Tuesday, 19 de November de 2019

GERAL


O jornal formando leitores críticos

06 Aug 2008

Na última semana, em Campinas, aconteceu o 4° Seminário Nacional O Professor e a leitura do Jornal, promovido, entre outros parceiros, pela Associação de Leitura do Brasil (ALB) e Universidade Estadual de Campinas. O seminário teve como tema "A interface do jornal com outras mídias na formação básica e continuada dos professores" e conseguiu criar espaços de reflexão importantes sobre o papel de diferentes meios de comunicação na escola.

Vale notar que o foco desse encontro é mesmo o professor da educação básica, fato que o torna mais relevante para nós, jornalistas e professores de jornalismo, pois constata que o trabalho jornalístico, além de informar, também pode ser usado para educar. Que o jornal educa não resta dúvidas, é evidente que a circulação de informações promovida pelos meios de comunicação desencadeia uma circulação de saberes que estimula a educação, mas ser levado para sala de aula e ser incluído no processo de ensino-aprendizagem é um fato que reforça seu papel educativo.

A grande questão que ainda sugere muitos debates é como fazer uso desse jornal, contribuindo com os objetivos educativos sem perder de vista que ele é um lugar em que as disputas ideológicas se materializam. Nesse aspecto, o seminário deu algumas pistas: não há formulas prontas para o uso do jornal em sala de aula, a escolha de como utilizá-lo passa pela experiência do professor, pela realidade do aluno e da escola e do objetivo educativo que está em jogo.

Contudo, sugiro uma regra que deveria ser tomada como um princípio do uso do jornal em sala de aula: a pluralidade de veículos durante as atividades educativas. Isto é, se não há formulas prontas, também é preciso ter em mente que não há o melhor jornal a ser oferecido e o melhor para os alunos é a variedade, a possibilidade de contato com diferentes fontes, formatos e visões de mundo. Infelizmente, os programas atuais de leitura de jornal na escola, ligados a jornais específicos, acabam ocupando os espaços escolares com seus veículos e, em raras exceções, garantem essa pluralidade.  

O exercício de fato da leitura, e mais ainda da leitura crítica dos meios de comunicação, só é possível quando o aluno confronta noticiários, compara abordagens e percebe que a escrita, muitas vezes, pode guardar a visão de mundo de quem escreve. Saber disso não diminui o fato, a notícia e nem mesmo o escritor, apenas garante ao leitor a possibilidade de compreender suas dimensões e formar sua opinião.

Logo, fazer uso do jornal em sala de aula deve significar, em primeiro lugar, um estímulo à pluralidade e à democracia e, para isso, essa prática precisa estar desvinculada dos interesses particulares das empresas jornalísticas. Formar leitor crítico e não formar leitor de "tal" jornal, essa tem que ser a preocupação de quem escolhe esse suporte como aliado em suas aulas.

COMPARTILHE:


Confira também:


Economia

Receita paga hoje as restituições do 6º lote do Imposto de Renda

O lote contempla também restituições dos exercícios de 2008 a 2018

Economia

Com Selic em queda, poupança pode passar a render menos que a inflação

Outro fator é a redução de recursos para o financiamento habitacional. Atualmente, 65% dos recursos de poupança são destinados aos financiamentos habitacionais.




  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira