Wednesday, 17 de July de 2019

OPINIÃO


Política

O Brasil, as raposas e o galinheiro

03 Jul 2017

Todos os dias – ou quase todos – somos surpreendidos por notícias sobre esquemas criminosos cujos participantes desviam a finalidade do dinheiro público, levando-o para o custeio de campanhas eleitorais ou para o puro enriquecimento ilícito. Aquela informação velada de que tudo teria uma propina de 10%, que circulou por anos a fio e era difícil de ser confirmada, agora é fato conhecido e comprovado por milhares de  investigações, inquéritos, processos, delações e até sentenças. São elevadíssimas somas roubadas. Escolas, hospitais, estradas, aeroportos, abastecimento de água e energético e outros serviços custeados ou executados pelos governos e seus prepostos têm sido usados para sustentar a legião de corruptos que ocupam os escaninhos do poder ou gravitam ao seu redor. E o povo, legítimo dono dos recursos resultantes de impostos e serviços superfaturados, além de pagar caro, não é atendido. A degradação é tanta que até membros de tribunais de contas já foram presos, considerável parcela do Congresso Nacional é investigada (alguns congressistas já são processados e outros presos) e até o presidente da República é denunciado e seus antecessores processados.

É surreal o quadro formado pela crônica dos detentores do poder nas diferentes esferas. Os malfeitos já conhecidos e aqueles que ainda virão a público com o avançar das investigações, principalmente as delações onde um envolvido revela a identidade de seus comparsas, mostram um Brasil doente. Mesmo assim, a economia, quando não é (ou é menos) atingida pelos esquemas de corrupção, dá sinais de recuperação. Precisamos de reformas. Mas não o simples tirar de direitos dos trabalhadores, o nada fazer sobre os grandes devedores e o deixar inalterados os elevados gastos governamentais e os privilégios de poucos que, cortados, poderiam resolver os problemas de muitos.

Mais do que qualquer alteração setorial, como as que se têm proposto, o país necessita de uma reforma conceitual. O bem público, hoje negligenciado e sob a guarda de corruptos, tem de receber controles eficientes e compartilhados entre diferentes entes, onde um impossibilite que o outro cometa irregularidades. A União, os estados e os municípios têm de operar sob rígidos controles. A máquina pública tem de ser reforçada e tornar-se eficiente para atender as demandas e administrar o erário, sem que os políticos, ocupantes de caros eletivos ou nomeados por estes, tenham acesso direto ao cofre. A estes deve ser reservada apenas a tarefa política. Para colocar a mão no dinheiro, tem de ser servidor de carreira, com formação, concursado e compromissado  para essa finalidade com regras que, não cumpridas, possam custar a carreira, o patrimônio e a estabilidade profissional e pessoal. Não podemos continuar no atual sistema, onde o que vigora é a popular figura da raposa administrando o galinheiro...
 
 
*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) 

COMPARTILHE:


Confira também:


Entrega de Títulos

Wanderlei Barbosa entrega títulos definitivos de imoveis aos moradores da região norte de Palmas

Moradores da região norte de Palmas comemoram recebimento de títulos definitivos de imóveis

IML

Em apenas 5h, peritos do IML do Tocantins identificam cadáver carbonizado pela arcada dentária

Procedimento realizado na capital identificou corpo de vítima de incêndio na região Sudeste do Tocantins a partir do confronto entre arcada dentária e prontuário odontológico.


TJTO

Juíza determina que o Estado e o município de Palmeirópolis forneçam, em 10 dias, remédio contra hanseníase a paciente

O descumprimento da sentença acarretará em multa diária de R$ 1mil (individualizada em R$ 500,00 para cada uma das partes requeridas - Estado e o Município) e limitada a R$ 30mil


Formação

Unitins traz Viviane Mosé para evento de qualificação de professores

Professora há mais de 30 anos, a palestrante é reconhecida nacionalmente pela atuação na área educacional


Luto

Morre a Auditora Fiscal Elizabeth Leda, aos 73 anos


Norte do TO

Polícia Civil prende mais um suspeito de participar de homicídio de adolescente em Araguaína


Cidades criativas

Quatro cidades do Brasil concorrem a títulos na Unesco


Grupo Record

Portal R7 ganha novas cores em ação dia e noite da Benegrip


Tocantins

Grupos de Ajuda Mútua dão apoio a dependentes químicos e familiares durante e após recuperação


Reforma

Damaso vota por regra de transição diferenciada para professores e policiais



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira