Tuesday, 26 de May de 2020

GERAL


Economia

Caixa recupera R$ 2,4 bilhões de créditos em 2009

02 Mar 2010

A Caixa Econômica Federal  recuperou em 2009 cerca de R$ 2,4 bilhões de créditos inadimplidos de suas carteiras comerciais e habitacionais por meio de liquidação e renegociação de dívidas. O desempenho é 38% maior em relação aos valores atingidos em 2008 e é apontado como conseqüência da implantação de diversas modificações no modelo de cobrança, promovidas ao longo do ano passado.

Um das ações teve início em junho de 2009, quando a CAIXA reforçou sua atuação em telecobrança para a carteira de créditos com poucos dias de atraso, abrangendo clientes dos segmentos Pessoa Física e Microempresa. A telecobrança passou a ser feita por empresa especializada, com equipe capacitada em realizar contatos e prestar atendimento aos clientes.

Segundo o vice-presidente de Pessoa Física da CAIXA, Fabio Lenza, a fase da telecobrança é muito importante para evitar que a situação de atraso dos contratos se agrave. “Muitas vezes o cliente precisa apenas ser lembrado para realizar o pagamento da prestação”, avalia Lenza.

Outra medida implementada em 2009 reformulou todo o processo de credenciamento de empresas que atuam na segunda fase da régua de cobrança. O trabalho, em diversas faixas de atraso e em sistema de rodízio, abrange períodos de 60 dias em média. Caso uma das credenciadas não obtenha sucesso na cobrança dentro desse período, o crédito é transferido para outra. O sucesso nas negociações com os clientes é fator primordial para a continuidade do credenciamento e há o incentivo para que a recuperação do crédito aconteça no menor prazo possível.

No caso de Pessoas Jurídicas (pequenas, médias e grandes empresas), a cobrança de créditos em atraso passou a ser realizada de forma diferenciada e dependendo de aspectos tais como o prazo de atraso, valor da dívida e perfil do cliente. Os clientes PJ com créditos de maior valor agora podem negociar de forma efetiva diretamente com as equipes das unidades de cobrança da própria CAIXA, também submetidas a ajustes em 2009, de forma a se adequar ao novo modelo.

 

Perspectivas

Para 2010, o banco já prevê implantação de uma nova ferramenta estatística de gestão estratégica, o que possibilitará o aprimoramento ainda maior do processo de abordagem dos clientes em atraso, identificando o melhor canal e o momento mais propício para a cobrança.

De acordo com Fábio Lenza, a consolidação desse novo modelo de cobrança aponta para uma tendência de incremento ainda maior nos resultados obtidos com a recuperação de créditos para os próximos anos, sendo fundamental para a manutenção do equilíbrio das carteiras e para o processo de ampliação da participação do banco no mercado de crédito.

“A CAIXA continuará a expandir suas carteiras de crédito de maneira sustentável, praticando uma das menores taxas do mercado, contribuindo dessa forma para a geração de emprego e renda e para o desenvolvimento do país”, afirma Lenza.

 

Balanço

A CAIXA encerrou o ano de 2009 sendo responsável por 8,8% do crédito ofertado pelo Sistema Financeiro Nacional, frente aos 6,5% de participação em 2008. O saldo da carteira de crédito da CAIXA alcançou R$ 124,4 bilhões, um incremento de 55,3% em relação ao registrado em 2008. No mesmo período o mercado teve um crescimento de 14,9% no estoque de crédito.

A expansão da carteira de crédito ocorreu com a elevação em sua qualidade. Ampliou-se a participação dos créditos classificados de AA a B (baixo risco de crédito) de 69,8%, em 2008, para 78,7%, em 2009. Em igual período, a inadimplência (atrasos superiores a 90 dias) reduziu-se de 2,4% para 2,2% e o percentual de provisão com relação ao saldo da carteira de crédito caiu 1,5 p.p., baixando de 8,6% para 7,1%, indicando a melhoria da qualidade da carteira.

O saldo da carteira comercial alcançou R$ 44,9 bilhões, um aumento de 55,7% frente a dezembro de 2008. O segmento de Pessoas Jurídicas obteve saldo de R$ 23,5 bilhões e o de Pessoa Física, R$ 21,4 bilhões, crescimento de 55,8% e 55,7%, respectivamente, em relação a 2008.

Em Habitação, a CAIXA bateu recorde histórico de contratações. Nos doze meses, os recursos concedidos chegaram a R$ 47,3 bilhões e a R$ 49,3 bilhões, se considerados os R$ 1,4 bilhão em repasses e os R$ 573 milhões realizados por meio de consórcio, aumento de 105,2% frente a 2008. O saldo da carteira habitacional registrou R$ 70,5 bilhões em 2009, valor 56,5% maior do que o ano anterior.

A CAIXA ainda foi escolhida pela Fundação Getúlio Vargas como o melhor conglomerado financeiro e o melhor banco público brasileiro de 2008. As premiações, entregues em junho de 2009, foram o reconhecimento pelas ações desenvolvidas pela Instituição nos últimos anos. (Informações da Ascom/Caixa)

COMPARTILHE:


Confira também:


Agrotins 2020

Expositores e participantes aguardam com expectativas início da primeira Agrotins 100% Digital

A feira ocorre de 27 a 29 de maio, com transmissões ao vivo, gravada por meio da plataforma Agrotins.to.gov.br


  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira