Principais processos de registro comercial podem ser feitos pela internet via Simplifica Tocantins


Internet

UOL bate recordes de audiência com a cobertura do Coronavírus


Emendas

Elenil defende união contra covid-19 e destina R$ 837 mil para ações


SES

Saúde recebe doação de duas toneladas de equipamentos de proteção individual


Vistoria

Governador vistoria obra do Hospital Geral de Gurupi e afirma que Estado busca manter ações prioritárias


Tocantins

Tocantins tem 17 casos confirmados de Covid-19



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira