Últimas

Panorama

Cresce o número de empresas que oferecem "home office" no Brasil

Cresce o número de empresas que oferecem "home office" no Brasil

Trabalhar meio período ou à distância (Home Office) é o sonho de muitos profissionais, principalmente das grandes cidades brasileiras. Alguns buscam fugir do trânsito, outros querem ter mais tempo para as suas atividades pessoais. Na verdade, o que todos querem é ter mais qualidade de vida pessoal e profissional. O Home Office é uma realidade recente no dia a dia de muitas empresas, e vem crescendo em todo o mundo, inclusive no Brasil, onde a legislação não favorece essa atividade.

De acordo com o Top Employers Institute, empresa que pesquisa e certifica as práticas de RH de maior relevância, em todo o mundo, 15% das companhias brasileiras instituíram o Home Office para os seus colaboradores; em 2013 esse índice era de 6%. O número ainda é baixo se comparamos com outros países. O Reino Unido, por exemplo, tem um dos mais elevados índices, com 65%, seguido pela Holanda, com 60% e de 58% na Alemanha, segundo o mesmo estudo.

Outros dados desta pesquisa apontam que por aqui 45% das empresas têm práticas de trabalho com tempo flexível, já a média mundial é de 77%. Essa prática, porém, tem dois lados da moeda. Será que o trabalhador remoto é visto de forma igual ao que está presente diariamente no escritório? Segundo os pesquisadores Kimberly Elsbach e Daniel Cable, da Universidade da Califórnia e da London Business School, respectivamente, a resposta é não! Quem trabalha de casa tem menos chances de ser promovido, de acordo com o estudo que eles realizaram por mais de 10 anos.

Eles concluíram que os colaboradores presenciais são mais lembrados entre os grupos que cumprem seus horários e os que excedem suas jornadas. Assim, o tempo que a pessoa passa no escritório afeta a sua avaliação, facilitando futuras promoções. Quando se trata de uma pessoa que cumpre seu horário de trabalho, os diretores foram 9% mais propensos a dizer que era confiável e responsável. Quando se menciona um colaborador que excede o tempo de trabalho, o índice de valorização sobe para 25%.

O SAS, uma das empresas certificadas como Top Employers Brasil 14, é uma das companhias que incentivam seus colaboradores a trabalhar de forma remota. "Os nossos funcionários possuem ferramentas, como notebook e celular, que possibilitam o home office. O SAS preza pelo equilíbrio entre trabalho e vida pessoal e essa prática é mais uma ferramenta que ratifica a nossa cultura", afirma Tato Athanase, gerente de RH da empresa.

Para Fabiane Panaro, responsável pela Top Employers no Brasil, essa mudança de perfil mostra que as empresas brasileiras estão se moldando ao novo trabalhador, às novas realidades da sociedade e do mercado de trabalho. "As tecnologias estão aproximando as pessoas, ao mesmo tempo em que o trânsito e os custos de locomoção dificultam os trajetos das pessoas. Assim as empresas estão encontrando meios de seguirem produzindo, mantendo o colaborador ativo e alinhado com a companhia", finaliza Panaro.

www.top-employers.com


Comentários

comments powered by Disqus