Saturday, 21 de September de 2019

GERAL


Violência

Maioria das mulheres vítimas de violência atendidas pela DPE-TO é casada, mãe e negra

06 Aug 2019    15:15

Todos os perfis de mulheres podem sofrer (e sofrem) violência doméstica: não importa a idade, raça, idade, formação escolar, emprego, classe social, grau de instrução ou nível de empoderamento. Causado por consequência de uma sociedade machista, qualquer característica pode estar na mira de um agressor. 

 

Nesta quarta-feira, 7, completa-se 13 anos de criação da Lei Maria da Penha e o que  se observa na Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO) é que há um perfil mais frequente de mulheres atendidas, vítimas de violência. No mês de julho deste ano, por exemplo, a DPE-TO atendeu um total de 90 casos de violência doméstica, sendo 01 orientação e 89 denúncias. Deste total, a maioria delas, 80%, segue o mesmo padrão: mãe, da raça negra, com idade entre 36 e 60 anos, casada, com baixa renda e escolaridade de, no máximo, o ensino médio completo.

 

Conforme dados da Corregedoria da DPE-TO, os principais atendimentos da violência doméstica incluem o perfil de mulher com idade de 36 a 50 anos (43,3%); com renda individual de 0 a ½ salário mínimo de renda individual (53%) ou familiar de ½ a 1 salário de renda familiar; com ensino médio completo (36,7%) ou fundamental incompleto (25,6%), mãe com dois filhos (54,4%) e com três a cinco membros na família (53,3%) e da raça negra (80%).

 

Não por acaso, a informação de que 80% das mulheres que denunciaram a violência doméstica neste mês na DPE-TO refletem, também, os altos índices de mulheres negras em todo o País. O “Atlas da Violência 2018”, por exemplo, mostrou que entre 2006 e 2016 a taxa de homicídio de mulheres negras no Brasil aumentou 15,4%, enquanto que a de não negras diminuiu 8%. De acordo com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, das 22 milhões de brasileiras que sofreram assédio no ano passado, 36,7% são pardas e 40,5% são pretas.

 

A defensora pública Denize de Souza Leite destaca que os dados revelam que a violência contra a mulher não é igualitária entre regiões, idades e raças. Segundo ela, o que se vivencia atualmente é uma abolição inacabada, piorada pelos inúmeros casos de preconceito e racismo, infelizmente ainda enraizado no Brasil. “Embora sejamos uma sociedade de maioria negra, temos representação inexpressiva nas camadas mais favorecidas e espaços de poder. A maioria dos negros e, principalmente, das mulheres negras está cativa na pobreza, com a ausência de direitos sociais mínimos. Como reflexo dessa marginalização e vulnerabilidade social, a população negra sempre encabeça as estatísticas, quando o foco são as mazelas sociais”, defendeu Denize, que é membra da Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade Étnico-Racial da Associação Nacional de Defensoras e Defensores Públicos.

 

De acordo com a defensora pública Vanda Sueli Machado, da 2º Defensoria da Mulher, é necessário um alerta urgente sobre a luta pelos direitos das mulheres, o combate a violência e a igualdade de gênero. “A violência de gênero é o pior tipo de violência, ela afeta não só as mulheres, mas toda a sociedade. É uma realidade triste que vivenciamos no Brasil, no Tocantins, no mundo. O machismo mata todos os dias e as políticas públicas estão longe de serem concretizadas”, destacou. Ainda de acordo com a defensora pública, no Tocantins sequer há casa de passagem e instituições que qualifiquem e forneçam condições e sobrevivência a essas mulheres. “Assim, algumas acabam voltando ao ciclo da violência, devido à falta de políticas públicas efetivas”, complementa.

 

Defensoria Pública

A Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO) tem um papel essencial na defesa dos direitos das pessoas mais desfavorecidas, o que inclui a defesa das mulheres negras, vítimas de preconceito, racismo, assédio e qualquer tipo de violência, dentre outras formas de assistência jurídica, caso seja comprovada a hipossuficiência. Nestes casos, as mulheres podem procurar a Instituição mais próxima da sua cidade.

 

Além disso, a DPE-TO oferece orientação jurídica, na promoção de direitos humanos e no ingresso de ações judiciais, quando necessário, como: alimentos, divórcio; reconhecimento e dissolução de união estável; fixação de guarda dos (as) filhos (as); requerimento de medida protetiva de urgência; encaminhamento para a rede de atendimento à mulher em situação de violência (assistência social, saúde, habitação, segurança pública, trabalho, etc), entre outras medidas necessárias.

 

A DPE-TO também trabalha com atividades de conscientização, como palestras, debates, rodas de conversas, atos públicos, cines debates, conferências de igualdade racial, seminários e conferências, dentre outras atividades.

 

Denuncie

A primeira orientação para as mulheres vítimas de violência é denunciar a agressão pelo número 180. A mulher também pode ir a uma delegacia da mulher e registrar um boletim de ocorrência para que o agressor seja responsabilizado, ou procurar qualquer unidade de atendimento da Defensoria Pública no Estado ou ainda o Nudem (3218-1615), na sede da Defensoria Pública em Palmas, inclusive encaminhando e-mail: nudem@defensoria.to.def.br.

COMPARTILHE:


Confira também:


Economia

MP da liberdade econômica é sancionada; veja os principais pontos

Lei entra em vigor na data da publicação, ainda nesta sexta-feira

PPA

Governo abre consulta pública do PPA 2020-2023 e reafirma gestão voltada às necessidades da população

O vice-governador Wanderlei Barbosa destacou a relevância do formato de consultas públicas adotado pelo Governo do Estado, em que foram ouvidas milhares de pessoas de todas as regiões do Tocantins.



Operação Ruptura

Polícia Civil deflagra operação ruptura e prende vários criminosos em Araguaína

Operação resultou na prisão de um indivíduo considerado o chefe do tráfico de drogas em Araguaína


Saúde

Hospital Regional de Miracema amplia serviços e realiza cirurgia inédita

A equipe responsável pelo procedimento foi composta pelo médico urologista Danilo Maranhão; o anestesista Paulo Márcio; o médico auxiliar Jobel Egito e as equipes de enfermagem, técnica de enfermagem e limpeza.


Agenda

Em Brasília, parlamentares do Tocantins buscam recursos para obras

Para o Delegado Rérisson as reuniões foram bastante positivas.


Seu Bolso

Energisa prorroga campanha para negociação de dívidas


Premiação

Nota Quente paga R$ 10.935,88 neste sábado, 21


Saúde

Profissionais de saúde alertam sobre cuidados com as altas temperaturas na Capital


Drogas

Polícia Civil prende quatro traficantes e apreende mais de 30kg de maconha em Gurupi


Honraria

Participante de programa do Instituto TIM vence prêmio global da ONU


Agrotóxicos

Assembleia debate uso de agrotóxico em audiência proposta por Zé Roberto Lula



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira