Monday, 16 de September de 2019

GERAL


TV: Pense ao assistir

15 Jun 2010

Por José João Neves Barbosa Vicente


Neil Postman em Amusing ourselves to death: public discourse in the age of show busness afirmou que  “a televisão (...) nos serve na medida do possível quando nos oferece o lixo da diversão; serve-nos ainda da pior maneira possível quando absorve o discurso sério (...). Seria oportuno que a televisão se tornasse pior, não melhor”.

Em meados do século XX algo inédito e revolucionário nos  meios de comunicação aconteceu: o surgimento da televisão, ou seja, o ver à distância como sugere a sua etimologia (tele-ver). Hoje, infelizmente, o uso dessa invenção humana está, como percebeu Sartori em seu livro Homo videns, transformando o homem “produzido pela cultura escrita” em um homem no qual a palavra vem sendo destronada pela imagem. Um homem que se apóia nos ombros da informação televisiva. Porém, como disse Baudrillard em seu livro À sombra das maiorias silenciosas, a “informação em lugar de transformar a massa em energia, produz ainda mais massa”.   


Além de destruir mais saber do que transmite, a televisão desloca a comunicação do contexto da palavra (seja impressa ou transmitida pelo radio) para o contexto da imagem. Esse deslocamento modifica essencialmente a natureza da comunicação.  Como afirmou Cassirer em Philosophie der symbolischen Formen, o homem vive em um universo simbólico. E totalmente resolvido naquilo que significa, a palavra é um “símbolo”. Ela leva uma pessoa a compreender apenas quando for entendida e sem dispensar, no entanto, a língua a que pertence (caso contrário, ela é apenas uma letra morta, um sinal ou som qualquer). Uma imagem, ao contrari o, não passa de uma representação visual. Para entendê-la, basta vê-la. Para vê-la, basta não ser cego. Afinal, não se vê a imagem em aramaico, hebraico, latim, grego, chinês, árabe, inglês ou alemão. Isso significa dizer que a palavra é, necessariamente, parte integrante e constitutiva de um universo simbólico, a imagem, infelizmente, não faz parte desse universo.


Muitas pessoas entendem que a televisão é uma continuação ou uma ampliação dos instrumentos de comunicação que a precederam. Para mim, no entanto, essa visão é equivocada. A televisão deve ser entendida como uma “realidade” radicalmente nova que, infelizmente, cria um tipo de homem incapaz de ter estímulos para leitura e para o saber transmitido pela escrita. Um homem sem substância que responde apenas aos estímulos audiovisuais. Isso acontece devido ao “poder” que tem a televisão não apenas de produzir imagens, mas de apagar os conceitos e atrofiar a capacidade humana de abstração e de compreender.


As mentes débeis se alastram com a propagação da televisão. Pessoas que nunca foram “treinadas” para pensar e nunca tiveram a curiosidade de perguntar, por exemplo, “assisto televisão para que?”. Para elas essa pergunta não tem validade. Pois, têm certeza que aquilo que vêem é verdadeiro, e que os eventos são vistos por elas tais como acontecem. São adeptas, certamente, de Walter Cronkite para quem a “imagem não mente”. Ora, a televisão pode mentir como qualquer outro instrumento de comunicação. O problema é que, a força de “veracidade” contida na imagem torna a sua mentira mais eficaz e por isso mesmo mais perigosa. Em síntese, na televisão as mentiras são despachadas melhor.


Empenhada em fortalecer e multiplicar os idiotas e, simetricamente, ignorantes, a televisão promove a extravagância e o absurdo. É necessário defender a “cultura escrita” da barbárie da “cultura audiovisual”. A leitura que exige solidão, concentração na pagina, capacidade de apreciar a clareza e a distinção cansa o homem da “cultura audiovisual”. Ele prefere o significado rapidíssimo da imagem sintética. É por esta que ele é seduzido e fascinado. Ele não quer saber do vinculo, da seqÿência raciocinada, da reflexão que necessariamente implica dobrar-se sobre si próprio. Prefere viver como criança: come quando tem vontade, chora quando sente desconforto, dorme, acorda, satisfaz suas necessidades à toa. Inf elizmente, a própria escola fortalece a geração da “cultura audiovisual” em vez de contrastá-la. As nossas crianças, através de teatrinhos e “palhaços-professor” são “entretidas”, os nossos jovens, através de shows de instrumentos audiovisuais são “atordoados”. A escrita, a leitura, a análise e a reflexão são marginalizadas. Muitos jornais, também, preferem correr atrás da televisão, aumentando a cor e estampando bundas, deixando de lado os conteúdos. Quem sabe com essa concorrência, o público não se diverte e passará a ler os jornais para se vingar da televisão e, assim, melhorar a própria televisão. Os homens precisam lembrar constantemente, como disse Gothe, e como mostrei em meu livro O mal do século, que “o mundo só pode ir em frente por meio daqueles que se opõem a ele”.
 
José João Neves Barbosa Vicente – josebvicente@bol.com.br    
Filósofo, professor da Universidade Federal do Recÿncavo da Bahia (UFRB)

COMPARTILHE:


Confira também:


Economia

Receita libera pagamento do 4º lote de restituição do IR 2019

Lote inclui restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2018

Vestibular

Inscrições abertas para o Vestibular da Unitins

Processo seletivo tem 480 vagas contemplando todos os cursos da Unitins em Palmas, Araguatins, Augustinópolis e Dianópolis. Inscrições são feitas exclusivamente pela internet


Ocorrência

Polícia Civil prende mulher suspeita de estelionato no sudeste do Estado

Mulher estava se passando por conselheira espiritual, mas na verdade aplicava golpes em pessoas do sudeste


Proibição

Adapec apreende carga de 10 toneladas de sementes de capim irregular na TO-050 entre Palmas e Porto Nacional

O proprietário da carga foi multado em R$ 2.700,00 e as sementes foram destruídas no aterro sanitário de Palmas.


Tocantins

Adetuc e consultores reúnem-se para definir implantação do Observatório do Turismo do Tocantins


Educação

Com palestras, professor da Rede Municipal de Palmas motiva alunos a enfrentarem obstáculos


Preservação

Praias de Babaçulândia recebem o mutirão de limpeza do projeto Praia Limpa, Praia Viva


Pagamento do FGTS

Caixa estende horário de atendimento amanhã e abre no sábado


Preservação

APA Ilha do Bananal Cantão dedica programação ao Dia Nacional do Cerrado


Visita

Antonio Andrade recebe alunos na Assembleia



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira