Sunday, 21 de July de 2019

OPINIÃO


Ciência e Tecnologia

Colégio de Dirigentes

24 Aug 2017

Os Institutos Federais criaram a figura do colégio de dirigentes enquanto instância em que reitor, pró-reitores e diretores gerais de campus tratam de questões gerenciais dessas instituições. Essas instâncias, apesar de serem estratégicas, não podem ser confundidas como Conselhos. Como mostrado nos artigos anteriores específicos sobre essa dimensão hierárquica das organizações, os colégios de dirigentes têm outras finalidades porque são compostos por outras posições na hierarquia. Neste caso, seus executivos principais, tanto institucionais quanto setoriais. Neste sentido, este artigo tem como objetivo explicar o papel que o colégio de dirigentes poderia cumprir para aperfeiçoar o gerenciamento dos institutos federais como organizações de ciência e tecnologia.

Para que se compreenda a função do colégio dos dirigentes no gerenciamento das organizações, é necessário que se recorde, antes, a lógica gerencial. Mais precisamente, como funciona o processo gerencial. É sempre com base no processo gerencial que se devem avaliar todos os procedimentos organizacionais porque é ele que permite que os objetivos e metas organizacionais sejam alcançados a partir da otimização dos usos de recursos.

Assim, a primeira coisa que se deve compreender é que quaisquer que sejam os grupos e subgrupos organizacionais devem estar voltados para o alcance dos objetivos e metas da organização, ainda que indiretamente. Isso implica em admitir – ou pelo menos presumir - que a organização de ciência e tecnologia tem um plano, que é a configuração explícita e quantificável de objetivos e metas a serem alcançadas. A justificativa dos colégios dirigentes, então, vem daqui, em primeiro lugar: que sejam os guardiões dos objetivos e metas estratégicos da organização porque todos os seus integrantes fazem parte desta dimensão hierárquica.

Essa é uma iniciativa interessante, apesar de muito comuns nas organizações privadas e nas organizações de ciência e tecnologia de primeira linha. É a finalidade desses grupos é discutir formas de superar desafios que se fizeram presentes ao longo do período de execução do plano. Por exemplo, os objetivos operacionais dessas organizações, com horizonte de até um ano, são quebrados em metas com horizontes menores, geralmente de dois ou três meses. Nesse período de dois ou três meses, os problemas encontrados no alcance dos objetivos e metas são discutidos e decididos nessas reuniões periódicas. Os objetivos e metas alcançados não são objetos de pauta.

A segunda coisa é decorrente dessa primeira: apesar das reuniões terem períodos curtos, a finalidade delas é sempre para com o alcance do objetivo de longo prazo, que é sempre a construção de um futuro por todos desejados na organização. Isso significa que esses encontros são certificações de garantia de que o objetivo final desejado seja alcançado e que correções de rumos precisam ser feitas, quando necessárias, a partir das decisões desses encontros periódicos.

Não são objetos de discussão tudo aquilo que não digam respeito aos objetivos e metas institucionais. Os objetivos e metas setoriais (de cada campus) são apenas a materialização dos objetivos e metas institucionais. Dessa forma, ao colocar em foco aquilo que acontece efetivamente nos campi, as reuniões centradas exclusivamente nos objetivos e metas previstos e executados garante ao corpo social dessa organização e seus stakeholders que aquilo que foi acertado pela gestão está sendo garantido efetivamente.

A terceira e última coisa a ser considerada é o desdobramento das decisões desse colegiado. Tecnicamente, toda decisão colegiada modifica, de alguma forma, as decisões anteriores contidas no plano de gestão. Dessa forma, o que foi previsto sofre alterações a partir do que foi executado e essas alterações farão reorientações nas novas retas de previsão de resultados. Quando integradas, essas decisões provocam alterações em cadeia, ganhando ou perdendo sinergia e, com isso, aumentando ou diminuindo as negentropias. E isso precisa ser meticulosamente calculado.

Do ponto de vista prático, surge a pergunta: as organizações de ciência e tecnologia têm um plano efetivo? Como plano efetivo está-se indagando sobre se há objetivos e metas com indicadores e métricas bem definidas, padronizadas em conformidade com as técnicas gerenciais, passíveis de serem quantificados e avaliáveis periodicamente. O que se tem visto (ou melhor, o que não se tem visto, uma vez que alguns institutos federais não cumprem a lei de transparência ao não tornar públicos seus objetivos e metas e os resultados auferidos) leva a crer que não. Como consequência, tem-se a impressão de que essas reuniões são pura perda de tempo, onde problemas localizados são falados sem consequências práticas sobre os objetivos e metas de longo prazo da organização.

Mais uma vez, dada a intransparência, a impressão que se tem é que as reuniões de colegiado não têm sentido. Como consequência, ou esses colegiados são reorientados em seu funcionamento ou devem ser eliminados, dados os custos anuais e plurianuais de sua manutenção. A razão disso é que cada técnica e procedimento gerencial tem sua razão de existência validado ou pela sua contribuição para com os objetivos e metas organizacionais ou para com o processo, que representa a qualidade dos produtos e serviços organizacionais. Se não estiver colaborando nem para o produto final, nem para a qualidade deste produto, não há razão de existir.

Os colegiados organizacionais são uma ferramenta fundamental para o funcionamento das organizações porque liga o ambiente interno ao ambiente externo. Mas, como toda ferramenta, precisa ser utilizada da maneira que seu manual de instrução prevê. Se for utilizada para outra finalidade, outra ferramenta deve ser adotada, da mesma forma que cada medicamento tem seu foco de aplicação e modo de usar.

*Daniel Nascimento-e-Silva, PhD
Professor e Pesquisador do Instituto Federal do Amazonas (IFAM)

COMPARTILHE:


Confira também:


Cuiabá

Em encontro com o ministro Dias Tofolli, presidente do TJTO defende autonomia dos Tribunais para aprovar projetos de interesse do Judiciário estadual

Do encontro convocado pelo ministro Dias Toffoli e no qual ele franqueou a palavra a todos os presidentes dos tribunais, saiu a Carta de Cuiabá

Estacionamento Rotativo

Tribunal de Justiça reconhece competência do TCE para emitir cautelar durante julgamento sobre o Estacionamento Rotativo de Palmas

O relator do processo, desembargador Ronaldo Eurípedes, apresentou seu voto no último dia 27 de junho negando o pedido da empresa com fundamento. no posicionamento do Supremo Tribunal Federal (STF)



Seciju

Ações contra violações de direitos são realizadas em praias do estado

Equipes técnicas da Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju) participaram de reuniões para fortalecimento da Rede de Proteção e realizaram ações de sensibilização nas praias de Porto Nacional e Pedro Afonso e fortaleceram a Rede de Proteção.


PM

Ação conjunta da Polícia Civil do Tocantins e da Polícia Militar de Goiás resulta na prisão de homicida foragido de Araguaína

Ele é suspeito de ser o autor de pelo menos dois homicídios praticados, em Araguaína, nos anos de 2018 e 2019 e foi capturado, mediante cumprimento a mandados de prisão preventiva, oriundos da 1° Vara Criminal da Comarca de Araguaína.


Regularização

Governo inova em gestão e abre portas do Instituto de Terras do Tocantins para estágio em 2019

O Instituto de Terras do Tocantins vem trabalhando com responsabilidade e eficácia para contribuir a cada dia com o desenvolvimento do Estado.


CPPA

Suspeito de cometer homicídio em 2015 é preso pela Polícia Civil em Araguaína


Premiação

EDP, controladora da Investco e da Enerpeixe no Tocantins, está entre as 15 marcas mais valiosas no mundo


Resgate

Paciente em estado grave é transportado de Miracema para Palmas pelas equipes do CIOPAER e SAMU


TV

Gastronomia alemã é o próximo desafio do MasterChef


Encceja

100% das unidades prisionais e socioeducativos realizarão o Encceja PPL 2019


Turismo

Adetuc projeta aumento de turistas e movimentação de mais de R$ 118 milhões na Temporada de Praias 2019



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira