Tuesday, 23 de July de 2019

OPINIÃO


Viver

Racionalidade Limitada

19 Jan 2017

O que a modernidade tem ensinado, em termos de capacidades humanas de gerenciamento, é que a razão não é um instrumento ilimitado, capaz de a tudo dar conta. Por extensão, isso imprime um sério desafio às organizações, no tocante à amplitude e profundidade das tecnologias de comunicação e informação: o que pode e deve estar sob o escrutínio da rotinização decisória e o que cabe exclusivamente à mente humana lidar? O que se tem visto na prática gerencial das organizações de ciência e tecnologia são inversões infantis da lógica da decisão: aspectos rotineiros são objeto de discussões infindáveis e inconclusas, enquanto o que merece apreciação profunda das consequências do que foi decidido é deliberado sem a atenção devida. E o resultado disso tudo? Os mais nefastos que se pode imaginar. 
Sem a devida compreensão do complexo racionalidade qualquer possibilidade de sucesso gerencial encontra-se deveras comprometido. Este artigo tem como finalidade apresentar os limites da racionalidade humana na prática gerencial.

Quando se fala em racionalidade está-se focando a capacidade humana de calcular resultados pretendidos a partir da otimização dos recursos disponíveis. Desta forma, os resultados serão racionalizados quando os recursos alcançarem o maior padrão de eficiência possível para produzi-los.Diante desse desafio não é difícil perceber a importância das tecnologias de informação e comunicação não apenas para dar suporte às decisões, mas fundamentalmente para acompanhar a execução do que foi decidido e avaliar cada resultado parcialmente alcançado. É que a racionalidade alcança todos esses meandros e dimensões enquanto capacidade humana de calcular de forma consequente as utilidades que pretende alcançar. É que muita gente imagina (e isso tem levado muitas organizações à bancarrota) que as tecnologias servem apenas para alimentar o processo de decisório. Ledo engano. O processo decisório é apenas um momentum de um processo maior, que é o planejamento. E o planejamento, por sua vez, é apenas um subprocesso de um processo maior, que é o processo gerencial.

Recompondo a lógica, tem-se: processo decisório que alimenta o processo de planejamento, que alimenta o processo gerencial, que se desdobra em outros subprocessos e é parte de processos maiores. Novamente, a racionalidade humana pretende dar conta dessa teia de processos e subprocessos, suas interconexões, consequências, resultados, cenários e inúmeras outras dimensões da realidade do universo organizacional. Dito de outra forma, para quem ainda não entendeu o problema, a racionalidade pretende dar conta de todos os meandros do universo organizacional e seus impactos nos infinitos universos organizacionais, uma vez que uma organização é composta de vários universos organizacionais.

Tome-se como exemplo a necessidade que toda organização tem de se ver, hoje, como deverá estar no futuro distante. Imagine sua organização daqui a 50 anos! Não conseguiu? Pois é, para isso é preciso lidar com um manancial nada simples de dados e informações para que o cenário futuro possa ser vislumbrado e, diante dele, desenhar sua organização, seu papel na construção desse cenário e na atuação para a construção de outros cenários ainda mais distantes. Além disso, é necessário que se entenda que não basta ter um cenário e o papel da organização atuando nele. É preciso identificar variáveis-chave que podem afetar decisivamente o caminho da organização em direção a esse futuro, seja em forma de oportunidade, seja em forma de ameaça à sua existência. Como as forças ambientais não podem ser alteradas pela organização (pelo menos para a maioria que compõem o ambiente de atuação), aquelas decisivas precisam ser monitoradas para que planos alternativos possam ser executados para fugir às ameaças e aproveitar as oportunidades.

Como se pode perceber, o gerenciamento sério e responsável das organizações de ciência e tecnologia (e todos demais tipos de organizações) exige conhecimento de dimensões não comuns ao cotidiano organizacional, como a racionalidade. Evidentemente que não se pode existir de todo gerente um filósofo ou cientista de epifenômenos da psique humana. No entanto, deve-se exigir, sim, que tome conhecimento dessas limitações e possibilidades para que possa saber que instrumentos são capazes de lhes auxiliar na execução de suas missões gerenciais e até que ponto pode exigir de seus colaboradores, especialmente os de tecnologia da informação e comunicação.

Determinada organização de ciência e tecnologia se colocou o desafio de ser uma das que mais produzem patentes em determinada área do conhecimento em 30 anos. Passados 25 anos da proposição do desafio, já é considerada, hoje, uma das líderes do segmento que escolheu atuar. Para isso, cercou-se de instrumentos e dados e informações precisas que lhe permitiram desenhar os cenários atuais e dos próximos 20 anos. Também consegue detectar mudanças sutis no comportamento das variáveis-chave sobre as quais se assentam seus modelos de previsão, além de permitir a incorporação de novas variáveis. Nenhuma decisão de médio e longo prazos é tomada sem que esteja em consonância com o modelo adotado, que é alvo de aperfeiçoamento constante.

Diferentemente de quase todas as organizações nacionais de ciência e tecnologia, que não conseguem prever sequer quanto poderá faltar de recursos para honrar seus compromissos, trabalhar com o conhecimento da racionalidade limitada eleva o poder racional da gestão, ainda que isso possa parecer paradoxal. A explicação é simples: quanto mais se tem precisão das nossas limitações, mais se está preparado para superá-las. Decisivamente, a racionalidade limitada nos prega muitas surpresas. E muitas delas só são desagradáveis para quem não se preocupa com ela.

*Daniel Nascimento-e-Silva, PhD
Professor e Pesquisador do Instituto Federal do Amazonas(IFAM)

COMPARTILHE:


Confira também:


Queda de Braços

Prefeita Cinthia Ribeiro ataca Palácio Araguaia e governo libera servidora para assumir pasta da educação

Mesmo liberando a servidora Cleizenir Divina dos Santos para assumir a educação do município governo não demonstra interesse em participar da gestão Cinthia.

Editorial

Isolada, prefeita Cinthia perde o equilíbrio mirando no Palácio Araguaia

Na postagem desta segunda, a prefeita ataca o Palácio Araguaia. Sem meias palavras falou que o governo estava pegando carona na programação de férias nos eventos de Taquaruçu



Hospital de Amor

Ao completar 10 anos, Leilão Pecuária Solidária volta a Palmas: edição deste ano será dia 9 de novembro

Organizador e realizador do projeto, o leiloeiro Eduardo Gomes anuncia: “Arrecadações serão destinadas integralmente para as obras do Hospital de Amor do Tocantins, em Palmas”


Poluição

Aceiros realizados pela Seder no Parque Estadual do Lajeado auxiliam no combate às queimadas

Neste ano foram realizados cerca de 50 km de faixas ao longo de alguns limites do Parque. A ação resultou na eliminação da vegetação na superfície do solo.


Palmas

Divulgado resultado preliminar dos projetos classificados para concorrerem ao Edital do Itaú Social 2019

Das modalidades apresentadas, o eixo atendimento de crianças e/ou adolescentes, tendo em vista a defesa, proteção e promoção dos direitos do público recebeu quatro projetos


Turismo

Taquaruçu merece um olhar especial por parte das gestões públicas


Defensoria

Dados apontam que 81,6% das pessoas atendidas pela Defensoria Pública vivem com até um salário mínimo


Seciju

Ações contra violações de direitos são realizadas em praias do estado


PM

Ação conjunta da Polícia Civil do Tocantins e da Polícia Militar de Goiás resulta na prisão de homicida foragido de Araguaína


Regularização

Governo inova em gestão e abre portas do Instituto de Terras do Tocantins para estágio em 2019


CPPA

Suspeito de cometer homicídio em 2015 é preso pela Polícia Civil em Araguaína



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira