Tuesday, 19 de February de 2019

GERAL


Interrogatórios por videoconferência

19 Feb 2009

A utilização dos sistemas de informáticos por intermédio de videoconferência e outros recursos audiovisuais, no que tange às questões práticas de atos processuais e mesmo do próprio processo, já se tornou real nos dias atuais. O presidente Lula, mesmo de folga, sancionou, transformando em lei, projeto que previa a possibilidade de realização de interrogatório e outros atos processuais por meio de videoconferência. Trata-se da Lei 11.900, de 9 de janeiro de 2009, que entrou em vigor na data de sua publicação, no último dia 9, alterando alguns dispositivos do Código de Processo Penal.

Nova redação recebeu o artigo 185 do CPP, que agora pontua que o interrogatório do réu preso se realizará no estabelecimento prisional que estiver cumprindo a pena, em sala própria, uma vez que lhe seja garantida a publicidade do ato, presença do defensor, segurança do magistrado, promotor de justiça e dos servidores. Em casos excepcionais, o juiz de ofício ou a requerimento das partes, em decisão fundamentada - tendo como pressupostos que as partes deverão ser intimadas com 10 dias de antecedência, em casos de réus presos - concederá o interrogatório por videoconferência, visando à prevenção de risco à segurança pública, desde que seja necessária para atender as seguintes finalidades: prevenir risco à segurança pública, quando exista fundada suspeita de que o preso integre organização criminosa ou de que, por outra razão, possa fugir durante o deslocamento; viabilizar a participação do réu no referido ato processual, quando haja relevante dificuldade para seu comparecimento em juízo, por enfermidade ou outra circunstância pessoal; impedir a influência do réu no ânimo de testemunha ou da vítima, desde que não seja possível colher o depoimento destas por videoconferência, nos termos do art. 217 deste Código; responder à gravíssima questão de ordem pública.

Recente lei estabelece ainda condições, como sala específica para a realização desse tipo de interrogatório na instituição penal, que será fiscalizada pelo juiz do processo, pelos corregedores, pelo Ministério Público e pela OAB. O ato deverá ocorrer na presença de dois advogados, um que acompanhará o réu e outro onde ocorrer à audiência, lhes sendo garantidos a comunicação por meios telefônicos, inclusive do preso com aquele defensor que não está presente. Necessário ressaltar, que, antes de ser interrogado, o réu poderá acompanhar pelo sistema a oitiva da vítima, inquirição de testemunhas de acusação e defesa, acareações, esclarecimentos de peritos técnicos, bem como o reconhecimento de objetos e pessoas.

Outros atos processuais que dependam da participação do preso vieram também com advento da Lei, como acareação, reconhecimento de pessoas e coisas, e inquirição de testemunha ou tomada de declarações do ofendido – desde que respeitadas às garantias elencadas anteriormente. A oitiva de testemunhas poderá ser realizada pelo mesmo sistema, permitindo a presença do defensor e podendo ser realizada, inclusive, durante a realização da audiência de instrução e julgamento. As cartas rogatórias somente poderão ser expedidas se demonstrada previamente a sua imprescindibilidade, e, nesses casos, os custos de envio serão arcados pela parte que requerer.

Com essas inovações, para mim, a Lei 11.900/09 priva o defensor, nos limites do presídio, de consultar os autos, além de ser um exemplo típico da confissão de negligência no tratamento outorgado aos presos brasileiros. Os representantes do povo deveriam observar que a morosidade é presente no Judiciário, sendo um dos maiores problemas para Advocacia e os jurisdicionados, que são as maiores vítimas desse desprezo.

 

COMPARTILHE:


Confira também:


Operação Fantoche

PF prende presidente da CNI, Robson Andrade

Investigação mira convênios de unidades do Sistema S

Exonerações Suspensas

Justiça atende DPE e MPE e suspende ato do governo que exonerou profissionais da saúde

Efeitos do ato declaratório nº 01/2019 estão suspensos. Defensoria Pública e MPE expuseram na ação civil pública que o Ato ainda gera graves consequências na desassistência da saúde pública.



Contratos Temporários

Prefeitura de Palmas abre edital para contratação de 34 servidores temporários

O processo seletivo simplificado será composto por três etapas de caráter eliminatório e classificatório, sendo análise curricular, comprovação de experiência profissional, avaliação de títulos e entrevista.


Ponte de Porto

Defensoria e OAB vão integrar comissão que trata sobre interdição da ponte de Porto Nacional

Audiência, realizada na sexta-feira, 15, debateu os principais impactos gerados com a interdição


Ocorrência

Polícia Civil apreende 30 kg de maconha e prende traficante no Sul do Estado

As investigações da Polícia Civil constataram que Hailton trazia, do Estado de Goiás, grandes quantidades de entorpecentes para Gurupi e região, e que, nessa madrugada, outra remessa chegaria ao Tocantins.


Meio Ambiente

Municípios têm apenas 30 dias para protocolar processo do ICMS Ecológico no Naturatins


Diálogo

Secretários apresentam plano de reestruturação à instituições dos diferentes poderes do Estado


Itelvino Pisoni

Sistema Fecomércio Tocantins realiza visita a Prefeita Cinthia Ribeiro


Tocantins

Dispara número de casos prováveis de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti


HGP

Defensoria emite recomendação para Sesau por desassistência na oferta de cirurgias cardiológicas em Palmas


Adapec

Produtor rural pode emitir Guia de Trânsito Animal de qualquer localidade



  Blogs & Colunas


TiViNaLili

Lili Bezerra


Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira