Saturday, 19 de September de 2020

GERAL


Em nome de Deus: A morte de Saramago e o Twitter de Marina Silva

30 Jun 2010

Por Tiago Pereira

tiago_pereira_@hotmail.com

 

No último dia 18, Copa à parte, o mundo ficou bem mais triste. Perdemos José Saramago, Nobel de Literatura e um dos mais incríveis homens. Seus escritos, num estilo bastante peculiar, conseguem ser, ao mesmo tempo, clássicos e modernos. Um gênio, equiparável aos grandes de todos os tempos, e para o nosso século, possivelmente o mais importante escritor. Apelava à reflexão. Não se furtava perante as grandes questões do nosso tempo. Um militante. A consciência crítica da esquerda mundial. Merecedor de todas as homenagens. Deixa saudade e um legado fantástico. Seu único pecado: a descrença em Deus.

No Twitter, a nova coqueluche da internet, comoveram as mensagens de pesar. Dado o seu histórico de engajamento político e o clima eleitoral entre nós, os principais candidatos, que fazem uso da ferramenta virtual, emitiram suas impressões e condolências. As esquerdas tupiniquins prestavam homenagem. A língua, além de sonhos e princípios, nos unia.

Eis que, no auge da comoção, fomos surpreendidos por mensagens enviesadas da candidata Marina Silva, do PV. “Morre José Saramago. O mundo perde um grande escritor e os países da língua portuguesa, o nosso primeiro prêmio Nobel.” Na seqüência, o microblog de Marina replicou a mensagem de @wvmedeiros; para ele o escritor “não respeita a fé alheia”. “Grande escritor é muito subjetivo. Alguém que não RESPEITA a fé alheia não é exatamente um GRANDE escritor.” A mensagem de @iara_meirelles, também replicada pela candidata, ou sua assessoria, continha o seguinte comentário: “Como podemos lamentar a morte uma pessoa que blasfemou contra Deus a vida toda?”.

Reza a etiqueta do Twitter que quem replica, por conseqüência, endossa. Pegou mal. Em seguida, a assessoria tratou de fazer o “abafa”, alegando que a candidata não concordava com os posicionamentos apresentados. Não engoli. Ao menos, fica patente que certos grupos religiosos radicais se aproximam da candidata. Não é exclusividade dela, mas agrega com mais força, por também professar do credo evangélico - talvez injusta generalização, mas são, sempre, os mais radicais. Pintados de verdes, se disfarçam de modernos.
 
O que o episódio também deixa claro é o processo manco de separação entre política e religião. Um mal que deve ser combatido. Política diz respeito aos homens, não a Deus. Os que fazem uso disso, via de regra estão imbuídos de maus propósitos. E a receita explosiva pode ser comprovada ao longo de toda a história. Quando os mundos da política e da religião se tocam, via de regra, jorra sangue.
 
No Brasil, devemos manter a vigilância e conservar o legado de tolerância religiosa. E os evangélicos, mais radicais, precisam entender de uma vez por todas que sua condição de “eleitos” não interessa a quem não professa da mesma fé e que religião não deve ser critério para se votar ou não em alguém. Que respeitem não só católicos, mas umbandistas, budistas e ateus. O ateísmo, que causa desconforto aos crentes, não é uma afronta, e via de regra, tal posicionamento apresenta-se fortemente embasado em outros princípios e reflexões.
 
Fica o ensinamento de mais de três séculos, do filósofo inglês Thomas Hobbes, temente a Deus. Segundo ele, grosso modo, o homem é movido por paixões, e por elas, capaz de tudo fazer. No seu entendimento, a maior das paixões seria justamente a religiosa, logo, a mais perigosa. Para tanto, dada a pluralidade de crenças, para que a sociedade coloque-se em pé e viva com o mínimo de harmonia, limites devem ser respeitados. A religião não deve invadir a esfera pública, deve ficar restrita aos espaços privados, locais de cultos e residências. Na rua, não. No Twitter, não. Na política, muito menos.

COMPARTILHE:


Confira também:


Saúde

Tocantins registra 885 novos casos da Covid-19

Atualmente, o Tocantins contabiliza 190.325 pessoas notificadas com a Covid-19 e acumula 62.498 casos confirmados. Destes, 44.830 pacientes estão recuperados, 16.818 pacientes seguem em isolamento domiciliar ou hospitalar e 850 pacientes foram a óbito.

Economia

Vice-governador articula relação do Basa com Governo para prorrogação de decreto que garante crédito especial às empresas afetadas pela pandemia

No total, foram disponibilizados o montante de R$ 2 bilhões para empresas a taxas de juros de 2,5% ao ano, bem abaixo ao praticado no mercado, e com prazo de carência até oito meses.


Justiça

Magistrado Pedro Nelson de Miranda Coutinho é o mais novo desembargador do Judiciário tocantinense

Além do corregedor-geral da Justiça, votaram os desembargadores Marco Villas Boas, Moura Filho, Jacqueline Adorno, Ângela Prudente, Eurípedes Lamounier, Maysa Vendramini, Etelvina Maria Sampaio Felipe e, por último, o presidente Helvécio Maia Neto.


Obras

Governador Carlesse assina Ordem de Serviço para recuperação de estradas vicinais em três municípios

Serviços serão executados em Cristalândia, Lizarda e Paranã


Justiça

Ministério Público expede parecer favorável a Delegados após Corregedoria instaurar sindicâncias


Eleições 2020

Prefeita Cinthia Ribeiro fecha convenção com apoio de seis partidos


Emprego

Sine Tocantins orienta trabalhadores para uma boa entrevista de emprego. Nesta quarta, 16, são 403 vagas no Estado


Covid-19

Boletim coronavírus (Covid-19): taxa de internações hospitalares sofre redução na Capital


Economia

Procon Municipal de Palmas divulga pesquisa de preços dos itens da cesta básica


Agricultura

Governo do Tocantins e Ministério da Agricultura retomam convênio e fortalece assistência a agricultores familiares



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira