Thursday, 09 de July de 2020

GERAL


Meio Ambiente

Tamanduás são vitória contra a extinção

31 Mar 2010

Vítimas das rodovias que recortam seu habitat natural, duas tamanduás bandeiras - mãe e filha- sobrevivem à devastação ambiental causado pelo homem. Pequena e frágil, Pepê caça com dificuldades a terra onde deveria dar os seus primeiros passos. A mãe, Leninha, aguarda pacientemente o retorno à mata. 

Na lista dos animais que correm o risco de extinção, o tamanduá bandeira é um bicho singular encontrado no Cerrado brasileiro e em outras regiões da América do Sul e Central. Seu bico comprido povoa a imaginação de crianças e adultos: desengonçado no andar, ele se alimente apenas de formigas, larvas e cupins. Porém, chega a comer 30 mil insetos por dia.

As tamanduás foram resgatadas no dia 13 de janeiro depois de serem atropeladas na BR 153, em Paraíso do Tocantins. Pepê, recém-nascida, não sofreu nenhuma lesão. Mas sua mãe, que a carregava nas costas (os tamanduás filhotes ficam mais de um ano nessa dependência), ficou impossibilitada de andar. “Ela teve uma fratura no ísquio [osso da pélvis] e uma no fêmur. Tínhamos que tentar manter a mãe sadia para que o filhote sobrevivesse”, lembra a veterinária Lucilândia Maria Bezerra, especialista em clínica de animais silvestres, proprietária da Arca dos Bichos, articulista do jornal O GIRASSOL e professora no curso de Biologia do Centro Universitário Luterano de Palmas – Ulbra.

Lucilândia conta que as tamanduás foram levadas para a clínica pelo Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins). “Eles deixaram aqui porque eu atendo animais silvestres. Mas o caso dela era grave e eu não sou cirurgiã, faço apenas a clínica”, conta a veterinária.

Num quartinho improvisado, separados dos animais domésticos, ela organizou a estadia da família. “Começamos uma batalha para tentar recuperar a mãe. Aqui no Tocantins não tem nenhum especialista nessa área. O Naturatins não deu nenhum retorno mesmo eu explicando a situação. Eles simplesmente largaram aqui”, recorda.

Durante dois meses, a tamanduá mãe suportou as dores das fraturas. Somente no dia 14 de março passou pelas cirurgias que a deixaria com condições de criar a filha no seu habitat natural. “Através dos meus alunos consegui as passagens para que o veterinário Wilson Ilávio, de Goiânia, viesse ao Tocantins realizar a cirurgia. Fiz vários pedidos ao Naturatins, mas eles não demonstraram nenhum interesse em recuperar a tamanduá”, desabafa Lucilândia.

As passagens foram doadas pelo deputado estadual Marcello Lelis (PV). Só assim o Wilson conseguiu realizar a operação. “Ele veio ao Estado porque se comoveu com a história dos tamanduás. Fez a cirurgia num domingo e voltou no mesmo dia, sem cobrar nada”, completa a veterinária.

Para manter a mãe e a filha na Arca dos Bichos, a veterinária diz gastar cerca de R$ 200 semanais. “A mãe não tem leite e a neném precisa se alimentar. Fizemos uma dieta com proteína vegetal associada à aveia, cenoura e beterraba. Batemos tudo no liquidificador com ração para cachorro”, explica a veterinária, que reclama não ter recebido nenhum apoio do Naturatins.

Segundo o biólogo do Naturatins Marlon Rodrigues, que levou os animais para a clínica, a veterinária “vai ser reembolsada pelos gastos que teve com os animais”. “Ela vai receber por isso, precisamos só aguardar um processo administrativo para paga-lá”, disse.

Pepê  é a abreviatura de Esperança, nome dado pelos funcionários da clínica. “Torcemos para que esses animais consigam sobreviver”, espera Lucilânda. 

 

De volta para casa

O retorno dos tamanduás para o seu habitat natural está marcado para está semana. O local escolhido pelo Naturatins é a área de reserva legal da fazenda Água Fria, próxima a Guaraí, Norte do Estado. Mãe e filha ficarão sob responsabilidade do Instituto Ecos do Cerrado, que trabalha com o remanejamento de animais silvestres em parceria com proprietários rurais.

“Destinamos os animais para os mantenedouros de fauna que são associados ao instituto. Uma parceria com o curso de veterinária da UFT mantém o local”, conta Marlan.

O presidente do Instituto Ecos do Cerrado, Roberto Rinaldi, explica como acontecerá a recolocação dos animais. “Eles vão ficar numa área de mais de 4 mil hectares de reserva legal de uma fazenda que é parceira nossa. Um veterinário do Ibama ou do Naturatins fará o acompanhamento e decidirá a soltura das tamanduás. Temos também voluntários na fazenda que vão ficar por conta da alimentação” , detalha Rinald, que é italiano e está no Tocantins há cinco anos.

Segundo Rinaldi, o instituto possui uma área de 45 mil hectares destinada para a recolocação de animais recuperados. “São fazendeiros que colocam a sua área verde á disposição do projeto. É uma forma de mostrar aos proprietários que essa área também pode ser rentável”, completa.

O instituto  planeja fazer um levantamento dos animais que vivem nessas áreas. “Temos um pesquisador da Universidade Real da Inglaterra que virá ao Brasil conhecer a situação e fazer o mapeamento. O que sabemos é que aqui existem muitas espécies que precisam ser levantadas”, finaliza.

O Naturatins, órgão responsável pela fiscalização e preservação de animais silvestres, não possui nenhum programa de preservação dos tamanduás-bandeira, animal que corre sério risco de entrar em extinção. De acordo com biólogo Marlan Rodrigues, também não há no órgão nenhuma pesquisa que mapeie a situação dos tamanduás. Eles também não souberam informar a quantidade média de tamanduás que vivem no Estado. “Infelizmente não temos nenhum estudo sobre os tamanduás”, diz Marlan.

Segundo Lucilândia é comum encontrar tamanduás nas rodovias do estado, principalmente á noite, quando o risco de acidentes (ver coluna Pensar Verde) é maior. 

 

Animais correm riscos nas estradas

Leninha e Pepê  são personagens de uma tragédia diária. O desmatamento do Cerrado em favor da criação de gado, plantação de soja e cana de açúcar, destrói o meio natural desses animais. Empurrados pelo “crescimento econômico” em detrimento da preservação dos ecossistemas, restam a esses animais a fome das proximidades urbanas ou o risco das estradas.

O atropelamento de animais é um dos principais problemas causados pela construção de rodovias. O projeto Fauna Atropelada, do Naturatins, registra o número de animais atropelados na TO -010, que liga Palmas a Lageado. “Em dois meses fizemos cinco visitas e encontramos 19 animais atropelados”, detalham Marlon. Segundo o biólogo a proximidade da rodovia da Área de Preservação Ambiental de Lajeado modifica os hábitos dos animais, alterando os padrões de movimentação. 

O Naturatins explica que p trabalho consiste em ações para complementar o conhecimento da fauna da área de influência da APA/Lajeado e do PEL, e, principalmente, identificar e quantificar as espécies acidentadas encontradas ao longo da rodovia. “Por enquanto estamos apenas identificando, para depois apresentar as soluções”, diz Marlon. Pássaros, cobras, tamanduás, macacos e raposas são os mais encontrados. Quem encontrar algum animal silvestre acidentado nas rodovias do Estado, deve ligar para o telefone da Linha Verde - 0800 63 1155 – para que o Naturatins faça o resgate e a recolocação do animal. Outros telefones úteis: CIPAMA (Companhia Independente da Polícia Militar Ambiental) – (63) 3218-2731 e Linha Verde do IBAMA – 0800 618080 .
 


Curiosidades

Um tamanduá  normalmente mede 1,20 metro de comprimento. A longa cauda pode ter quase o mesmo tamanho do corpo: de 60 a 90 centímetros. Eles vivem nas florestas e no cerrado e são muito comuns no Brasil (tamanduá-açu, tamanduá-grande, tamanduá-cavalo, jurumim, tamanduá-mirim, tamanduá-de-colete, papa-formiga). (Por Leilane Marinho)

COMPARTILHE:


Confira também:


Panorama

Tocantins é o 6º Estado que mais preserva empregos durante a pandemia, aponta Caged

O setor da construção civil no Tocantins amorteceu o impacto da queda do emprego no período

"Guerra Justa"

Polícia Civil do Tocantins deflagra 2ª fase da Operação Guerra Justa

Estão sendo cumpridos oito mandados de prisão preventiva e quatro de busca nos estados do Pará, Maranhão e Pernambuco.



Pesquisa

Tocantins soma 59 pesquisas científicas autorizadas em Unidades de Conservação estaduais

Mesmo com a suspensão temporária das atividades nas unidades devido a Covid-19, o sistema de controle de pesquisas científicas em UCs estaduais do Naturatins registrou, no 1º semestre de 2020, sete autorizações recentes em andamento


Tocantins

Balanço mostra que Justiça Federal no Tocantins já repassou mais de R$ 200 mil para ações de combate à Covid-19

No Tocantins, a 4ª Vara Federal de Palmas destinou R$ 70.923,80, a Subseção Judiciária de Araguaína R$ 69.464,00 e a Subseção de Gurupi destinou R$ R$ 63.750,00.


Biodiversidade

Tocantins inicia monitoramento do período reprodutivo 2020 do Pato mergulhão no Jalapão

O Governo do Tocantins tem o compromisso de cumprir o calendário de monitoramento da espécie, firmado com o Plano de Ação Nacional para a Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção ou do Patrimônio Espeleológico (PAN/ICMBio)


Covid-19

Governador vistoria instalações de hospital contratado para atender pacientes da Covid-19


Meio Ambiente

Governo do Tocantins suspende autorização para queima controlada até novembro


Aprovação de Matérias

Assembleia encerra primeiro semestre após diversas matérias aprovadas


Paraído do TO

Bombeiros militares atuam em combate a incêndio em carga de madeira na BR-153


Desempenho

Tocantins alcança segundo lugar no ranking de monitoramento da Agência Nacional de Águas


Cultura

Prazo para cadastro de eleitores e candidatos ao Conselho de Cultura termina na sexta



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira